Proteja o Cyber ​​Apresenta Brian Solis como Orador Principal

Proteja o Cyber ​​Apresenta Brian Solis como Orador Principal


Proteja o Cyber ​​Apresenta Brian Solis como Orador Principal 1

O SafeGuard Cyber ​​apresentou Brian Solis como orador principal, como parte de sua série de jantares em San Francisco. Brian compartilhará suas pesquisas e insights sobre transformação digital, inovação e a importância dos agentes de mudança.

O evento também contou com os seguintes líderes empresariais:

  • Orchid Bertelsen, Chefe de Inovação Nestlé USA
  • John Rampton, CE, Calendar.com
  • Lisa Luscap, líder de marketing
  • Jennifer Heyman, vice-presidente de Social e Digital, Wells Fargo

Para reservar Brian como orador ao vivo ou virtual, entre em contato com sua equipe aqui. Para mais informações, visite as páginas de palestrante e analista.



Do Facebook ao Instagram, do LinkedIn ao YouTube, o Coronavirus está trazendo vídeo ao vivo, está de volta

Do Facebook ao Instagram, do LinkedIn ao YouTube, o Coronavirus está trazendo vídeo ao vivo, está de volta


Do Facebook ao Instagram, do LinkedIn ao YouTube, o Coronavirus está trazendo vídeo ao vivo, está de volta 2

Durante uma pandemia, quando você é solicitado a ficar em casa por um longo período de tempo, é natural que a humanidade encontre maneiras de se reunir. Dizer que as pessoas iriam para a Internet, vídeos sob demanda e mídias sociais era um dado. Quando se trata de trabalho, era inevitável que os funcionários se reunissem em torno de plataformas remotas de trabalho, mensagens e reuniões virtuais. Conversas sobre redes sociais corporativas (ESNs) dos dias da “empresa 2.0” estão voltando.

Agora, o vídeo social ao vivo está voltando muito bem, surgindo como um dos principais centros digitais para reunir pessoas remotas, ansiosas, solitárias e esperançosas. O Facebook, Instagram, Youtube, LinkedIn e Twitter ao vivo se tornaram o novo local, dando aos humanos a oportunidade de escapar, se envolver e sentir uma sensação de vida, mesmo que apenas por um momento.

Essa é uma das razões pelas quais prefiro o termo Distanciamento físico e não Distanciamento social. Ainda podemos ser sociais em um mundo digital!

Pessoalmente, participei de vários eventos ao vivo, incluindo as agora lendárias DJ D-Nice Quarantine Dance Parties. Eu também não estava participando da maior festa de dança digital ao vivo. O último evento recebeu mais de 100 mil participantes simultaneamente, incluindo Michelle Obama, vice-presidente Joe Biden, Usher, Justin Timberlake, John Legend, Oprah, Janet Jackson e Jennifer Lopez.

Meu amigo Jefferson Graham, da USAToday, explorou o fenômeno renovado do vídeo social ao vivo e as diferenças entre as plataformas. Falamos sobre seu impacto e também se o vídeo social ao vivo prospera em um mundo pós-Coronavírus.

Aqui está um trecho:

O analista independente Brian Solis diz que as visualizações ao vivo caíram e foram redescobertas por uma razão simples: “A idéia de viver reaviva o senso inicial das mídias sociais”, diz ele. “É bom estar com as pessoas.”

E o Live faz isso acontecer em tempo real.

Os aplicativos ao vivo começaram a aparecer em 2015, quando o Periscope do Twitter ajudou a popularizar o formato, e eles foram avisados, mas foram atrás para uma programação on-line produzida e editada profissionalmente. Solis diz que o Live terminará pós-COVID-19 onde estava antes: “Será ignorado em troca de conteúdo sob demanda mais dinâmico”.

Ele pode estar certo. Afinal, o Live é puro e polido, sem correção de cores, edição sofisticada, trilhas sonoras de música ou qualquer outro complemento que esperamos da programação de vídeo.

Mas é tão real, como o show da sala ao vivo de Garth Brooks e Trisha Yearwood mostrou na outra noite. E é muito divertido fazer isso porque você pode receber feedback instantâneo de seus amigos enquanto estiver ao vivo e interagindo.

Talvez Solis esteja errado e o Live esteja aqui para ficar. É certamente o lugar para o qual mais de nós recorremos quando nos aconchegamos em nossas casas.

Não acredito que seja uma questão de estar certa ou errada. É uma questão de tempos, para melhor ou para pior. O vídeo social ao vivo está reunindo o mundo porque somos apanhados em uma perfeita tempestade de solidão, saudade e incerteza. O vídeo ao vivo oferece união virtual em tempo real. Afinal, somos criaturas sociais inerentemente.

O importante para entender e apreciar a repentina revolta das comunidades virtuais ao vivo é que a intenção delas é reunir as pessoas pelas melhores razões, compartilhar, viver, aprender e lidar. Lembramos que não estamos sozinhos e que estamos juntos nisso.

Em um instante, podemos escapar do mundo real.

As comunidades vivas estão reunindo as pessoas de maneiras que não seriam possíveis de outra maneira agora, onde as pessoas são bem-vindas e o tempo comunitário é comemorado.

Essa é a importância da comunidade. Essa foi a promessa original das mídias sociais. É por isso que acredito que a comunidade é muito mais do que pertencer a alguma coisa; trata-se de fazer algo em conjunto que faça parte da importância. Esse é o espírito que espero que seja contagioso no novo mundo.

Leia o artigo dele e compartilhe seus pensamentos, melhores referências e experiências para compromissos ao vivo.



Nas notícias: como as pequenas empresas lidam com a pandemia de coronavírus

Weekly RoundUp - March 27, 2020


A maneira como pequenas empresas ou empresas de qualquer tamanho operam foi prejudicada pelo coronavírus. Portanto, abordar como lidar com a crise do coronavírus e manter sua empresa produtiva durante esse período se tornou fundamental. ->

E o resumo desta semana tem um artigo intitulado apropriadamente, “Como lidar com a crise do coronavírus e manter sua equipe e a si mesmo produtivos”. Ele analisa como você e sua equipe podem trabalhar remotamente e as ferramentas que você pode usar para fazer isso acontecer.

Da mesma forma, outro artigo analisa a ansiedade que os empresários e funcionários experimentam provocados pelo surto. Esta é uma leitura oportuna para todos, pois mostra como você pode reduzir seu nível de ansiedade com dicas de especialistas da área.

->Por último, mas não menos importante, é a resposta do governo ao coronavírus. Desde a Lei de Resposta ao Coronavírus da Famílias Primeiro até o IRS, estendendo os prazos de pagamento e preenchimento, o resumo inclui todas as informações que você precisa.

Dê uma olhada no restante do resumo abaixo, bem como em nossa página do Coronavirus Business Center.



Gestão

Como lidar com a crise do coronavírus e manter sua equipe e a si mesmo produtivos

Com o COVID-19 (coronavírus) percorrendo o mundo, quase nenhum setor econômico foi afetado. Enquanto a onda está varrendo os Estados Unidos, muitas empresas e organizações estão tomando medidas para se preparar para possíveis quarentenas e paralisações.

A mentalidade para pequenas empresas que você precisa agora

Se você é proprietário de uma pequena empresa, há realmente apenas uma pergunta em sua mente; como permanecer nos negócios durante essa crise do COVID-19? Nunca vimos algo assim antes. Mas, novamente, tivemos interrupções que fecharam negócios antes.

Lei de resposta ao coronavírus exige que empresas paguem licença médica por Covid-19

A Lei de Resposta ao Coronavírus da Familia First afeta todos os empregadores com 1-500 funcionários. E também inclui proteções para quem trabalha por conta própria. O presidente Donald Trump assinou a lei em 18 de março. E ela se tornará lei em 15 dias. O ato explicita os requisitos. Os empregadores pagam licença médica para aqueles afetados pelo COVID-19. ->

Atualização do Small Business Coronavirus

Pequenos destiladores de álcool atendem à demanda de desinfetantes para as mãos

Com os desinfetantes para as mãos esgotando o estoque nas lojas e nos centros de distribuição, deixa muitos sem o durante o surto de coronavírus. Destiladores de álcool estão tentando preencher a lacuna. Isso se deve em parte ao fato de o Departamento de Tributação e Comércio dar à luz verde para os produtores de bebidas alcoólicas uma isenção especial para fazer desinfetante para as mãos.

Instacart adiciona 300.000 drivers freelancers para atender à demanda de compras do Coronavirus

Para atender à crescente demanda dos clientes por entrega e coleta de mantimentos on-line durante a pandemia de COVD-19, a Instacart anunciou planos de atrair mais 300.000 compradores de serviços em período integral nos Estados Unidos durante os próximos três meses. A plataforma de entrega de produtos da Instacart permite que os usuários comprem nos principais supermercados, como Costco e Safeway.

Hello Alice lança Business for All e COVID-19 Business Resource Center

->Em março de 2020, a Hello Alice lançou seu movimento Business for All. O site fornece guias passo a passo. Você também encontra recursos especializados e comunidades colaborativas de colegas empreendedores. E tudo em sua plataforma aceleradora de pequenas empresas.

As conferências holográficas poderiam substituir as ao vivo?

Você viu o holograma do Presidente Reagan, talvez o concerto de Tupac? Bem, a tecnologia ficou muito melhor e agora está sendo usada para realizar conferências e reuniões por empresas. Considerando os eventos das últimas duas semanas, essa é uma tecnologia que todos desejarão em suas casas, assim que se tornarem acessíveis. E, eventualmente, será.

IRS estende prazo de declaração de impostos para pessoas físicas e jurídicas

Sec. Do Tesouro dos EUA Steven Mnuchin prorrogou oficialmente o prazo para declaração de impostos do IRS até 15 de julho de 2020, para ajudar pessoas e empresas afetadas adversamente pela pandemia de coronavírus. Isso atualiza um anúncio anterior no início desta semana, estendendo o prazo de pagamento de impostos apenas para meados de julho. Mnuchin fez o anúncio durante um briefing diário de coronavírus da Casa Branca na sexta-feira.

O que é um negócio essencial?

Você provavelmente já ouviu falar nos termos “negócios essenciais” e “negócios não essenciais” mencionados nas notícias recentemente. Mas tecnicamente esses não são novos conceitos.

Dicas de Marketing

Como criar uma experiência inesquecível de unboxing para seus clientes

Pesquise “Unboxing” no YouTube e você obterá cerca de 90 milhões de resultados. Unboxing é uma coisa, e isso, por sua vez, tornou a embalagem o seu segundo produto. Portanto, os consumidores agora veem uma experiência memorável de unboxing como valiosa.

Essas técnicas de marketing da velha escola estão voltando

Ferramentas de marketing antigas, como sinalização e mala direta, estão desfrutando de uma nova popularidade. De fato, oitenta e três por cento dos profissionais de marketing pesquisados ​​dizem que usar ferramentas como mala direta aumenta o ROI. O Small Business Trends entrou em contato com John Patinella, CEO da Money Mailer, e Kristin Gallucci, Diretora de Marketing da Signarama, para descobrir por que elas são populares novamente.

42% dos profissionais de marketing B2B dizem que precisam de um marketing personalizado melhor

Suas estratégias de marketing B2B não estão produzindo retornos esperados? Se sim, é provável que você precise personalizar suas estratégias de marketing. De acordo com a pesquisa mais recente da Folloze, 42% dos profissionais de marketing B2B disseram que seus esforços de marketing não são totalmente personalizados.

Vendas

Como começar a vender vales-presente

Os certificados de presente estão sendo apontados como uma maneira popular de pequenas empresas continuarem a obter receita durante os procedimentos de fechamento e distanciamento social adotados devido à pandemia de coronavírus. No entanto, a venda de certificados de presente pode ajudar uma variedade de empresas a aumentar as vendas, independentemente da situação ou época do ano.

Operações para Pequenas Empresas

Como trabalhar em casa

Muitas pequenas empresas agora estão permitindo que os funcionários trabalhem remotamente devido à pandemia de coronavírus. Mesmo aparte dessa realidade recente, trabalhar em casa vem ganhando popularidade constantemente entre empresários e funcionários há anos. Não é tão ruim assim. Cerca de 91% dos trabalhadores realmente pensam que são mais produtivos quando trabalham remotamente.

Dicas e Recursos

Como lidar com a ansiedade no trabalho

A American Psychological Association (APA) define ansiedade como “uma emoção caracterizada por sentimentos de tensão, nervosismo ou desconforto, tipicamente sobre um evento iminente ou algo com um resultado incerto. Vivemos tempos mais incertos e isso aumenta a ansiedade em nossas vidas, mas principalmente em nossa vida profissional.

5 dicas de improvisação de negócios para sua empresa

Quando você encontra um momento incerto como esse, pode improvisar e aproveitar esse momento para fazer as coisas que estava adiando. Dicas de improvisação de negócios Aqui estão cinco dicas de improvisação de negócios a serem consideradas. Modificar objetivos de negócios Avalie se você pode redirecionar seus negócios e reorganizar para fazer algo que possa usar as habilidades e ferramentas que você possui.

Como as mulheres e os empresários minoritários podem obter os melhores recursos

Todos os empreendedores enfrentam dificuldades em obter financiamento, clientes, conselhos e outros recursos. Mas para mulheres e empreendedores minoritários, sempre foi mais difícil do que para os proprietários de pequenas empresas típicos. No Small Business Radio Show desta semana, Elizabeth Gore, co-fundadora e presidente da Alice, ajuda as empresas a se lançarem e crescerem.

Tendências Tecnológicas

Como usar assistentes de voz para o seu negócio

Com o advento da tecnologia, mais processos de negócios estão ficando automatizados, simplificados e eficientes. A chave para essas mudanças rápidas é a inteligência artificial ou o aprendizado de máquina, onde os robôs nos programas agora nos permitem delegar tarefas redundantes manualmente nas máquinas. Agora, não apenas essas máquinas, mas também podem processar dados complicados e fazer projeções e previsões intuitivas.

Qual é a melhor plataforma para vender produtos on-line?

O varejo pela Internet ou pelo comércio eletrônico mudou para sempre a natureza do varejo. O advento da tecnologia digital permitiu que pequenas empresas administrassem sua empresa de maneira mais eficiente e lucrativa. Mantendo os dedos no pulso das inovações tecnológicas, as pequenas empresas podem aumentar sua produtividade e sua participação no mercado.

Imagem: Depositphotos.com

Mais em: Coronavirus Biz Advice




Como se recuperar de maus conselhos de um investidor

Como se recuperar de maus conselhos de um investidor


Andrew: Olá, lutadores da liberdade. Meu nome é Andrew Warner. Sou o fundador da Mixergy, onde entrevisto empreendedores sobre como eles construíram seus negócios. Juntar-se a mim é um empresário da Turquia, levantou dinheiro na Turquia, mas seu investidor disse: “Sabe, essa idéia que você tem, está indo atrás dos consumidores. Sim, você está enfrentando um problema que um cara que você conheceu em algum lugar tinha, mas há mais dinheiro no B2B. Você só precisa ir de empresa em empresa. ” E assim ele mudou de negócio e passou a empresa. E não deu certo. E o motivo pelo qual ele diz que não funcionou é porque ele não conseguiu lidar com um problema, resolver um problema do cliente. Em vez disso, o que ele estava fazendo era ouvir seus investidores.

