Como expandir sua empresa de software através de clientes corporativos

Como expandir sua empresa de software através de clientes corporativos



O convidado de hoje na verdade não é um fundador, ele é um CEO. Estou muito interessado em saber como ele conseguiu o controle de sua empresa, o Brain.fm.

Quero falar sobre isso e como ele está expandindo seus negócios por meio de clientes corporativos.

Dan Clark é CEO da Brain.fm, música funcional para ajudar as pessoas a se concentrarem, relaxarem e dormirem melhor.

O podcast está em todos os principais aplicativos, basta procurar o Mixergy.
Você também pode usar nosso Feed RSS Feed RSS.

Dan Clark é CEO da Brain.fm, música funcional para ajudar as pessoas a se concentrarem, relaxarem e dormirem melhor.

Como expandir sua empresa de software através de clientes corporativos 2



Rede automotiva da CBT apresenta Brian Solis em um artigo sobre a indústria automobilística e a "sociedade sob demanda"

Rede automotiva da CBT apresenta Brian Solis em um artigo sobre a indústria automobilística e a "sociedade sob demanda"


Rede automotiva da CBT apresenta Brian Solis em um artigo sobre a indústria automobilística e a "sociedade sob demanda" 3
Solis é mencionado com destaque em um artigo na Rede Automotiva CBT de Glenn Pasch, intitulado "A indústria automotiva está esquecendo como se conectar?"

O autor começa sua obra mencionando especialistas que estão falando sobre a nova face dos negócios – tecnologia, conectividade, velocidade e personalização.

Ele então escreve: "Eu estava ouvindo um podcast de Brian Solis e ele mencionou o termo" Sociedade sob demanda "enquanto discutia o Uber e seus efeitos não apenas nos negócios, mas na economia em geral. Seu argumento era que esse desejo cada vez maior dos consumidores de ter as coisas na ponta dos dedos está mudando os negócios como os conhecemos. ”

Ele usa isso como ponto de partida para uma discussão sobre como a indústria automobilística deve conhecer melhor a economia sob demanda, que ele chama de “economia de personalização”. A chave é encontrar novas maneiras de se conectar com clientes usando a tecnologia predominante enquanto sem perder o toque humano ainda eficaz.

Leia o artigo inteiro aqui.



AWS para Startups; Por que você deve procurar uma solução gerenciada?

AWS para Startups; Por que você deve procurar uma solução gerenciada?


Inicialização da AWS

Tempo de leitura: 6 minutos

As empresas iniciantes enfrentam vários desafios quando tentam sobreviver no mercado. As despesas são mantidas baixas enquanto tentam maximizar a receita. É nesse período que eles trabalham para definir sua pegada digital.

Faça o download da lista de ferramentas para desenvolvedores

Enviaremos por e-mail a lista completa em breve.

Obrigado

Sua lista está a caminho da sua caixa de entrada.

Ao configurar uma presença digital, um site é essencial para criar a presença on-line de empresas iniciantes. A configuração de um site se torna um problema para os empresários que já são consumidos pelo trabalho operacional da empresa. Esses empresários acabam gastando mais do que os recursos necessários para configurar seus sites devido à falta de conhecimento técnico.

As coisas mudam à medida que a tecnologia evolui da maneira como as pessoas funcionam na vida acelerada de hoje. Considere o seguinte: uma pessoa usa uma média de 36 serviços baseados em nuvem diariamente. Além disso, um colaborador da Forbes, Louis Columbus, prevê que 67% das infra-estruturas corporativas serão baseadas em nuvem até o final de 2020.

Proprietários de empresas que planejam acompanhar a inovação em tecnologia agora devem entrar no caminho da infra-estrutura baseada em nuvem. A adoção dessa tecnologia abrirá oportunidades para crescer e se beneficiar de economias de escala.

Os empresários que desejam criar um site deparam-se com termos como hospedagem na web, soluções em nuvem e conseguiram hospedar serviços durante a pesquisa. Ao pesquisar por hospedagem na web, o nome Amazon Web Services (AWS) geralmente aparece.

Por que optar pelo Amazon Web Services?

A maioria das startups se sente à vontade com uma solução de hospedagem que se ajusta ao seu orçamento e é sustentável.

O proprietário de uma empresa pode escalar verticalmente, com o benefício da AWS atendendo a picos de tráfego, mantendo os custos do servidor baixos. Com essa flexibilidade para dimensionar o servidor, a empresa não compromete o desempenho do site.
Os proprietários das empresas têm a capacidade de dimensionar o servidor e reduzi-lo novamente ao plano original após o término da temporada de vendas. Dessa forma, o proprietário da empresa paga apenas pelos recursos consumidos pelo site ou aplicativo da web.

Quem mais a AWS se beneficia?

Os benefícios da AWS estão em uma escala fenomenal. Várias empresas que usam

O Amazon Web Services inclui:

  • HESS
  • Kellogg's
  • Suncorp Bank
  • Vodafone
  • Expedia
  • Dow Jones
  • NTT Docomo
  • Novartis

Empresas iniciantes "width =" 650 "height =" 400 "srcset =" https://nosqlba.org/wp-content/uploads/2019/12/1576805343_128_AWS-para-Startups-Por-que-voce-deve-procurar-uma-solucao.jpg 650w, https://www.cloudways.com /blog/wp-content/uploads/Startup-Companies-300x185.jpg 300w "tamanhos =" (largura máxima: 650px) 100vw, 650px

Da mesma forma, a AWS tem sido uma escolha proeminente para várias empresas iniciantes que agora são consideradas empresas estabelecidas.

  • Airbnb
  • Slack
  • Instacart
  • import.io
  • Lyft
  • Olhos reais
  • Remover etiqueta
  • Próxima porta

Empresas estabelecidas "width =" 650 "height =" 400 "srcset =" https://nosqlba.org/wp-content/uploads/2019/12/1576805343_302_AWS-para-Startups-Por-que-voce-deve-procurar-uma-solucao.jpg 650w, https://www.cloudways.com /blog/wp-content/uploads/Established-Companies-300x185.jpg 300w "tamanhos =" (largura máxima: 650px) 100vw, 650px

Aws pode ser avassalador

As empresas que usam a AWS se beneficiam do amplo ecossistema que prevalece. Ele suporta uma ampla variedade de aplicativos, sites e lojas de comércio eletrônico. Portanto, a AWS para startups pode parecer esmagadora.

Experimentar o servidor requer tempo e experiência, o que já é uma mercadoria rara para uma empresa iniciante. Essas empresas costumam contratar um administrador de sistema para lidar com a manutenção e o gerenciamento de servidores, que acabam consumindo grande parte de seu orçamento.

Após a inscrição na AWS, esse usuário obtém acesso aos recursos designados do servidor que são barebones com um sistema operacional. O usuário precisará usar o console fornecido para configurar os pré-requisitos para um aplicativo Web e, em seguida, implantar o aplicativo Web. Todo esse processo pode ser uma tarefa tediosa e demorada para alguém que não está familiarizado com esses processos.

É aqui que as soluções gerenciadas de hospedagem em nuvem entram em cena.

Experimente os benefícios da AWS com hospedagem gerenciada em nuvem

Como o tempo é precioso para o proprietário de uma empresa iniciante. É raro encontrá-los arregaçando as mangas e tentando entender o funcionamento de uma implantação de servidor e aplicativo Web. Portanto, a necessidade de um administrador do sistema retiraria todas essas tarefas.

Além disso, há outra solução que não é tão cara quanto contratar um administrador do sistema. O Cloudways resolve esse problema tornando-se uma plataforma que lida com operações do servidor com