E desde então, ele olhou em volta. . . Bem, primeiro, vamos admitir, ele sofreu um pouco. Não foi fácil. É doloroso e quero que você seja aberto sobre a dor nesta entrevista. Ele sofreu um pouco. Ele disse: “O que eu estava fazendo? O que aconteceu?” E ele analisou e disse: “Preciso encontrar um problema”. E, ao olhar em volta, viu que as pessoas que estavam vendendo on-line e o comércio eletrônico se tornaram realmente grandes. Se você está ouvindo minhas entrevistas, percebe que há cada vez mais pessoas fazendo lojas do Shopify e outros negócios de comércio eletrônico. E ele notou algo, muitos deles constantemente checavam outros sites para ver, os preços são competitivos? Os preços estão onde eles precisam estar? E ele disse: “Sabe, isso é uma grande dor no traseiro. Eu acho que poderia resolver isso. E ele criou uma empresa que resolve isso. O nome da empresa é chamado Prisync.

Imagino que as pessoas que estão me ouvindo no momento do comércio eletrônico vão dar uma olhada no site dele, prisync.com, se inscrever para o teste gratuito. Não estou procurando conseguir mais clientes para ele. Estou procurando entender como ele chegou ao local em que ele tem todos esses clientes no momento. E então eu convidei o Burc. Como eu fiz com a sua pronúncia do seu. . . ?

Burc: Perfeito.

Andrew:. . . do seu primeiro nome?

Burc: Perfeito.

Andrew: Você diz isso. Eu amo o jeito que você disse isso.

Burc: Burc.

Andrew: Burc.

Burc: Estamos dizendo o mesmo, Andrew.

Andrew: Tanir. Sim. Tudo certo. A única coisa que sei dizer em turco é Tasbih. Eu amo esses Tasbihs que vocês têm lá.

Burc: Sim. Ele adquiriu um nicho, eu diria. Quero dizer, a maioria das pessoas sabe, você sabe, as coisas comuns, mas a Tasbih adquiriu um nicho. E eu realmente não sei isso em inglês, para ser sincero. Provavelmente é Tasbih em itálico, você sabe, se você escrever isso em inglês.

Andrew: Tasbih, essas são as contas que eles usam, certo, para. . . ?

Burc: Sim, miçangas. Sim. Sim. Miçangas, mas, você sabe, miçangas que você meio que brinca com a mão quando está estressado e com raiva e outras coisas. Enquanto você dirige um táxi no trânsito de Istambul, sim, você tem um Tasbih na mão.

Andrew: É incrível para alguém como eu, que simplesmente não consegue ficar parado. É como um. . . é a ferramenta original de inquietação.

Burc: Sim. Sim. Absolutamente.

Andrew: Certo?

Burc: Quando esse produto apareceu, todos na Turquia disseram: “Ok, pessoal, nós já tínhamos isso, então por que você não vendeu isso para o mundo?” Mas, você sabe, mas alguém, você sabe. . . Sim. Quero dizer, acho que foi uma oportunidade perdida para todo o país.

Andrew: Eu vi esse cara em um trem quando eu estava na Turquia, ele parecia um homem musculoso. Ele não conseguiu se conter. Ele parecia que queria fazer um buraco no trem, mas ele estava usando o Tasbih, e eu o observei, tipo, usá-lo e relaxar um pouco. E, ao mesmo tempo, vi essas pessoas mais velhas, que não podiam levantar um pedaço de papel, parecia mover as contas na Tasbih, e eu disse: “Preciso pegar algumas”. E eu comecei a andar por aí, e os peguei, e comecei a usá-los. E é realmente uma boa ferramenta de foco. Enfim, não é sobre isso que estamos aqui para falar.

Burc: Sim. Certo.

Andrew: Estamos aqui para conversar com Burc Tanir sobre como ele criou esta empresa, e estamos aqui para fazê-lo graças a dois patrocinadores fenomenais, sobre os quais falarei mais tarde. A primeira, se você está hospedando um site, sabe disso. Você precisa conferir o HostGator. E a segunda, se você estiver contratando desenvolvedores ou designers, vá para Toptal. E os amigos de Burc trabalharam para eles, então vou perguntar um pouco sobre a experiência que os desenvolvedores que trabalharam para Toptal que ele conhece já tiveram. Mas primeiro, Burc, receita, quanto vocês estão fazendo?

Burc: Quero dizer, não tendemos a divulgar isso. Mas, eu diria que atualmente atendemos mais de 500 clientes de mais de 50 países, portanto, estamos indo tão bem até agora.

Andrew: E você tem uma avaliação gratuita de 14 dias. Eu cheguei bem fundo no seu site, certo?

Burc: Sim. Corrigir. Sim. Sim. Na verdade é . .

Andrew: E depois disso. . .

Burc:. . . originalmente, 14 dias, mas, como algumas empresas querem gastar mais tempo com os produtos, solicitam, por exemplo, uma semana ou duas semanas de extensão, por isso somos generosos a esse respeito. . .

Andrew: Tu es.

Burc: Sim. Sim, nós compartilhamos isso totalmente.

Andrew: Então você disse quantos, 500 clientes?

Burc: Sim. Mais de 500 clientes.

Andrew: Mais de 500. Portanto, no nível mais baixo, 500 vezes US $ 60 por mês, são US $ 30 por mês recorrente. Mas esse é o seu nível mais baixo.

Burc: Sim. E nunca vendemos os mais baixos.

Andrew: Você não vende o preço mais baixo, portanto, no mínimo R $ 60,00?

Burc: Vendemos, mas, quero dizer, essa não é a média. É o que eu quero dizer.

Andrew: O mais popular é o $ 129?

Burc: Sim. Na verdade, também temos alguns outros planos de preços não divulgados. Portanto, se você precisar de recursos adicionais que não são divulgados em nossos planos padrão, é, você sabe, é. . . Temos alguns clientes que estão pagando na faixa de mais de US $ 500 por mês, de modo que, na verdade, aumenta ainda mais a média.

Andrew: Então, o que estou falando é, claramente, mais de US $ 1 milhão por ano. . .

Burc: Sim, isso é um. . .

Andrew:. . . em receita recorrente.

Burc:. . . esse é um bom palpite.

Andrew: Mas você disse ao nosso produtor: “Eu não vou dar o número exato”.

Burc: Verdade.

Andrew: E eu pude entender por que as empresas desejam o pacote mais caro, porque quanto mais produtos você tiver, maior o pacote que você precisa e as pessoas que têm muitos produtos são as que realmente querem software para ajudá-las a descobrir. . .

Burc: Sim. Sim. Isso é verdade.

Andrew:. . . para ajudá-los a descobrir o que seus concorrentes estão cobrando pelo software. Ei, você era um mochileiro na Austrália quando teve a primeira ideia?

Burc: Na verdade não. Na verdade, eu era mochileiro na Tailândia, mas [inaudible 00:05:28] Austrália e França, então talvez a história tenha se misturado em algum lugar. Então, eu tinha um amigo realmente mochileiro da Austrália. Na verdade, éramos três caras. Tipo, um francês, um turco e um australiano, e nós éramos. . .

Andrew: E você estava apenas viajando pela Tailândia. . . ? Deixe-me perguntar uma coisa, porque é daí que surgiu a primeira ideia, tudo o que li sobre sua formação não me leva a acreditar que você é um cara que passaria um tempo mochilando. Você é como um acadêmico. Você é alguém que queria aprender tudo, certo?

Burc: De modo algum, na verdade. Quero dizer, eu acho que até a mochila é uma maneira de aprender, eu diria. Então, após a formatura, eu realmente recebi um pouco de dinheiro, como em alguns estágios e algum trabalho freelance, então decidi ir para o Sudeste Asiático. Então, eu comecei inicialmente de Cingapura, Malásia e Tailândia. E na Tailândia, eu conheci esses dois caras. Um da Austrália e outro da França. E essa ideia inicial que você apresentou na primeira introdução era realmente original, diria a ideia dele, mas ele nem sabia que tinha uma ideia. Então ele disse: “Ok, pessoal, somos, tipo, três homens solitários em uma ilha na Tailândia, então precisamos encontrar algumas pessoas com quem você possa sair e ver pessoas”. Então ele . . .

Andrew: E por pessoas. . .

Burc:. . . mais ou menos . . .

Andrew:. . . você quer dizer meninas até agora?

Burc: Sim. Sim. Sim, de certa forma.

Andrew: Eles queriam . . .

Burc: Mas . . .

Andrew: Eles eram jovens. Eles queriam encontrar mulheres, certo?

Burc: Absolutamente.

Andrew: E isso foi em 2011, então estamos falando antes de o Tinder decolar. OK.

Burc: Não sei exatamente se é antes do Tinder ou não, mas absolutamente antes de decolar. Não sei se ele já foi lançado ou não. Mas, você sabe, eu disse: “Ok, cara, isso parece uma boa ideia”. Então, imagine que você poderia realmente conhecer pessoas, dependendo da sua localização. Você poderia ter trocado mensagens, dependendo do gosto e outras coisas. Então eu literalmente, você sabe, havia um único computador nesta pequena ilha tailandesa, que poderia ser usado por cerca de 30 minutos por semana, por turista ou como você chama. Então, eu costumava receber chamadas do Skype com minha família uma vez por semana durante esse período. E usei cerca de 15 minutos desse intervalo de 30 minutos para enviar um email a um amigo meu com sede em Istambul para compartilhar essa idéia. Eu disse: “Ok, cara, eu só tive essa ideia brilhante na ilha. Talvez possamos construir essa rede e outras coisas. ” Mas, obviamente, depois dessa semana, eu realmente não voltei a minha caixa de entrada e ele nunca respondeu a mim.

Mas quando voltei da viagem para a Tailândia, digamos, e acabei encontrando ele na rua em uma festa ou algo assim, ele disse: “Nana, você sabe, você acabou de me enviar este e-mail na Tailândia, e Acabei de construir esse protótipo, você gostaria de prosseguir com isso e outras coisas? ” Eu disse: “Ok. Vamos verificar isso. ” Mas eu já estava em outro domínio até então. Como você disse, eu estava interessado principalmente em neurociência. Eu estava planejando me tornar um acadêmico, mas ele apenas me prometeu passar um dia com ele em torno dessa idéia.

E em uma noite, mudei completamente de me tornar um acadêmico para um empreendedor. Era literalmente um enorme estereótipo, eu diria. Tínhamos todos esses quadros brancos, post-its, cenários de usuário e outras coisas. E fiquei impressionado com tudo isso, digamos, criatividade ou como você chamaria. Mas era realmente um enorme clichê de empreendedorismo. Tipo, tudo isso colorido. . . Eu me lembro muito deles, os coloridos, tipo, post-its e outras coisas. E decidimos seguir essa ideia, construir isso. Mas, o resto não é basicamente uma grande história, mas foi uma história.

Andrew: O que, sim, uma história dolorosa, mas uma ótima história, na verdade, para mim. Apenas assista o microfone em seus fones de ouvido, pois ele atinge o seu. . . Sim, lá está você. Quando você bate na sua camisa, está se tornando uma distração. Ele construiu essa coisa. O que fez você amar tanto que mudou toda a sua vida? O que você viu que te excitou?

Burc: Eu acho que foi assim. . . Como dizer isso? Decidir o que fazer no outro dia ou nos próximos anos. Eu acho que ter essa autonomia, talvez, não sei, negócios ou, não sei, autonomia do seu estilo de vida foi o que realmente me levou, tipo, talvez liberdade, exatamente como você introduziu no começo. Então eu . . .

Andrew: Como processo criativo, não foi que ele construiu algo tão incrível que você teve que desistir do seu passado para passar ao empreendedorismo, é que você pode colocar minhas idéias, com licença, você pode colocar algumas idéias em um quadro branco, você pode colocar um post-it em uma parede e transformá-lo em um negócio, e essa experiência criativa foi o que mudou você.

Burc: Sim. Absolutamente.

Andrew: OK. Tudo certo. Então você construiu a primeira versão quando? Então, a propósito, o Tinder foi lançado em 2012. Você teve essa ideia em 2011, para que eu entendesse como não havia uma solução que atendesse às suas necessidades.

Burc: Sim. Sim, porque esse cara era. . .

Andrew: Você fez . . . ?

Burc:. . . basicamente verificando o Facebook. Quero dizer, se ele já conhecia o Tinder, acho que ele apenas verificaria o Tinder. Mas ele estava checando no Facebook. Então, acho que Tinder não. . .

Andrew: Facebook para ver: “Existe alguém que eu possa conhecer nesta nova cidade?” OK. E então você teve essa ideia: “Vou resolver problemas para viajantes que desejam conhecer locais ou talvez outros viajantes e, assim, não ficarem sozinhos”. Você então começou a construí-lo. Quão longe você chegou antes de começar a conversar com investidores?

Burc: Talvez apenas semanas ou mais. Então nem tínhamos um protótipo, mas começamos a aparecer em alguns eventos como arremesso em Istambul, na Turquia. Então a idéia foi chamada, basicamente, de pipoca, que viveu por algumas semanas, eu acho. Portanto, este produto Tinder-ish foi chamado Popcorner. Então, quando inicialmente apresentamos essa idéia a alguns anjos turcos, VCs e outras coisas, você sabia, havia um pensamento comum nos mercados locais dizendo que, quero dizer, “Nenhum Facebook pode existir ou pode ser construído da Turquia para o mundo. Então, em vez de focar, em vez de traçar um padrão, precisamos ver. . . Você sabe, qualquer empresa que queira se tornar global, qualquer empresa que queira criar um impacto, deve se concentrar no B2B. ” Então ouvimos esse negócio de B2B, muitas vezes. Talvez como. . . todo mundo estava dizendo: “Ok, qualquer ideia que você teve, tipo, se for B2C, não terá sucesso. Basta transformar isso em B2B. ”

Então, quando você obviamente ouve algo como 100 vezes ou talvez 1.000 vezes, isso obviamente atinge você. Então, por alguma razão, eu realmente ainda não consigo entender a lógica por trás disso, mas dissemos: “Ok, em vez de buscar essa idéia no B2C, vamos oferecer um serviço semelhante às empresas”, que era baseado em localização, eu não conheça redes e mensagens para empresas, em vez de turistas ou consumidores. Então, alteramos o nome do produto para BizCorner de Popcorner. Foi um grande piloto. E então começamos a construir algo que era tão, tão parecido com o Slack de hoje, a propósito. E é assim que tudo muda.

Andrew: O interessante é que acho que faz sentido para eles, para os mentores, para os investidores, dizerem: “É mais difícil criar um produto baseado no consumidor na Turquia que seria lançado no mundo. É mais fácil criar algo B2B, em que você não cobraria dos clientes. Nós entendemos melhor. Nós poderíamos ajudá-lo mais. O que acho que você reconheceu mais tarde foi que agora não estava atendendo a uma necessidade. Você não viu pessoas de negócios que disseram: “Caramba, preciso de uma maneira mais fácil de conversar com outras pessoas de negócios. Eu preciso de uma maneira mais fácil de conversar. Foi apenas: “Temos este produto, eles estão dizendo que vender não vende para consumidores. Vamos começar a vendê-lo para empresas e não sabemos necessariamente o que essas empresas precisam, mas vamos criá-lo “, certo? Esse foi o problema.

Burc: Sim. Isso é verdade. Quero dizer, era simplesmente, literalmente, uma ideia que me veio à mente em uma ilha, então não parece realmente uma ideia de negócio. Quero dizer, é como um filme, para ser franco. Então, em vez de, você sabe, contar com uma fantasia e outras coisas, notei que realmente preciso de um problema concreto abordado e sentido por, não sei, centenas ou milhares de, talvez, consumidores ou empresas. Mas, independentemente do tipo de demanda do consumidor ou do negócio, o elo que faltava era basicamente essa necessidade ardente, um problema ardente. Então foi isso que provavelmente nos levou a não prosseguir com essa ideia por causa do puro ajuste do mercado de produtos e assim por diante.

Andrew: Antes de começarmos o que não funcionou, o que era o BizCorner? O que isso fez? Era apenas uma conversa em que alguém poderia entrar?

Burc: Não. Não. Na verdade, foi inicialmente, tipo, não inicialmente, mas abordava completamente as empresas. Por isso, inicialmente visava empresas com força de vendas física, literalmente em campo, a trocar mensagens, documentos com sua sede. Imagine que você é um vendedor ambulante no campo, não sei, nos EUA ou na Europa, você precisava trocar alguns documentos, não sei, texto e outras coisas. . . E naquela época, a propósito, o Slack também não existia, então toda a comunicação comercial desse tipo também era realizada no WhatsApp. Então, nossa proposta realmente dizia: “Ok, o WhatsApp é uma grande distração, porque, ao mesmo tempo, você troca mensagens com seus colegas, sua namorada ou namorado, não sei, para você com emojis e outras coisas, então você meio que se distrai. ” Então, nós queríamos, você sabe, distinguir esses dois tipos diferentes de comunicação. Mas sim.

Andrew: Você sabe, isso faz muito sentido.

Burc: Acho que sim. Sim.

Andrew: Não funcionou. Como você sabia que não funcionava?

Burc: Eu não fiz. . . Nós, obviamente, quando digo Slack, acredito que não tínhamos esse tipo de visão, e realmente não tínhamos essas estratégias de entrada no mercado. Por exemplo, acho que uma das razões pelas quais não deu certo foi que dependemos muito de uma das empresas de telecomunicações na Turquia. Eu realmente não quero divulgar o nome agora, mas uma das empresas de telecomunicações no mercado turco realmente gostou da ideia e disseram: “Ok, em vez de vocês ficarem globais com essa idéia, vamos recebê-lo em nossa plataforma. Então você constrói em nome de nós e distribuiremos o produto em seu nome. ”

Então havia um campeão do nosso projeto naquela empresa. Então ela estava sempre nos convidando para as reuniões. Estávamos apresentando a idéia ao conselho, aos diretores de SMB e outras coisas. E nós estávamos realmente, a propósito, entusiasmados, então estávamos meio que mudando o desenvolvimento do produto realmente totalmente nessa direção. Mas em alguns meses, acho que em sete ou oito meses, ela acabou de sair do emprego. Ela mudou a empresa e ninguém realmente assumiu a responsabilidade de incorporar nosso programa na mesma plataforma que eles propuseram. Então a empresa simplesmente morreu lá.

E depois desse tempo, percebemos que meio que usamos todas as nossas cédulas e outras coisas, digamos, terra, então realmente não tínhamos um produto independente. Você realmente não podia fazer o marketing deste produto autônomo. Era esse produto no deserto ou algo assim. Então, nós também não tínhamos dinheiro, recursos e outras coisas, então não podíamos levar adiante essa ideia, então aceitamos isso. Tivemos uma espécie de mini MBA de graça.

Andrew: Você se sentiu muito mal por isso. Eu não quero ir para esta história de: “Aqui está um empreendedor, surgiu uma idéia. Tudo deu certo. ” Vamos ao cerne desta história. Quando você viu que não funcionava, como era esse sentimento ruim para você? Como você experimentou isso? O que você estava pensando? O que você sentiu na época?

Burc: Bem, na verdade, obviamente contém alguns anos, não apenas necessariamente aquele momento de me sentir mal, me sentir mal ou algo assim, porque se você remonta as coisas ao ponto de decisão quando eu deixei de me tornar um acadêmico, não sei, e outras coisas, quero dizer, quando decidi me tornar um empresário, obviamente, você falha em vários domínios. Então, quando eu falhei como empreendedor naquela época, também falhei direta ou indiretamente como acadêmico, porque também não podia me tornar isso. Então eu não poderia me tornar isso. Então, eu não era nada, basicamente.

Então esse sentimento ressoa em você, porque você começa a pensar em todas as coisas diferentes que poderia ter conseguido nesses poucos anos, quero dizer, que uma enorme oportunidade custa cerca de dois anos antes dos 20 anos. Então isso realmente se acumula em você. Mas, obviamente, depois de alguns meses ou algumas semanas, você também percebe que aprendeu muito. Quero dizer, a razão pela qual eu disse mini-MBA foi simplesmente que eu aprendi muito sobre, por exemplo, computação em nuvem, B2B e todas essas coisas, as quais, a propósito, estou usando diariamente agora em nosso, você sabe, projeto recente. Então, sim, quero dizer, depois de algumas semanas ou meses. . .

Andrew: Isso é uma recuperação adicional mentalmente. Mas quando você diz: “Eu não era nada”, você realmente se sentiu assim?

Burc: Não não.

Andrew: “Eu não sou um. . . “

Burc: Quero dizer, isso é um exagero, eu acho. Mas, realmente, realmente, quando você observa seu estado, literalmente vê que não conseguiu nada. Mas, obviamente, não concluí que não era nada. Eu disse: “Ok, não consegui. . . “

Andrew: Eu me senti assim. Eu me senti assim. Eu entro em algo, isso se torna uma definição de mim mesmo e, se não der certo, sinto que não sou nada. Mas você não se sentiu assim?

Burc: Acho que ainda estava cedo. Quero dizer, eu tinha mais ou menos 20, 22 anos, então, era muito cedo para ficar completamente envergonhado.

Andrew: Você não ficou envergonhado com seus amigos?

Burc: Sim.

Andrew: A propósito, estou cutucando aqui, porque sei que em sua conversa com nosso produtor, parecia um revés muito mais significativo para você do que apenas uma experiência de aprendizado, como você descreveu aqui.

Burc: Sim. Sim. Obviamente, é. . .

Andrew: Mas foi doloroso.

Burc: Sim, foi obviamente doloroso porque, honestamente, me formei nas melhores universidades de Istambul, na Turquia, então muitos de meus amigos da universidade já tinham empregos de destaque nas principais empresas de consultoria principais empresas de FMCG, e suas carreiras eram principalmente lineares. Quero dizer, eles não tinham esses ziguezagues, sei lá, mas o meu era absolutamente um ziguezague no fundo. Então, quando você realmente, voluntariamente ou involuntariamente, quando começa a se comparar nesses dois anos, eu estava basicamente no nível mais baixo.

Mas sim, quero dizer, essas comparações vêm à sua mente e depois dependem de onde você está, você sabe, com quais pessoas você fica. E, felizmente, você sabe, uma das maneiras de superar isso era que, eu também tinha alguns amigos empreendedores que estavam passando pelo mesmo, digamos assim. Então, não necessariamente, eu estava sempre saindo com amigos corporativos tendo os melhores empregos. Então, acho que essas amizades também me ajudaram a abraçar esse fracasso e, talvez, tentar novamente. Mas eu não sei, você sabe, como seria se eu tivesse falhado novamente mais uma vez em apenas alguns anos. Espero que agora esteja bem.

Andrew: Então, quero entrar em um momento na análise que você fez. Então eu notei que era. . . Drew Houston, do Dropbox, tinha uma empresa que não deu certo, gastou tempo, eu acho, por conta própria, aprendendo silenciosamente, descobrindo o mundo como ele o via, e então ele saiu com o Dropbox. Quero perguntar o que você fez ou o que aprendeu ao se sentar e analisar a falha do BizCorner? Mas primeiro, deixe-me falar sobre o meu primeiro patrocinador. É uma empresa chamada Toptal. Eu perguntei antes de começarmos, qualquer conflito comigo falando sobre Toptal e você disse: “Não. Na verdade, tive amigos que trabalharam na Toptal. As pessoas que você conhece que trabalharam na Toptal, o que você sabe sobre elas?

Burc: Quero dizer, talvez isso seja uma coincidência ou não, mas sei que esses caras realmente não queriam trabalhar em outro lugar, mas escolheram o Toptal para trabalhar. Então eles acharam esses projetos mais desafiadores e outras coisas. Então, a propósito, eu só tinha dois amigos que eu realmente conheço pessoalmente que preferiam trabalhar para Toptal. E eu sei que no primeiro mês de sua carreira até a graduação, eles realmente não escolheram esses empregos regulares, empregos regulares de TI no mercado local, mas, em vez disso, eles realmente queriam enfrentar alguns desafios globais. E acho que Toptal deu a eles essa ótima oportunidade de enfrentar esses desafios globais remotamente ou talvez, com realocações físicas e outras coisas. Então é isso que eu sei sobre isso.

Andrew: Você sabe o que? Eu acho que resume perfeitamente os desenvolvedores que Toptal está procurando. Número um, você não conheceria muitos desenvolvedores do Toptal porque o Toptal é incrivelmente. . . Qual é a palavra? Eles são . . . Eles estão procurando um pequeno grupo de pessoas que amam, como você diz, desafios. A maioria das pessoas diz: “Eu não quero o desafio disso. Eu só quero um trabalho fácil aqui para descansar um pouco, enquanto descubro o que quero fazer ou cuido da parte do trabalho da minha vida para que eu possa gastar mais. . . “Não, são alguns desenvolvedores que apenas enlouquecem desafios de amor. E Toptal quer essas pessoas, as pessoas que gostam tanto que, se alguém as contrata e coloca um desafio à sua frente, elas dizem: “Gostoso, faça isso. É para isso que estou aqui. “

E a segunda é que eles querem pessoas com essa aspiração global que não querem necessariamente se mudar para São Francisco. E eu poderia lhe dizer várias razões pelas quais você não quer se mudar para São Francisco. O número um é cocô na calçada, certo? Eles não querem fazer isso. Eles querem morar na Turquia, se é de onde eles são. Eles querem viver na Europa Ocidental, se é de onde eles são. Eles não querem sair. Essa é a ideia por trás da Toptal. Eles colocam esses desafios na frente dos desenvolvedores. Os desenvolvedores que passam todos esses desafios e testes, todos esses processos de entrevista, chegam à plataforma de desenvolvedores Toptal.

Quando eu ou você ou qualquer outra pessoa por aí nos ouvindo quer contratar um desenvolvedor, tudo o que precisamos fazer é ir para toptal.com/mixergy, apertamos um botão, conversamos com um jogador, o jogador, um a um. uma conversa em particular, entende o que estamos procurando e depois nos configura, geralmente duas, talvez três conversas com desenvolvedores que podemos contratar. Podemos fazer isso em período integral, meio período, uma equipe inteira de pessoas apenas para um projeto. Tudo o que você precisa, eles te protegem. E se você não gosta, depois que eles ligam para você, você não precisa contratar. Se o fizer, eles concederão 80 horas ou crédito de desenvolvedor Toptal quando você pagar pelas primeiras 80 horas, além de um período de avaliação sem risco. Então, basicamente, rigor envolvido em fazer parte da rede Toptal. E, para você, eles dão a você a confiança de saber que, se você não estiver feliz, poderá recuar. Você não precisa pagar, mas os desenvolvedores ainda serão pagos.

Então, aqui está o URL: ele está no topo da sua cabeça, tanto quanto no talento, T-O-P-T-A-L.com/mixergy. E uma boa pergunta a seu desenvolvedor é: como você se sentiu? Você se lembra do dia em que entrou na rede Toptal? É um dia enorme para eles, porque é desafiador e, para a maioria de seus amigos, a maioria dos desenvolvedores que eles conhecem não conseguiu entrar no Toptal. toptal.com/mixergy.

Então você estava começando a dizer que analisou a falha e aprendeu com ela. Quais são as uma ou duas coisas que você tirou dela e disse: “Não vou cometer esse erro da próxima vez”?

Burc: Bem, esse era basicamente o aspecto problemático das coisas. Quero dizer, notei que, você sabe, muitos. . . A propósito, eu também estava lendo muitos blogs de tecnologia e coisas como o TechCrunch. E então eu notei que todas aquelas empresas, principalmente as empresas B2B que decolavam, tinham realmente problemas sólidos a serem abordados e, quero dizer, e esses problemas eram realmente reais. Quero dizer, eles não estavam realmente aumentando a eficiência da empresa e não são assim, você sabe, como os problemas leves, digamos. Portanto, esses problemas também foram enfrentados, não necessariamente por 10, 100 empresas, mas estávamos falando de milhares de empresas de todos os tamanhos tendo esses problemas.

Então eu, literalmente, você sabe, tento desenhar uma paisagem de talvez mercados, inicialmente. Então, inicialmente eu queria detalhar as coisas ao nível do mercado em B2B. Então, eu realmente queria encontrar um mercado em que milhares e milhões de empresas estivessem ativas. Então, obviamente, as pequenas e médias empresas são esses mercados, e as pequenas e médias empresas no comércio eletrônico eram o melhor mercado para enfrentar na época de 2013, 2014 ou algo assim. porque no mercado local, o comércio eletrônico estava crescendo. Por isso, escolhi o comércio eletrônico como o mercado certo para enfrentar.

Então comecei a pesquisar o mercado de comércio eletrônico para descobrir esses problemas, que são sentidos por quase todos de uma maneira severa e, felizmente, eu tinha muitos amigos, você sabe, trabalhando no comércio eletrônico como empresários ou, você funcionários, então eu estava saindo com esses caras diariamente para tomar uma cerveja, pizza ou algo assim. Então eles estavam sempre reclamando de um único problema, que foi o problema que eu amei nas estatísticas dos últimos anos.

Andrew: PME, pequenas e médias empresas.

Burc: Correto.

Andrew: E comércio eletrônico. Pequenas e médias empresas, por quê?

Burc: Como existem muitas e suas necessidades são bastante comuns, para que você possa lidar com isso com, digamos, produto padrão, em vez de oferecer, você sabe, personalização, integrações, implementações em cada cliente que você está embarcando. Você pode, em vez disso. . . como o Shopify, por exemplo, você pode criar um único produto que atenda às necessidades de uma abordagem de tamanho único, basicamente.

Andrew: Entendi. Por outro lado, se você optar por uma empresa maior, a General Motors e, eu não sei qual é outra empresa, e a Apple não teria o mesmo problema, obviamente. Então você disse que eles são muitos e têm problemas semelhantes. Você notou que o comércio eletrônico estava em ascensão. Como você percebeu que o comércio eletrônico estava aumentando?

Burc: Como todo mundo trabalhava para o comércio eletrônico, como eu disse, funcionários ou, sabe, muitos dos meus amigos começaram a lançar diferentes lojas de comércio eletrônico em diferentes setores. E, tipo, alguns deles escolheram, eu não sei, itens de luxo, outros escolheram itens de designer, alguns deles trouxeram, você sabe, material eletrônico de consumo da China, então eles lançaram seu site de eletrônicos de consumo. Portanto, foi uma simples observação de amigos envolvidos em determinados mercados. E, obviamente, os números estavam mostrando essas coisas, então recebemos muitas, você sabe. . .

Por exemplo, tivemos poucas startups de comércio eletrônico unicornistas em 2013, e isso não era necessariamente uma coisa turca que costumávamos fazer. A Amazon estava quase crescendo cada vez mais rápido. Estava se tornando cada vez mais global, em vez de apenas se tornar uma empresa dos EUA. Então, na Europa, também tínhamos muitos sucessos no comércio eletrônico, além de empresas que ultrapassam a marca da receita de bilhões de dólares. Então eu senti que já era hora de resolver um problema e, em vez de apenas lançar outra empresa de comércio eletrônico e me perder nessa multidão, eu, em vez disso, aproveitei a oportunidade para enfrentar o problema. problemas desses milhares e milhões de empresas.

Andrew: Você sabe o que? Também notei que o comércio eletrônico está crescendo e acho que há algumas razões para isso. Me diga o que você acha. Número um, as pessoas estão cada vez mais confortáveis ​​comprando on-line. Número dois: as compras on-line são mais acessíveis, pois os celulares estão se tornando uma parte cada vez maior de nossas vidas. O Shopify está criando uma plataforma para permitir mais tipos de comércio eletrônico. E até acho que o Instagram, até certo ponto, está fortalecendo, os anúncios do Instagram e do Facebook estão capacitando mais sites de comércio eletrônico. Like, in your day-to-day without them, you wouldn’t come across some small e-commerce operation that was maybe even drop shipping from somewhere else because where would you? But Instagram, Facebook have gotten really good at targeting you with exactly the product that you need to see and getting you to buy it.

Burc: Yeah. Sim. True.

Andrew: What do you think?

Burc: Yeah. I think I [inaudible 00:26:39] . . .

Andrew: But I’m also . . .

Burc: Mm-hmm? Sim. Go ahead, please.

Andrew: So I’m also going to add one other thing. I also noticed that to some degree, YouTube is big that way, too, where there are small stores that will give away products to YouTubers, who will then have something to create a video about and then YouTube’s algorithm will be good about showing the GoPro equipment, in my case, to somebody who is obsessive about GoPros and you say, “Wow, all right, it’s 20 bucks from some store I’ve never heard of, but it’s exactly what I need, and it addresses my need.” So I feel like all this stuff is coming together and growing e-commerce. What were you going to say? What did you notice?

Burc: Yeah. I absolutely agree that all things are getting together. But I see things more about, like, demand and supply fulfilling each other in a way. So I really see Shopify’s and similar companies position really crucial in that level because, you know, when you combine a few technologies together, you can somewhat launch a retail operation like Amazon. Obviously, I’m exaggerating to a certain level, but you can literally launch your website, you know, with Shopify, you can them embed personalization tools, I don’t know, pricing optimization tools like us, you know, product recommendation tools, again, available on Shopify’s ecosystem and you can suddenly start running an e-commerce operation almost as sophisticated as Amazon.

So this capability of launching such sophisticated stores, obviously, you know, drove such people, ambitious people to launch companies, instead of . . . Because why not? I mean, they said, “Okay, this is quite easy. I wouldn’t lose that much of money because that’s . . . ” There is not such many, I don’t know, CapEx, if that’s the right way, I mean. Instead of having a lot of capital, the expenses of launching a shop, you know, buying a lot of assortments, you can instead just push things into the operational expense side or tech side. You can pay Shopify like $29 per month. You can just do drop shipping. You don’t keep that much.

So this capability, this flexibility of really launching something, I think really, I agree with the supply side of things. And, obviously, with all these marketing channels, all these visibility of supply, demand also started to, you know, gain momentum. And I think the fact that in an e-commerce store, you can literally list . . . Eu não sei. Obviously, you need to build the right information architecture, but you can list thousands or millions of SKUs that you cannot really list or actually store in a physical store. So it also gives a lot of convenience to shoppers that they can find everything in stock instead of going to a shop and noticing that that product is not on the shelf and stuff. So I . . .

Andrew: Yeah. So . . .

Burc: . . . I believe that.

Andrew: The thing that I’m taking away from you is, you said, “This time, yes, I’m going to accept that I need a big market and I understand the analysis of a big market.” The next thing that I noticed as I wrote down what you were saying was, friends. You had access to people who needed this versus your previous company, with BizCorner, you didn’t know a lot of people who were running companies . . .

Burc: Totally.

Andrew: Right? Maybe not even one. Here . . . No. And here you had a lot of friends who were doing e-commerce, so you had more access to the market. And, finally, you said, “I need to have a problem,” and you noticed that they were complaining a lot. I want to hear a little bit more about the complaints as they said it back then. Obviously, you have more understanding and nuance and the scope of it, but back then, what did you pick up from your friends who were complaining about the problem with e-commerce?

Burc: So the center of all those complains was simply competition, first of all. I mean, they were saying that, okay, that, you know, let’s say they’re working at company A, you know, suddenly on the second day of their operation, company B launches and starts selling the exact same product assortment. Let’s say it’s consumer electronics because it’s not really a hidden, let’s say, business secret to, you know, launch a drop shipping business bringing, you know, consumer electronics products from China. I mean, none of those supply channels are actually, like, I don’t know, exclusive or something so you can start selling the exact same product assortment in a few days.

So they were complaining about all these, you know, direct assortment clash, new domains popping up every day, and their inability to really trace all those new shops manually because they were . . . literally, like, about 50% of their day time was spent on browsing through all their competitor website, checking out what they have in their store on the homepage only, like, on the homepage, they visit like 10 to 15 products. So they can only browse through the top 10 to 15 product prices, you know, names, brands.

Andrew: But you know what? I’m wondering how much of a problem this was because I think about my shopping habits, and I have a hard time going beyond it. For me, if I’m not buying on Amazon, it’s usually a specialty issue. Like I told you, I love my action camera. My action camera needs a thing that would hold on to a microphone for when I want to record my voice as I’m running, go to Amazon, they were late to sell those things, but there would be some random Shopify store that would advertise to me on Instagram or I would see on YouTube somebody do a video of it, and I’d go, and I’d buy that.

But would I even know how to go and do a search for a competing website for it? I don’t know how because they give it their own name even though it’s made in the same factory as a competitor. They . . . I can’t figure out . . . Like, what am I looking for? Am I looking for a microphone shock mount, something, or . . . ? It’s too cumbersome. I don’t do it. But I know I’m not typical. What were you finding? How were your friends expressing this problem? What were their customers doing?

Burc: They were actually Googling, first of all. I mean, by the way, I’m talking about global markets. So, obviously, Amazon is a fact in the U.S., so most of the search even start not from Google but from Amazon search bar. But if you take Google as an example, when you search for, let’s say a commodity product, I don’t know, a really popular product, let’s say Nintendo or whatever, a PlayStation and whatsoever, when you search for that product with its name, it pops up with, I don’t know, tens or maybe like hundreds of different results, product results depending on their SEO rankings. And when you, for example, as a consumer, click on all those results to see which is the best-priced item. You know, if you put yourself into the shoes of every single e-commerce store owner of those tabs that you opened on Google Chrome, they are actually, you know, own spot competing on price. So we were actually tapping into the needs of those companies because their consumers were simply benchmarking the prices of those companies live. So they were literally in a live price competition.

So, if at that moment, obviously, I’m assuming that they have a trustable, you know, band, they ship their products on time, so all the other aspects are kind of, like, equal. They have all user-friendly dashboards, you know, websites and stuff. So, instead of losing a sale just because of that expansive price point, we were helping those companies to be the most affordable or, I don’t know, most profitable or maybe in some cases, cheapest in such comparisons.

Andrew: So they were noticing that their customers were Googling for their product, opening a bunch of tabs looking for the cheapest. I just have such a hard time believing that that’s the way people operate . . .

Burc: I mean, it’s . . .

Andrew: . . . because I imagine what most people care about is where is it coming from? And I’d be willing to pay an extra $5, $10 for a product if I knew it was coming from a good source. But I understand. I’m not the typical customer. That’s what you were starting to see from them. And you said, “I can solve this problem,” and the first customer you got was where and who?

Burc: It was actually, like, we had a few customers almost in the same week. So we had a Turkish customer. Like, I think he saw our, like, post, or something like online, and he was doing all these stuff manually himself, and he was actually the founder of this e-commerce company, e-commerce operation. So he just jumped on the idea, saying that, “Okay, instead of just manually checking all these prices . . . ” It was like a sales pitch in itself, so his buying pitch was actually a sales pitch itself. So he said, “Okay, instead of spending tons of time on manually checking all those competitors, I can save this time for my business operations, for my growth.” So he just signed up for our software, subscribed to it, and started to automate all these competitor price tracking. And, also, on top of that, he started to integrate with our API, which enabled him even to automatically change his price on the website. And, voila, he automatically, you know, started to do all these pricing decision-making process.

Andrew: You posted on a message board? Which message board was it, and what did you post?

Burc: Not message board. I think it was a Turkish blog of startups, not even an e-commerce one, but I think that . . .

Andrew: Saying, “We launched it. Here’s a thing that we created.”

Burc: Yeah. Absolutely.

Andrew: Got it. And you know what? That’s the thing that I noticed about your launch. It was very Turkish. The homepage was in Turkish, right?

Burc: Yeah. Sim. Totalmente.

Andrew: People who you were launch . . . It was. It was . . . That was intentional, right?

Burc: Not necessarily. I mean, I think it was not intentional, but we noticed that, you know, on the very first, like, in months, maybe in the first years, we didn’t really have a finished product in hand, so it was not really fully automated. So it was doing the majority of the stuff manual, sorry, automatically. But that needed some manual validation, manual verification, so we always needed this human touch during the sales process. So as we couldn’t really do, you know, sales meetings and, I don’t know, all these conversations outside Turkey, we kind of saw the Turkish market as a test ground. So we eventually had all those direct meetings with our, you know, potential customers, you know, exchanging these ideas of being not fully automated, fulfilling their needs with some manual services that’s not . . .

Andrew: But did they know that? In fact, from what I understand, the very first version was completely manual. You got him as a customer, and you figured out, “We’ll have somebody sit back there and put together a spreadsheet for this customer.” Am I right?

Burc: Yeah. Not somebody, me, actually. Sim. Sim.

Andrew: It was you?

Burc: Yeah. Sim. Me and my co-founders and maybe a small team.

Andrew: The two of you were sitting down, spending hours doing research?

Burc: Yeah. Sim. Sim.

Andrew: Why? Why did you do it? Why didn’t find somebody on Upwork?

Burc: Because we didn’t have even money for that, to be honest. I mean, because we just, you know, we . . .

Andrew: Because you went completely broke from the previous company?

Burc: Yeah. Sim. That’s true. So we . . .

Andrew: Were you living with your parents?

Burc: No. I was actually living with my friends, but I was actually, like, kind of couch surfing through a few friends, so I was not really paying for the rent in the first few months of the company.

Andrew: And, to be honest, also, to be complete, you also took on a job for a bit, am I right? In between the two businesses [inaudible 00:36:48].

Burc: Yeah. Sim. That’s true. We kind of skipped that, but I also worked as a kind of account manager for a mobile marketing agency for a few months for a major telco.

Andrew: Efabrika.

Burc: Yeah. Sim. That’s true. It was a really nice opportunity, but anyways, then it didn’t stick. But, yeah, I . . .

Andrew: So it was you saying, “We launched this new thing, a software that will give you all the information you need about your customers, sign up.” He signs up, you say, “All right, and our software is going to be our fingers and some spreadsheet software.” You do the work for him. You do the work for other customers. You continue to do it that way. We’re going to get back in a moment and talk about what you did after. But I got to ask you, one of the first things I noticed as I was looking at your previous versions of your website was, there was a London address, like, months after you launched. What’s the London address about on your . . . ?

Burc: Actually, we . . .

Andrew: . . . homepage? Everything is in Turkish . . .

Burc: Yeah. Sim. We actually . . .

Andrew: . . . a little bit of English, I should say, if you want translation. But a London office sticks out. What is that?

Burc: We had a few friends, actually, literally. Like, in the very first stage of a startup, you know, you sometimes feel that you can maybe be a five to six co-founding members instead of just two main co-founders. So I thought that maybe if we could have been a bigger team of co-founders, we didn’t really need an early employee so everybody would just be really motivated to work for the company without a salary and stuff. So, fortunately, I had really bright friends also based in, like, London, and, obviously, the UK market is one of the, you know, hottest e-commerce markets for us now. For example, we . . .

Andrew: So there was a friend who was there?

Burc: Friends, actually, two friends.

Andrew: And it’s . . . Friends. And this was their house or something or . . . ?

Burc: Yeah, home office, basically. So he was . . .

Andrew: Okay. Got it.

Burc: The two guys were already doing some other stuff, so one of the houses was actually our London office. But it was literally an office.

Andrew: And it’s also like a prestige thing. You got London . . .

Burc: Yeah. Sim. Obviously.

Andrew: . . . space. Got it. Tudo certo. Let me take a moment and talk about my first sponsor, my second sponsor, excuse me. One of the things that I noticed about what you described is when people shop, they do this whole Google hunting thing. It’s tough to compete on price. It’s tough to compete in a world where people can open up five different tabs and find $5 lower. The thing that helps us stand out is brand, and I think the best way to do that is to have your own name on the internet. Go get your domain, put your photo up there, put a little bit of text. You don’t have to go much more than that, but it gives people a sense of who you are. I think then if you build on that a little more, blog a little bit, put links to different things that you’re doing online, create a reputation for yourself and people will be willing to pay for your stuff more than they are willing to pay for a competitor even if they’re charging a little bit less. And it makes sense because they could trust you more. Am I right?

Burc: Yeah. That’s true.

Andrew: And the best way to do that is to go to hostgator.com/mixergy. And the reason I like that is, Burc, let me be honest with you, I noticed a lot of other podcasters are talking about different platforms for creating websites, and they do not use them. They’re all on WordPress hosted by somebody. And the reason that they’re all on WordPress hosted by someone is so that they could take their platform, take their website and move it to a competitor if they want to. So they have flexibility to do whatever they want on their site.

Which is why I’m saying to anyone who is listening to me, if you’re building a website, go build it on WordPress. And if you’re using WordPress, I think the best place to get started is go to HostGator. With HostGator, they give you super low prices, dependable service, and room to grow, even more options than you see on their website. So as you need more, they will grow with you. If you go to hostgator.com/mixergy, you’re going to get the lowest price . . . And actually, the reason that you see me a little distracted is I’m doing a search on your site. I want to know what did you built that first version of your site. Now, let me see. Do you remember what . . . ? It was WordPress, wasn’t it?

Burc: Yeah.

Andrew: The markup. Was it WordPre . . . ? Oh, I’m hitting markup. Delete. View source. Let me confirm. From what I could see . . .

Burc: I think we . . .

Andrew: . . . it wasn’t. Was it WordPress?

Burc: We, I think, used a . . . What was it called? Like, there a framework . . .

Andrew: No.

Burc: But that website didn’t live for so long, actually. But I don’t really remember. We were using this more like a . . .

Andrew: Yeah. I got to be honest, the first version was not. The first version was built . . . It looks like it was almost hand-made, that first version of your site. But I don’t want to give people the wrong impression. No, you guys did not use WordPress. A lot of people who I have interviewed have used WordPress to get started, and often it’s on HostGator. If you want to get started or you hate your hosting company, and you want to try somebody new, go to hostgator.com/mixergy. They will even migrate you. And if you thought their prices were already low, you’re going to be shocked by how low they are when you go to hostgator.com/mixergy.

You know, the one place where I don’t fact check is in conversations. But I hate it when I’m having a conversation with someone, and I get a little bit off, and my wife will correct me and go, “No, actually, it is . . . ” I mean, can you just let that go? Does it have to be actually, exactly perfect? Are you married?

Burc: Yes.

Andrew: You are?

Burc: Yeah. Sim. Sim.

Andrew: Does your wife do that?

Burc: No. Not that much, actually. I mean, she’s mostly supportive.

Andrew: I mean, I don’t mean to, like, act like she has to correct me all the time, but it does almost hurt your ears when you hear somebody say something that’s inaccurate and you want to make sure that you get it right and represent everything honestly. But in a marriage, in a friendship, just sometimes, let it go. You don’t need the absolute, perfect answer all the time.

Burc: I agree. Sim.

Andrew: Thank you. Tudo certo. So, at some point, you had to start to automate. What’s the first automation that you did?

Burc: I think the major bottleneck that we had against us while we were attempting to scale this offering, I mean, the difficult thing about price tracking is, you know, actually competitive pricing tracking is that, to identify, really, the competitive products, for example, you’re, let’s take a website A, and you’re selling these 10 products, in order to scrape prices from the competitor B for those products, you initially need to match those products versus each other. So you need to say, “This product listed on company A is the exact, same product price benchmark-able product on company B.” And this is not a straightforward task because, you know, there are not named by the exact same person in those two companies. I mean, maybe they list those products under different categories. Their pictures are the different pictures and stuff. So we really had a hard time to automatically match all those products one by one. So the main automation requirement for us to scale was at that layer because we obviously really quickly managed to, you know, automate price scraping parts, so that manual operation didn’t last for long. I mean, only for a few weeks’ time. We populated prices manually, but after that, this price population thing went fully automated.

But let’s say when you automatically track, you know, 100 prices from company A and 100 prices from company B, then these needed to be matched. So these took about like one or two years of time for us to build some type of product recommendation. But now, for example, we have a fully automated solution for a certain bar codes, product codes and stuff, which helps us to, you know, get through all these manual effort of matching products one by one. So companies simply provide us their own products and then with all their, like, unique product identifiers, maybe like GTIN numbers, UPCs, EANs depending in which market you are, we can automatically find those matched versions. So I can guarantee you now that everything is fully automated as of today.

Andrew: Once you got the 35 customers, you started automating it. I’m I right about that? Because . . .

Burc: Yeah. Sim. Na realidade. Sim. Sim.

Andrew: And doing it manually was a pain?

Burc: Yeah. Sim. True.

Andrew: What did you learn by personally doing it to manually that you wouldn’t have known if you would have hired somebody else to do it?

Burc: I think I learned that automating that would even be really hard because, you know, if you cannot, you know, artificial intelligence is . . . I think that it tries to mimic your, you know, human capacity. So even in human capacity, some products were really hard to match against each other. So because their namings were really, like, creative in some cases and in some e-commerce managements were naming products with amazing typos, so you cannot really, I mean, you can’t think that this product might be a different product, not that product. So in such tricky cases, I was feeling really hard, and my teammates were also having those same problems. And, in some cases, we were obviously making mistakes, and in some cases, we were making the correct match, but the customers were saying that, “Okay, these products are wrongly matched so you should correct them up.” But actually, those were not right. So I noticed that this will be even a difficult task when done automatically. This was the key thing that I learned.

Andrew: Yeah. It does seem like it’s hard because don’t people just make up their own names? Or maybe I’m misunderstanding who your ideal customer is. But when it comes to stuff that’s being sold on Shopify stores, I find that a whole lot of it is the exact same thing that people are buying from Alibaba Express and reselling. It just has their own name on it.

Burc: Actually not . . .

Andrew: Their own twist.

Burc: . . . not necessarily. I mean, the retail type that I’m talking about is actually mostly branded retail. So, for example, Sony cameras, Apple iPhones, so these are really branded products with well-known names. I mean, so people cannot really make, I mean, mistakes that easily. But even in such cases, they were naming those mostly toys, mama and baby products in a weird way, so we were sometimes making some mistakes. So that was quite a difficult task.

And also, one of the other tricky parts was that, you know, some product pages were really unstructured. For example, if you go to a website A and if you check out their five different product pages, in all those product pages, they were listing products in a different manner with different type of price points. You know, some of them had variants of product so you could have selected from certain drop-downs to find which product price to be scraped from. So such cases were also quite tricky even if you were doing this manually. So making them automated was a hard challenge, I would say.

Andrew: What’s the difference between price and price point?

Burc: Actually, price point is something that you really set on the spot, but price is actually what, you know, price is might be more generic. So price is what you can change, but price point is always set for products. So it’s kind of like a snapshot, I would say.

Andrew: Wait. So if I buy my phone for $1000, isn’t that the price and the price point? What’s the difference between the two of them?

Burc: I think price point is a price of a product given on a particular date.

Andrew: And the price then?

Burc: Price can change. But price point is the price of a product on a certain date, so it’s like a stamp.

Andrew: Okay. I’m looking up a dictionary definition of price point “on a scale of possible prices of which something might be marketed.” So there’s a price point is a little more variable, and the price that I pay or the price that it sells for is at a moment in time. Am I right about that?

Burc: Well, I think it’s the opposite, but if you’re checking . . .

Andrew: The opposite?

Burc: . . . from a . . . Sim.

Andrew: Okay. Hopeful to have [inaudible 00:47:47]. The reason that I ask that is I looked at Ahrefs, and that was the top page on your site. The most valuable page on your site is, “What is a price point, and what’s the difference between a price point and a price?”

Burc: Yeah, we receive a lot of backlinks for that post, actually. I mean, our content team generates a lot . . . You know, they became pricing geeks, and they know much more than me about pricing, I must admit. So they even wrote a huge glossary of terms about pricing, so, you know, if you check that out . . . I think it also has a nice Ahrefs ranking.

Andrew: Yeah. I see that. Do you guys use Ahrefs a lot to . . . ?

Burc: Yeah. Sim. Muito. Sim.

Andrew: How do you use it?

Burc: For, basically, content marketing. I mean, we check out which type of content site are doing fine in certain verticals, so we try to mimic them. We try to, like, write similar stuff in our own industry. So we try to get, you know, generalistic best practices in different . . .

Andrew: Because you’re seeing . . .

Burc: . . . let’s say, Ahrefs.

Andrew: How do you use it? When you go into it, what are you looking for? Because it looks like SEO is a big component for you now.

Burc: Yeah. Sim. True. We don’t really . . . How to say? We check out . . . we kind of have about 20, 25 companies that are doing great in inbound marketing so we kind of analyze their backlinking profile, how they generate, you know, backlinks from different blogs and stuff. For example, if we see a common blog that’s, you know, providing backlinks to them, we try outreach to those guys to say, “Okay, we want to guest blog on your site, so can we do that?” If it’s obviously in the realm of, in the domain of e-commerce, so we outreach those guys, try to write guest blogs on their channels. And, obviously, we search for, like, topics. So if we find any major blog covering any issues, any stuff about pricing, pricing strategies, we also try to guest blog on their sites or maybe, like, just share our newly, you know, posted blog post and ask them to backlink that if they like. So that’s how it works.

Andrew: I see. So if I would do this, I might go to Ahrefs, put in your domain, and see that you got a backlinks from GrooveHQ, which is a really good blog, they are . . .

Burc: Yeah, that’s organic. By the way, we never outreach to that so that they . . .

Andrew: Right. But then I might notice that you got organic traffic from them and it’s meaningful, and I might reach out to the founder and say, “Hey, there’s an article that I have written, and it’s kind of helpful to something that you’ve written.” And that’s the way that you would do it?

Burc: Yeah. Sim. True.

Andrew: So the first batch of customers came because they read the blog post announcing that you launched, you sold that way. You then, from what I understand, before you got into search engine optimization, you started, actually, is it going to local Turkish e-commerce businesses and talking to them at their office, or were you calling them?

Burc: Yeah. Correct.

Andrew: Or what? What . . . ?

Burc: Yeah, that was a direct sales. They would be . . .

Andrew: You would call, you picked up the phone and call them?

Burc: No, we just actually sent them emails, and we asked for meetings because that’s how you sell in Turkey in most cases.

Andrew: And then go into their WeWork or their home or whatever and talk to them about that.

Burc: Yeah. Not WeWorks, but, like, really proper office spaces, where they just invite you into their meetings room and you just, you know, plug your computer to their, like, presentations and stuff, then you just open your computer, share them the data that you provide. And then they just, you know, sit around the table, and they say, “Okay, we already doing this manually. So, okay, we are ready to pay for you if you would just take that hassle away from us.” And that’s how it worked, i.e., in the first, you know, I would say 10 to 15 customers in Turkey.

Andrew: And what did you learn from that?

Burc: So it was really direct, face-to-face.

Andrew: What did you learn from . . . ? And watch the mic again. It’s just going against your shirt.

Burc: Sure.

Andrew: What did you learn from going one-on-one with them?

Burc: I think I learned that, you know, if we would . . . You know, it brings me to this enterprise that’s a dilemma. So if we would actually follow all their custom requirements, you know, custom needs and stuff, I think we would still get lost because, you know, even if we were fulfilling their existing needs, as soon as we, you know, provide them that solution, they would be asking for more. So, for example, I was just showing them that, okay, you know, I was basically asking them the questions that would direct us to our solution. So they were saying, “Okay, we are doing this manually. We want this to be changed and stuff.”

And then I was directly telling them that, “Okay, we have a solution for all.” But as soon as I provide a solution, they were saying, “Okay, but can you also provide us this type of report, that type of reports and stuff?” So it was going through a customization in an endless way. So, fortunately, we managed to get, you know, as, you know, not that distracted, so we stick to a core product vision. So we launched this product, you know, in a really self-service, scalable way so that we didn’t need those direct meetings as we scaled the product to 500 plus customers.

Andrew: How do you know what to say yes to and what to say no to?

Burc: I mean . . .

Andrew: I mean, how . . . ? It’s hard when you’re talking to somebody. I emphasize with the customers. They ask for something, it’s hard to say, “I can’t do that.”

Burc: I think it’s . . . I’m not saying, no, first of all, like, directly. I’m saying, “Okay, we will take this as a note, and we will check this with . . . ” By the way, this is exactly what we do. I’m not just lying to them. I say, “Okay, we will take this down as a note, and we will check whether this resonates in our, you know, customer base in a few other accounts.”

Andrew: But, still, you are in their office, even if you know you can’t do everything, it’s hard not to empathize and say, “You know what? This person really needs it. I feel they’re in pain and we should create it.”

Burc: But the thing is that . . . I mean, they are not always really needing that, that’s the problem because they already have nothing in hand and then you provide something to them. But they, you know, hypothetically, suddenly, want to have something even more than that. So they suddenly forget that they have nothing in hand, and they start doing hypothetical requirements on top of what already exists. So that’s what I mean. I mean, they’re not asking something on top of an existing product they have so that you [inaudible 00:53:33] . . .

Andrew: So it’s a realization, they don’t have this, anyway, what we’re going to do is replace the thing that they’re doing and make that more efficient for them. That already is a win. Anything on top of it can wait . . .

Burc: Yeah. That’s exactly what I mean.

Andrew: . . . until we nail this.

Burc: And that mostly waited in the accounts that we closed, by the way. I mean, some of them, you know, some of the first sales also wanted something extra, but they said, “Okay, instead of, you know, just waiting for you to launch that on that version, we are still okay to go with your existing version.” They started paying. And, obviously, down the way, we managed to add a few extra features that were commonly asked by those early customers. So that helped us also to continue serving them for years.

Andrew: You got some of the investors from BizCorner to come back and invest in Prisync. How hard was that, and why would they say yes to you? You lost their money at BizCorner?

Burc: Yeah. Actually, it was not a big investment. It was kind of like a startup event competition kind of thing, which also, you know, had just a bit of angel investment as a prize. So we were actually five startups in a batch, selected, so BizCorner was born of the five startups selected as part of this competition. So that competition helped us to actually meet a lot of angel investments that were in the Turkish community. So we had direct mentorship sessions with them, and some of them were actually, not necessarily interested in the business that we were pursuing, I guess, but interested in us as entrepreneurs of that idea, so they liked us as, I don’t know, maybe even friends, maybe as business people and stuff. And after that, I think I and my co-founders used that personal communication, personal connection with those, like, angel investors so that when I just asked for an interview, asked for a meeting from them, they said, “Okay, I know you,” so we can meet again. And then most of them . . .

Andrew: I see.

Burc: . . . actually said, “Okay, it would be nice to meet again with you, and this time I think you are in a better idea because you now are talking about a problem. The previous one was not even a . . . ” They really validated what I talked about this much, and that’s really encouraged me, I guess.

Andrew: And was it anyone who invested in the previous company ended up investing in this one or no?

Burc: Yeah. One of the angel investors that actually invested as the prize money of this initial competition has been our . . .

Andrew: Got it.

Burc: . . . lead angel investor.

Andrew: Wow. Tudo certo. And then at some point, you realized, “We spend 60%, maybe 70% of the money that we raised on a different direction.” What’s the different direction that you went down that you shouldn’t have?

Burc: Yeah. When we started automating this price scraping thing, but we were still manually matching those products one by one. So we kind of automated the 60%, 70% of the product. But in order to sell the service that we packaged as itself, we needed to also have this manual product matching again, so we rushed into selling this manual plus automated version in the regional market. So we came to a point where we were actually not able to make even unit profitability on an account-base because we were selling, for example, for $150, $200 per month, but we were also allocating a lot of, like, human resources on account management. So we acquired customers with this unit, like, unit economics of loss.

So in the midway, actually, after passing a bit the midway, and we noticed that, I mean, if we project things further, we will just lose all this angel investment that we had. So instead of doing that, let’s cut all this manual stuff, so that will help us to actually, like, in economics term, increase our gross profit. So for every single account that we on-board, we will spend next to nothing because everything will be automated.

So that was a big risk because we really didn’t know whether our fully automated version without this product matching service would even sell because, you know, companies were also really, like, by nature, lazy to dedicate some resource, some time on to our platform. So they needed to do this matching themselves, by the way. So they needed to spend maybe first few hours or minutes while they’re getting on-boarded. So we tested that out. We didn’t do any matching on behalf of customers. We just put the product in front of them. And, fortunately, around March 2015, there was a Spanish guy signing up for our free trial, just playing around with the product, getting the first product and emailing those links. And then, since then, we have been growing in the same fashion.

Andrew: Finally, one of the things that I asked you before we got started is, you’re growing, you’re hiring. I kept assuming that you were hiring people outside of Turkey. You’re hiring within Turkey. I feel like it’s . . . you’re . . . there’s a challenge that you’re picking up on that and part of the challenge is that developers and products people in Turkey want to seem to work for companies outside of Turkey. Am I right? In my . . .

Burc: Yeah. That’s true.

Andrew: . . . understanding of the issue?

Burc: Yeah. That’s true.

Andrew: They are. And so what . . . ? Then the reason that they do that is because, I imagine, a little more prestige getting to work for a Silicon Valley company and a little bit more money. What are you seeing there? What’s the challenges, and how do you deal with that?

Burc: I mean, we are kind of tapping into the same source of, I think, global challenge. I mean, we don’t care whether we are based in Istanbul, Turkey, or Silicon Valley. We are still doing something global. I think that’s the main motivation that drives our current teammates and the newcomers. So they understand that instead of just going to Silicon Valley, they can still take a similar dose of challenges because they’re knocking the same heart like Glassdoors, so they are actually building the same sophisticated version of this B2B product. So instead of just trying to find this dream job elsewhere, they can maybe find this dream job, maybe, next door. So that’s what we are trying to actually articulate in such . . . maybe, like, even in this interview, that’s what I’m trying to do, or maybe in the, I don’t know, meetups and stuff. I’m just . . . me, and my co-founders are trying to do the same thing.

And this is not necessarily only for, by the way, the developers. So in sales and marketing roles, for example, the main thing that drives many people in the local market is that they really want to sell into global accounts. So instead of just taking those direct face-to-face meetings in Turkish ecosystem, for example, they really want to do inside sales. They really want to be on the phone. They really want to polish up their English speaking skills. So that’s what we are really providing to those, you know, people. They just will be on the phone all day into global accounts. They will never speak . . . I mean, obviously, they like to speak Turkish but, I mean, for business aspects, I mean, they want really to speak and do Turkish-speaking meetings. So this is, again, quite a similar business context as if they were actually based in Silicon Valley. That’s what we offer.

Andrew: What time is it where you are right now?

Burc: 10:10 p.m.

Andrew: Is it hard to have conversations this late at night?

Burc: I mean, it’s hard . . .

Andrew: And for me, it’s 11 in the morning, and I’m here in San Francisco.

Burc: Yeah. Sim. It’s hard if you have been doing this for hours throughout the day. I mean, because this is probably, like, maybe 10th or 9th call that I’m having and on average, they lasted about like 20, 30 minutes and this one I think lasted for about 70 minutes or so. But as long as the topic is actually, you know, close to these realms, I think I’m mostly enjoyed that. And by the way, this is last.

Andrew: What are you going to do next?

Burc: This the last.

Andrew: Last of the day. What are you doing after this now that work is done?

Burc: I mean, my wife is actually waiting for me by the house here, so I will probably hang out with her just a bit, and then we will probably crash.

Andrew: When you say hang out, what do you guys do? Do you watch TV at night?

Burc: Yeah. Sim. Provavelmente.

Andrew: And then end that way?

Burc: We just try to read some stuff. I mean . . . Sim. That’s what we do.

Andrew: All right. Thank you so much for . . .

Burc: You’re welcome.

Andrew: . . . for doing this interview. I really appreciate it. I think for anyone who wants to go check your site, they should prisync.com. That’s P-R-I-S-Y-N-C.com. Like the word price and sync . . .

Burc: Correct.

Andrew: . . . are merged into one. prisync.com. And I didn’t say it earlier but, Ahrefs, I’ve got an account for them. They’re a partner of ours. That’s why I was able to look you up there and I want to thank them, and I also want to thank HostGator for hosting websites. Check them out at hostgator.com/mixergy, and if you’re hiring developers, go check out toptal.com/mixergy. Burc, thank you so much.

Burc: You’re welcome, Andrew. Cuidar.

Andrew: Bye. Goodnight.

Burc: Bye.



Como lidar com a ansiedade no trabalho

How to Deal With Anxiety at Work


A American Psychological Association (APA) define ansiedade como “uma emoção caracterizada por sentimentos de tensão, nervosismo ou desconforto, geralmente sobre um evento iminente ou algo com um resultado incerto. ->

Vivemos tempos mais incertos e isso aumenta a ansiedade em nossas vidas, mas principalmente em nossa vida profissional.

Com base em uma pesquisa da Associação de Transtornos de Ansiedade da América, enquanto apenas 9% dos indivíduos vivem com um transtorno de ansiedade diagnosticado, 40% experimentam estresse ou ansiedade em suas vidas diárias, pensamentos preocupados e alterações físicas, como aumento da pressão arterial.

->É importante saber a diferença entre sentimentos normais de ansiedade e um transtorno de ansiedade que requer atenção médica, o que pode ajudar uma pessoa a identificar e tratar a doença.

Os sintomas do transtorno de ansiedade generalizada (TAG) geralmente incluem:

  • inquietação e uma sensação de estar “no limite”
  • sentimentos incontroláveis ​​de preocupação
  • irritabilidade aumentada
  • dificuldades de concentração
  • dificuldades para dormir, como problemas para adormecer ou dormir

A American Psychology Association descreve uma pessoa com transtorno de ansiedade como “tendo pensamentos ou preocupações intrusivos recorrentes”. Uma vez que a ansiedade atinge o estágio de um distúrbio, pode interferir na função diária. É importante saber se sua ansiedade é geral ou possivelmente um distúrbio, que deve incluir uma avaliação médica.



Ansiedade no local de trabalho

A ansiedade no trabalho, especialmente nos dias atuais, traz desafios que afetam toda a demografia atual do local de trabalho e a diversidade da força de trabalho. As gerações da nossa força de trabalho atual representam Baby Boomers, Gen x, Millennials e GenZ, que abrangem as idades de 70 a 20 anos. Eles são mais instruídos, diversificados e trazem habilidades diferentes e importantes para a mesa. As mulheres devem continuar a ganhar participação, passando de 46,8% da força de trabalho em 2014 para 47,2% em 2024.

Podemos ajudar um ao outro a superar nossas ansiedades, apoiando-nos e compartilhando nossas experiências de como passamos por elas. A ansiedade é uma emoção humana que é desencadeada por muitos fatores pessoais e profissionais. Independentemente disso, precisamos de algumas idéias, ferramentas e sugestões concretas e sólidas para nos ajudar a lidar com a nossa ansiedade e emoções. ->

Tentar se convencer a parar de ficar ansioso quando se sente ansioso é um pouco como dizer a si mesmo para adormecer quando tiver insônia – não funciona. Então o que faz?

Lidar com a ansiedade quando você está no trabalho e espera-se que tenha o melhor desempenho pode ser particularmente desafiador.

->Esteja você se preocupando com algo específico, como um prazo iminente, ou apenas com um sentimento de pavor sem forma, você pode estar se dizendo algo assim: “Você precisa voltar ao trabalho, parar de se preocupar, parar de ficar obcecado , volte a cabeça ao jogo e concentre-se! “

Mais fácil falar do que fazer.

Como lidar com a ansiedade no trabalho

Confie nos seus sentimentos

Você já experimentou um ataque de ansiedade no trabalho e se lembra de como se sentiu? Muitos de nós não sentimos que os sintomas mentais são tão reais quanto os físicos. Pensar que os problemas de saúde mental não são, de alguma forma, tão reais quanto os físicos, não é incomum. Este ano, milhões de usuários da Internet perguntaram ao Google se a doença mental é real, e a Internet está repleta de campanhas de conscientização pública do governo e de organizações sem fins lucrativos, respondendo com um retumbante “Sim!”

“Os transtornos de ansiedade são condições médicas reais e sérias – tão reais e graves quanto os distúrbios físicos, como doenças cardíacas ou diabetes”, escreve a ADAA.

“Os transtornos de ansiedade são os transtornos mentais mais comuns e difundidos nos Estados Unidos.” O National Institutes of Health (NIH) relata que até 1 em cada 5 americanos são afetados por transtornos de ansiedade.

Não se preocupe em ser demitido

Uma parte importante de ter um ataque de ansiedade no local de trabalho pode ser o medo de que você seja demitido. A boa notícia é: você provavelmente não vai. O medo de deixar ir é muitas vezes uma marca da ansiedade no local de trabalho. Mas, se o seu pior cenário “e se” se tornar realidade, a lei estará do seu lado.

A Lei dos Americanos Portadores de Deficiência (ADA) foi criada para proteger funcionários como você da discriminação no trabalho; portanto, se você disser ao seu empregador que tem uma “deficiência física ou mental” duradoura, eles são obrigados, por lei, a não apenas mantê-lo, mas também fornecer “acomodação razoável”. Como a ADAA explica, seu empregador não pode demiti-lo, ou recusar-se a contratá-lo, se você estiver qualificado para o trabalho e sua deficiência o impedir de executar tarefas “não essenciais” para o trabalho.

Trabalhe com ansiedade, não contra ela

Steven Hayes, autor de 46 livros e mais de 600 artigos científicos, professor de psicologia clínica da Universidade de Nevada em Reno, um homem que não é estranho a ataques de pânico – defende uma maneira de lidar com mais autocompaixão e auto-aceitação. com ansiedade. De fato, o professor Hayes é o fundador de uma das formas mais recentes e inovadoras de terapia cognitivo-comportamental, chamada terapia de compromisso de aceitação (ACT). Essa forma de terapia começa com a aceitação e a observação sem julgamento de pensamentos negativos, e se move para trazer o cliente ao momento presente e ajudá-lo a levar uma vida significativa.

Faça o estresse seu amigo

Na mesma linha, o psicólogo da saúde e palestrante de renome mundial Kelly McGonigal defende um repensar positivo do estresse. Ela explica que não é tanto o estresse em si que é prejudicial, como a maneira como pensamos sobre isso.

Em vez de ver o estresse como seu inimigo, você pode torná-lo seu amigo e trabalhar para você. Estresse e ansiedade não passam de um sinal de que você se preocupa com algo, e esse cuidado pode ser moldado em algo que melhora enormemente seu desempenho, em vez de inibi-lo.

Ela diz que essas três etapas ajudam a fazer a ansiedade funcionar para você:

  • Reconheça o estresse ao experimentá-lo e permita-se perceber o estresse, incluindo como ele afeta seu corpo.
  • Bem-vindo ao estresse, reconhecendo que é uma resposta a algo com o qual você se preocupa. Portanto, tente se conectar à motivação positiva por trás do estresse. Descubra o que está em jogo aqui e por que isso é importante para você?
  • Faça uso da energia que o estresse e a ansiedade trazem, em vez de desperdiçar essa energia tentando gerenciá-lo. Quais ações você pode tomar no momento que levará seus objetivos e valores adiante.

Encontre atividades que o façam se sentir bem e traga equilíbrio à sua vida

  • Exercício diário
  • Foi demonstrado que o yoga e a meditação reduzem significativamente os sentimentos de ansiedade e estresse.
  • Gerenciamento de Stress
  • Tenha um sistema de suporte
  • Procure aconselhamento profissional
  • Faça uma avaliação de saúde mental
  • Restringir cafeína
  • Comprometer-se com uma dieta saudável e hidratar o dia todo
  • Trabalhe em um padrão de sono regular
  • Concentre-se no que você tem controle e deixe de lado o que não tem
  • Passe mais tempo com pessoas que apoiam e elevam você
  • Apoie e aprimore outras pessoas que precisam

Seja mais gentil e gentil consigo mesmo

Freqüentemente, aqueles que vivem com ansiedade também são perfeccionistas, super-empreendedores e geralmente pessoas que (nos ensinaram) esperam muito de nós mesmos. Quando você tem ansiedade, isso piora ainda mais as coisas, porque não estar no seu melhor o deixa com raiva de si mesmo, e tratar-se com dureza é a última coisa de que você precisa quando na verdade é o mais vulnerável.

Lembre-se de que ninguém nunca é perfeito, e todos precisamos cuidar e nutrir nossos egos defeituosos. Para a maioria de nós, nossos dias de trabalho consistem em sentar na frente de nossos computadores, mal piscando, sem falar em levantar-se para nos mexer. Faça pausas curtas para se levantar e se movimentar pelo prédio. Dê uma volta no quarteirão durante o almoço ou caminhe para almoçar.

Levantar-se e caminhar pelo escritório pode ser a saída física e mental de que você precisa para deixar que um pouco desse estresse e ansiedade se queimem sem enviá-lo para uma espiral.

Lembre-se de que é um momento

Quando estamos no meio de nossa pior ansiedade, parece que isso nunca vai acabar. Aqui está a coisa: vai, vai acabar e vai passar e você não vai ficar ansioso para sempre. Mas entre em ação e ajude a si mesmo através disso.

Faça uma pausa para meditação de cinco minutos

Fazemos pausas no banheiro. E intervalos para o almoço. Então, por que não deveria haver cinco minutos de meditação? Tire um tempo para se concentrar durante um momento ou situação estressante. Isso envia uma mensagem para o seu cérebro. Diz a você que é hora de relaxar e focar novamente. Respire fundo algumas vezes. Deixe de lado pensamentos agravantes. E recupere suas emoções.

Precisamos acreditar que as coisas vão ficar bem e colocá-las em perspectiva. Então trabalhamos melhor com nossas ansiedades. Tenha fé. Realize as ações que podem mudar as coisas. E continue se tratando com amor, bondade e respeito.

Não permita que a ansiedade defina quem você é. Não é nosso dono. Isso é nosso.

Imagem: Depositphotos.com




Lei de Resposta ao Coronavírus – O Que Sua Pequena Empresa Precisa Saber

Families First Coronavirus Response Act


A Lei de Resposta ao Coronavírus da Familia First afeta todos os empregadores com 1-500 funcionários. E também inclui proteções para quem trabalha por conta própria. O presidente Donald Trump assinou a lei em 18 de março. E ela se tornará lei em 15 dias. ->

O ato explicita os requisitos. Os empregadores pagam licença médica para aqueles afetados pelo COVID-19. Felizmente, porém, eles recebem um crédito tributário reembolsável igual a 100% da família que deixa os salários pagos. A lei expira em 31 de dezembro de 2020. Como resultado, o pôr do sol após essa data.



Primeira Lei de Resposta ao Coronavírus das Famílias

Confira estes componentes-chave da Lei de resposta ao primeiro coronavírus da família que você precisa saber:

Como os funcionários se qualificam

->1. O funcionário está sujeito a uma ordem de quarentena ou isolamento federal, estadual ou local relacionada ao Covid-19.
2. O funcionário foi avisado por um profissional de saúde para se auto-quarentena devido a preocupações relacionadas ao Covid-19.
3. O funcionário está com sintomas do Covid-19 e está buscando diagnóstico médico.
4. O funcionário está cuidando do filho ou filha do funcionário, se a escola ou a instituição de assistência à criança estiver fechada ou se o prestador de assistência à criança estiver indisponível devido às precauções do Covid-19.

Quanto o empregador paga?

Há um período de espera de 10 dias antes do início do benefício. Os funcionários podem usar dias de ausência, pessoais ou férias existentes para cobrir esse período, mas o empregador não pode forçar os funcionários a aplicarem esses dias. Somente aqueles que estão empregados há 30 dias se qualificam.

Alguns funcionários se despedem para cuidar de crianças cujas escolas ou creches fecham. Eles recebem 2 / 3s da sua taxa de remuneração regular. E veja no máximo US $ 200 por dia e não mais que US $ 10.000 no total. A remuneração horária ajustada não pode ser inferior ao salário mínimo.

Os funcionários em período integral que se sentem doentes recebem 80 horas de licença médica remunerada. Mas isso só se aplica se eles estiverem sob uma ordem de quarentena ou isolamento. Embora isso também se aplique àqueles que apresentam sintomas ou cuidam de alguém que está sob uma ordem de quarentena ou isolamento. Os funcionários de meio período recebem licença médica remunerada semanalmente. Os funcionários baseiam o valor do pagamento no número médio de horas em que trabalham por um período de duas semanas.

Empregadores obterão créditos fiscais

Os créditos tributários para os empregadores representam 100% do que foi pago. Como resultado, os empregadores recebem um crédito tributário reembolsável. Isso equivale a 100% dos salários de licença familiar que foram pagos. ->

E se você for autônomo?

Assim, você realiza regularmente um comércio ou negócio como indivíduo independente. Isso lhe dá direito a receber férias pagas. Como resultado, a nova lei trata você como se fosse um empregado de um empregador.

Como você pode ser pago? No caso de um indivíduo autônomo elegível, você obterá crédito contra o imposto por conta própria, imposto pelo IRS. O valor do crédito seria igual ao valor da licença médica qualificada.

O que acontece após o término da lei de resposta a vírus Corona?

->Você pode encontrar problemas financeiros após o término da Lei de Resposta a Vírus Corona. Você deve recontratar seus funcionários – não importa o quê? Empregadores com menos de 25 funcionários não precisam restaurar funcionários para seus cargos anteriores. Mas aqueles com mais de 25 funcionários devem restabelecer os funcionários.

Mantenha registros precisos

Documente tudo. Um empregador deve fornecer documentação completa do processo. Caso contrário, esqueça de receber crédito por dispersar o subsídio por doença sem.

Imagem: whitehouse.gov




Artigo principal: Zoho anuncia assistência emergencial para assinaturas

Artigo principal: Zoho anuncia assistência emergencial para assinaturas


Primeiro, alguns governos que exigem que muitas empresas “não essenciais” fechem suas portas. Segundo, muitos clientes ficam longe para evitar adoecer. ->

O resultado pode ser um verdadeiro desafio para os resultados de uma pequena empresa. Mas não se preocupe.

A Zoho está aqui para ajudar a pequenas empresas a sobreviver.

->A empresa de software está fornecendo um programa de assistência emergencial por assinatura para ajudar pequenas empresas a usar seu software neste momento difícil.

Leia sobre esta e outras atualizações importantes de notícias para pequenas empresas no resumo das pequenas empresas desta semana abaixo.



Atualizações do Coronavirus para pequenas empresas

Zoho lança um programa de assistência a assinaturas de emergência para pequenas empresas

A Zoho está ajudando pequenas empresas em tempos difíceis criados pelo COVID-19, permitindo que os clientes usem seus aplicativos gratuitamente. O Programa de Assistência a Subscrições de Emergência para Pequenas Empresas (ESAP) é voltado para 20.000 clientes Zoho com 25 funcionários ou menos.

IRS estende prazo de pagamento de impostos para pessoas físicas e jurídicas

O IRS anuncia uma extensão de prazo de imposto de 90 dias para 15 de julho, sem juros e sem multa, para ajudar pessoas e empresas afetadas pela pandemia de coronavírus. Como afirmou o secretário do Tesouro Steven Mnuchin na terça-feira no briefing sobre o coronavírus, contribuintes individuais e pequenas empresas podem adiar o pagamento de seus impostos sobre a renda de até US $ 1 milhão por até 90 dias.

A nova cúpula digital da Forbes8 foi realizada hoje

Adapte e evolua. Se existe algum grupo de pessoas que vive de acordo com esse credo, são empresários. Por exemplo, basta dar uma olhada no Forbes8 Digital Summit. O coronavírus é responsável pelo cancelamento de centenas de conferências. Como resultado, você precisa se adaptar? Encontre métodos alternativos para reunir palestrantes e participantes. ->

Gestão

Você deve permitir que os funcionários cochilem no trabalho?

Aparentemente, dormir no trabalho pode parecer uma ideia horrível. No entanto, a idéia de permitir que os funcionários apertem o botão de redefinição e retornem às suas tarefas mais atualizadas e produtivas pode ser um grande benefício para as empresas.

10 maneiras de sabotar sua própria produtividade

A maioria de nós está constantemente procurando maneiras de aumentar nossa produtividade. Estamos dispostos a experimentar novos aplicativos, novas estratégias e novos “hacks de vida” que lemos na internet outro dia, tudo na esperança de podermos incluir mais algumas tarefas em nossos dias já ocupados. Para ter certeza, essas dicas de produtividade geralmente são eficazes.

Assédio sexual que sua pequena empresa precisa saber na era #MeToo

->Como surpresa para ninguém, o infame magnata do cinema Harvey Weinstein foi considerado culpado de dois crimes sexuais no final de fevereiro. Como resultado, o caso trouxe justiça a muitas acusadoras. E chamou mais atenção para o movimento #MeToo.

Livros de Gerenciamento

Ouse Inspirar Compartilha o Fogo da Inspiração no Trabalho e na Vida

Ouse Inspirar Parece que todo mundo quer fornecer afirmações, como forma de inspirar. No entanto, a verdadeira inspiração requer um esforço mais sistemático e organizado para ser sustentável. Se você está procurando inspiração em sua carreira ou equipe, confira o livro Ouse Inspirar – Sustentar o Fogo da Inspiração no Trabalho e na Vida.

Livros motivacionais

Ouse Inspirar Compartilha o Fogo da Inspiração no Trabalho e na Vida

Ouse Inspirar Parece que todo mundo quer fornecer afirmações, como forma de inspirar. No entanto, a verdadeira inspiração requer um esforço mais sistemático e organizado para ser sustentável. Se você está procurando inspiração em sua carreira ou equipe, confira o livro Ouse Inspirar – Sustentar o Fogo da Inspiração no Trabalho e na Vida.

Tendências de varejo

14 maneiras de transformar sua experiência na loja

À medida que as compras on-line e móveis se tornam cada vez mais predominantes, muitas lojas físicas procuram oferecer uma experiência verdadeiramente única e diferenciada, a fim de atrair compradores a fazerem suas compras na loja e garantir que eles fiquem satisfeitos e fiel.

Vendas

4 dicas para gerenciar vendas durante o surto de coronavírus

Uma das maiores notícias de negócios do mundo atualmente é a pandemia de coronavírus e está afetando todos os tipos de indústrias, de viagens a eventos do setor e cadeias de suprimentos globais.

Notícias para Pequenas Empresas

Dispositivos inteligentes fornecem muitas distrações no local de trabalho

Muitos proprietários de pequenas empresas consideram que os telefones celulares são prejudiciais à produtividade. Se você também faz o mesmo, está certo em sua observação. De acordo com uma nova pesquisa da Truce Software, 34% dos funcionários têm 1-2 aplicativos móveis configurados para enviar alertas. E nem é preciso dizer que alertas móveis constantes podem distrair os funcionários, afetando seu desempenho.

Nova ferramenta do Snapchat permite criar anúncios de publicidade para sua empresa

O Snapchat anunciou o lançamento de uma ferramenta de produção de Realidade Aumentada (AR) baseada na Web para permitir que as empresas criem lentes AR. A ferramenta Lens Web Builder, da plataforma de mensagens de foto e vídeo, é apresentada para democratizar a produção de publicidade de RA. O Snapchat continuou a abrir oportunidades para as empresas alavancarem sua marca para os clientes.

78% das empresas que se inscrevem para uma nova cobertura individual HRA são pequenas empresas

As pequenas empresas são responsáveis ​​por alguns dos primeiros a adotar o Acordo de reembolso individual de saúde de cobertura (ICHRA), de acordo com o Take Command Health. Com apenas dois meses desde o início do novo plano de seguro de saúde patrocinado pelo empregador, 78% dos inscritos no plano são pequenas empresas.

O EZ Texting tenta aliviar as mensagens SMS para empresas

Agora, as pequenas empresas podem usar um novo serviço de telefone fixo e o aplicativo móvel iOS para enviar mensagens de texto. A EZ Texting fez os anúncios recentes que permitem às pequenas e médias empresas converter rapidamente seus números de telefone comercial para enviar e receber textos com mensagens bidirecionais. O novo aplicativo fornece comunicação em tempo real.

Apesar das preocupações, a confiança do consumidor permanece alta, a ansiedade por dinheiro é baixa

Embora o coronavírus esteja impactando diretamente a economia, a confiança do consumidor permanece alta. Isso de acordo com o Índice de Ansiedade Monetária de fevereiro de 2020. O índice de fevereiro caiu 1,2 ponto para 40,9, indicando a resiliência do consumidor.

Operações para Pequenas Empresas

5 segredos de eficiência para pequenas empresas

Pequenas empresas não têm o luxo de desperdiçar. Sem equipes enormes e orçamentos ilimitados, os empresários precisam fazer valer cada minuto, dólar e contratação. Identificar processos ineficientes e substituí-los por melhores práticas pode ajudar as empresas a economizar dinheiro sem sacrificar a qualidade na barganha.

Comece

Recursos para pequenas empresas sobre o coronavírus

As pequenas empresas estão sendo impactadas devido ao coronavírus e precauções para proteger contra os efeitos da doença de COVID-19. A perturbação está se espalhando pela economia e afetando empresas de todos os tamanhos. Mas as pequenas empresas imediatamente sentiram o impacto. Governos e grandes corporações estão respondendo com programas e anúncios.

12 maneiras eficazes de fazer com que as pessoas se inscrevam na sua lista de e-mails

O email provou continuamente seu valor como estratégia de marketing. No entanto, para tirar o máximo proveito da abordagem, é necessário que as pessoas se inscrevam na sua lista de e-mails em primeiro lugar.

Impostos

24 esquemas fiscais a observar

A temporada de impostos pode ser um período estressante para as empresas. Esse período é marcado por pressões para registrar retornos dentro de um prazo e, inadvertidamente, oferece boas oportunidades para os golpistas atacarem. Os golpistas aproveitam as oportunidades para roubar seus dados confidenciais, roubo de identidade ou enganá-lo sem dinheiro, empregando artifícios elaborados usando golpes de impostos.

Tendências Tecnológicas

10 atividades importantes para proprietários de pequenas empresas on-line

Obter um negócio totalmente novo exige muito trabalho, solução criativa de problemas e estratégia. Também pode ajudar a procurar aconselhamento especializado de pessoas que já estiveram lá antes. Se você está pensando em iniciar um negócio ou se está começando, confira as informações valiosas abaixo apresentadas por membros da comunidade online de pequenas empresas.

Imagem: Depositphotos.com

Mais em: Coronavirus Biz Advice




Zoho abre programa de assistência a assinaturas de emergência para pequenas empresas

Zoho Launches a Small Business Emergency Subscription Assistance Program


A Zoho está ajudando pequenas empresas em tempos difíceis criados pelo COVID-19, permitindo que os clientes usem seus aplicativos gratuitamente. O Programa de Assistência a Subscrições de Emergência para Pequenas Empresas (ESAP) é voltado para 20.000 clientes Zoho com 25 funcionários ou menos. ->



Programa de assistência a emergências Zoho Small Business

O ESAP aumenta o custo de todos os aplicativos que eles usam por até três meses.

Sridhar Vembu, co-fundador e CEO da Zoho, explicou o pensamento por trás da mudança.

Pressão tremenda

->“Os negócios estão doendo. Eles já enfrentam uma tremenda pressão sobre as receitas e os fluxos de caixa. Não saber quando as coisas voltarão ao normal é ainda pior ”, disse ele em um comunicado. “Toda ajuda que nós, e outras empresas, podemos oferecer para manter essas pequenas empresas em funcionamento, será um longo caminho. Não apenas financeiramente, mas também emocionalmente ”.

ESAP é uma ajuda bem-vinda para pequenas empresas que combatem o vírus.

“Realmente não existe uma parte do nosso negócio que não tenha sido efetivada pelo COVID-19”, disse Violet Warner, da Violet Press, cliente do Zoho One e solopreneur do Colorado em um folheto da empresa. “O fato de o Zoho estender alguns meses gratuitos para nós não apenas nos ajuda a gerenciar nossas despesas, mas também aumenta o moral e nos ajuda a sentir apoio.”

Alcançando

Anders Boulanger, fundador e CEO da The Infotainers, uma empresa de entretenimento para eventos do Canadá, também reconheceu o gesto na mesma fonte.

“Significa muito para nós que a Zoho está alcançando e apoiando seus clientes fiéis. Ter três meses de serviços gratuitos significa que podemos sobreviver por muito mais tempo e adiar a demissão de outro funcionário. Tudo ajuda quando se trata de encontrar economias. ” ->

Trabalho remoto

Este anúncio ocorre menos de um mês depois que a empresa lançou o software Remotely gratuito depois que eles foram forçados a cancelar sua cúpula Zoholics. O pacote de 11 aplicativos foi fornecido para empresas em todo o mundo. Remotamente, foi projetado especificamente para ajudar as empresas a fazer a transição para o trabalho remoto.

Em apenas duas semanas, atraiu mais de 5.000 novas empresas.

->Sandra Lo, Zoho Corporate PR, forneceu antecedentes ao Small Business Trends sobre como isso se mistura ao atual impulso em direção ao telecomutação.

“Sabíamos que tínhamos muito mais do que apenas uma ferramenta de conferência na web para oferecer novos funcionários remotos e outros que precisam de equipes virtuais engajadas e produtivas”, ela escreve. “Tínhamos a plataforma completa para manter as equipes trabalhando, conversando e resolvendo problemas juntos em qualquer local”.

Zoho Tools

A empresa já havia pedido aos funcionários que trabalhassem remotamente. Eles já estavam usando as ferramentas que se tornaram o Zoho remotamente.

“Em três dias, uma idéia se tornou realidade”, escreve Lo. “Reunimos 11 aplicativos e o disponibilizamos para todas as empresas, à medida que a necessidade de distanciamento social se tornou mais aparente”.

O Zoho possui mais de aplicativos em quase todas as categorias de negócios. Isso inclui ferramentas para suporte ao cliente, marketing e vendas, além de operações administrativas e contabilidade. Eles também carregam uma ampla seleção de ferramentas de colaboração e produtividade. A empresa possui mais de 8.000 funcionários e está sediada em Austin, Texas e Chennai, na Índia. Eles têm mais de 50 milhões de usuários em todo o mundo.

Imagem: zoho.com

Mais em: Coronavirus Biz Advice




Nova ferramenta do Snapchat permite criar anúncios de publicidade para sua empresa

Lens Web Builder


O Snapchat anunciou o lançamento de uma ferramenta de produção de Realidade Aumentada (AR) baseada na Web para permitir que as empresas criem lentes AR. A ferramenta Lens Web Builder, da plataforma de mensagens de foto e vídeo, é apresentada para democratizar a produção de publicidade de RA. ->

O Snapchat continuou a abrir oportunidades para as empresas alavancarem sua marca para os clientes. Onde antes as lentes eram usadas para sobrepor óculos engraçados às pessoas, fazer gatos e cães brilharem. Hoje eles estão criando oportunidades para empresas de todos os tamanhos interagirem com seus clientes em um nível superior.



O objetivo do AR e do Lens Web Builder

O Lens Web Builder tem como objetivo ajudar os anunciantes a criar conteúdo de RA para sua divulgação de marketing. Realidade Aumentada é um tipo de realidade virtual que visa duplicar o ambiente do mundo em um computador ou dispositivo. A cena virtual gerada aprimora a percepção sensorial do usuário sobre o mundo virtual com o qual ele está vendo ou interagindo. O objetivo do AR é criar um sistema no qual o usuário não saiba a diferença entre o mundo real e o aumento virtual dele.

->O AR torna a publicidade interativa, permitindo que as empresas alcancem os clientes de novas maneiras. Os anúncios de realidade aumentada são imersivos, o que significa que ajudam os profissionais de marketing a criar uma certa conexão emocional com os clientes. Ao contrário de imagens ou banners, os anúncios de RA são interativos e realistas. Eles permitem que os consumidores vejam e até interajam com eles como se estivessem jogando um jogo. A conexão emocional criada por meio da interação pode incentivar as compras e criar um conhecimento da marca.

Com o Lens web builder, os anunciantes não precisarão mais de um software autônomo de AR ou de um alto nível de conhecimento em design. A ferramenta faça você mesmo vem com uma biblioteca de centenas de modelos e milhares de objetos e animações em 3D para ajudar os profissionais de marketing a criarem experiências de AR em minutos.

Os anunciantes têm a opção de fazer upload de seus próprios recursos 2D, que incluem logotipos e imagens, para personalizar ainda mais a experiência do AR. Depois de concluídos, eles podem selecionar lentes na Biblioteca de creativos do Gerenciador de anúncios ao iniciar campanhas. O acesso à biblioteca e à ferramenta é gratuito; as campanhas publicitárias que usam a nova tecnologia de lente personalizada estarão sujeitas a requisitos mínimos de gastos diários.

Entendendo a demografia do Snapchat para sua pequena empresa

O Snapchat tem cerca de 360 ​​milhões de usuários por mês, com usuários ativos diários do Snapchat no valor de 218 milhões. Esses usuários compartilham cerca de 3 bilhões de fotos e vídeos todos os dias. Além disso, estima-se que 60% dos usuários de smartphones agora usam o Snapchat.

Além disso, o Snapchat hoje se orgulha de ter 53% dos americanos com idades entre 18 e 24 anos como usuários ativos. Sua atração é a plataforma que permite aos usuários misturar vídeos e fotografias e empregar ferramentas criativas, como giz de cera digital, filtros, fontes e outros recursos. O Snapchat é um canal de marketing que você não pode ignorar, principalmente se sua empresa depende fortemente de clientes entre 12 e 34 anos. ->

Como uma pequena empresa pode usar o Snapchat de maneira eficaz

Como proprietário de uma pequena empresa, a forma como você anuncia determina muito o tipo de pessoa que você atrai. Essa ferramenta fácil de usar, é ideal para pequenas empresas que estão começando a trabalhar com AR. E é útil para aqueles com orçamentos de cordas de sapato que desejam criar conteúdo de marketing envolvente. Isso, associado aos recursos cada vez maiores do Snapchat para negócios do Snapchat, abre as empresas para vastas oportunidades de publicidade.

Conforme afirma o Snapchat, a ferramenta é desenvolvida com três valores-chave em mente: simplicidade, velocidade e orçamento. A disponibilidade de modelos amplos e variados ajuda os anunciantes a personalizar sua produção com base em suas necessidades. Isso ajudará a cortar o que anteriormente seriam semanas de trabalho e análises. O Lens Web Builder pode renderizar e criar sua lente personalizada em apenas alguns minutos.

->Além disso, o Geofilter Snapchat pode ajudar as empresas a criar e personalizar seus próprios filtros e só aparece nos telefones quando estão dentro do alcance. Para as empresas, o Snapchats pode ser uma excelente plataforma para se conectar com clientes milenares e com outros conhecimentos sociais.

Mídia social

As mídias sociais tornam mais fácil do que nunca as pessoas compartilharem – conversarem e expressarem suas opiniões, necessidades, idéias e reclamações. Com plataformas como o Snapchat, as empresas podem comunicar facilmente seu valor, criar relacionamento e alavancar produtos e serviços.

A mídia social está disponível com um orçamento relativamente pequeno e tem o potencial de aumentar exponencialmente seu alcance. Um bônus adicional aqui é que suas campanhas de mídia social podem ser a cola que une todos os seus esforços de comunicação de marketing integrados.

As empresas podem aproveitar suas mensagens de imagem e vídeo para não apenas aumentar o reconhecimento da marca, mas também aumentar suas vendas. O Snapchat está crescendo em popularidade entre gerações. Se você não possui uma conta do Snapchat, provavelmente precisará criar uma agora.

Imagem: Snapchat.com

Mais em: Marketing Online




14 maneiras de transformar sua experiência na loja

How to Transform Your In-Store Experience


À medida que as compras on-line e móveis se tornam cada vez mais prevalecentes, muitas lojas físicas procuram oferecer uma experiência verdadeiramente única e diferenciada, a fim de atrair compradores a fazerem suas compras na loja, além de garantir que eles fiquem satisfeitos e fiel. Para ajudar a destacar algumas das abordagens que você pode usar, pedimos aos membros do Conselho do Jovem Empreendedor a seguinte pergunta: ->

“De que maneira uma empresa pode transformar sua experiência na loja? Por que fazer isso ajuda? ”



Como transformar sua experiência na loja

Aqui está o que os membros da comunidade YEC disseram:

1. Experiências AR / VR

->“Adicionar uma experiência de AR / VR sempre que possível pode ser uma maneira poderosa de melhorar a experiência do cliente na loja. Você pode usar essas tecnologias para educar os clientes, entretê-los ou mostrar-lhes como o seu produto funciona. Você criará uma experiência memorável e os ajudará em suas decisões de compra ao mesmo tempo. ” ~ Blair Williams, MemberPress

2. Programas de fidelidade

“Os programas de fidelidade são usados ​​por praticamente todos os setores. Dependendo do preço e dos produtos oferecidos, existem várias abordagens para essa estratégia. Se você vende itens de pequeno valor, considere oferecer quatro itens de compra e receba um grátis no seu cartão de fidelidade. Se seus produtos estão na moda, considere um programa de reembolso por dólar gasto. ” ~ Chris Christoff, MonsterInsights

3. Um layout navegável

“Você usa o design para aprimorar a experiência do usuário dos visitantes on-line em seu site. Por que não fazer o mesmo com sua loja física? Saber o que seus clientes desejam e procurarão quando entrarem em sua loja é mais provável que os leve aonde eles querem ir para aumentar as vendas. Você pode ver suas altas vendas atuais e colocar esses produtos na frente da loja, por exemplo. ” ~ Stephanie WellsFormulários formidáveis

4. Interações personalizadas

“Se você visitou um Starbucks várias vezes, verá que os baristas lembram seu nome e seus pedidos frequentes. Isso cria uma experiência memorável e você pode aplicar isso à sua própria experiência na loja. Treine sua equipe para personalizar suas interações com um cliente e lembrar suas preferências. Fazer isso proporcionará ótimas experiências na loja. ” ~ Syed Balkhi, WPBeginner

5. Uma experiência integrada on-line e off-line

“A maioria dos clientes de varejo pesquisa negócios on-line antes de entrar. Para algumas empresas, eles agendam compromissos ou reservas usando um aplicativo ou acessando o site. Faça todo o possível para tornar a experiência online e offline perfeita. Um exemplo é permitir que as pessoas comprem um item on-line e depois o coloquem pessoalmente. Isso economiza tempo para o cliente, bem como para os funcionários da empresa e da loja. ” ~ Kalin Kassabov, ProTexting ->

6. Priorizando o Atendimento ao Cliente

“Mantenha seus funcionários felizes. É absolutamente maravilhoso entrar em uma loja e ser recebido por pessoas sorrindo e prontas para ajudá-lo. A energia das pessoas muda completamente o humor de qualquer lugar. Para conseguir isso, você deve monitorar de perto a satisfação de seus funcionários. Se eles ficarem felizes em trabalhar, eles mostrarão e os retratarão aos seus clientes. ” ~ Alfredo Atanacio, Uassist.ME

7. ‘Retalho’

“Varejo é exatamente o que parece: a combinação de varejo e entretenimento. Oferecer varejo para seus clientes na loja é uma ótima maneira de trazer mais emoção à experiência de compra. Por exemplo, as livrarias podem trazer autores para assinar autógrafos e conversar com os leitores. Ou uma loja de roupas pode realizar um desfile ao vivo na loja para os compradores. ” ~ Thomas Griffin, OptinMonster

8. Recorte de Cupom Online

->“Os cupons on-line são ótimos para as lojas de comércio eletrônico, mas são igualmente eficazes para os clientes da loja. Por exemplo, os funcionários da Bath & Body Works incentivam os clientes que entram em sua loja a verificar seu aplicativo em busca de ótimos cupons que podem usar na loja hoje. Se você deseja garantir essa estratégia, ofereça aos clientes iniciantes o download do aplicativo e receba um brinde no ato da compra. ” ~ John Turner, SeedProd LLC

9. Incentivos para continuar chegando

“Os cafés que frequento todos têm programas de fidelidade, os típicos compram 10, ganham um de graça. Parece tão insignificante, mas me surpreendo agradavelmente quando minha bebida está em casa. Essa mesma abordagem pode ser colocada em outras configurações de varejo. Para seus frequentadores obstinados, incentive-os a continuar chegando, oferecendo-lhes descontos, eventos especiais ou uma recompensa de aniversário. ” ~ Zach Binder, Bell + Ivy

10. Ser Pessoal

“Um benefício que as compras na loja sempre terão sobre as compras on-line são os representantes que podem ajudar os clientes. Certifique-se de que seus funcionários sejam gentis e prestativos ao trabalhar com clientes. Se você tem clientes regulares, certifique-se de aprender os nomes e as necessidades deles, se possível. Os clientes voltarão se puderem confiar em seus funcionários. ” ~ Anthony SaladinoReis do armário de cozinha

11. Adicionando valor somente offline

“As compras online estão se tornando mais populares e mais convenientes do que nunca. Uma maneira de aprimorar sua experiência na loja é oferecer itens que não podem ser entregues on-line. Se você possui uma loja de suplementos, ofereça serviços relacionados gratuitamente na loja, como uma verificação corporal gratuita ou uma consulta alimentar. Uma loja de roupas pode oferecer alterações e alfaiataria gratuitas. Seja criativo.” ~ Karl Kangur, Acima da casa

12. Serviço Rápido

“Graças ao comércio eletrônico e à demanda criada por remessas e serviços cada vez mais rápidos, a velocidade é tudo. Para garantir que sua experiência na loja possa acompanhar as compras on-line, concentre-se em oferecer um serviço rápido. Em muitos casos, fazer uma venda e perder o cliente se resume à velocidade. Projetar sua loja e serviços com base na velocidade é o primeiro passo para melhorar o atendimento ao cliente. ” ~ Blair Thomas, eMerchantBroker

13. Uma experiência compartilhável e orientada pela tecnologia

“As pessoas agora podem acessar a Internet e comprar produtos mais baratos e com mais opções do que as que você pode ter na loja. Em uma era de infinitas opções, as pessoas passam fome de experiências únicas. Se você criar uma experiência atraente (e compartilhável) de entrar em sua loja e interagir com seus produtos por meio de design de tecnologia ou serviço, terá pessoas voltando e trazendo seus amigos ”. ~ Tony Scherba, Yeti

14. Ofertas e demonstrações promocionais somente na loja

“Ofereça um produto ou serviço disponível apenas nas lojas. Para afastar as pessoas das compras on-line exclusivamente, você deve fornecer o valor que elas não podem obter em nenhum outro lugar. Veja apenas promoções promocionais nas lojas ou ofereça um serviço ou demonstração que acompanha cada produto vendido. Quando você cria um produto e experimenta, expande seu valor e memória com o cliente. ” ~ Jared Weitz, United Capital Source Inc.
Imagem: Depositphotos.com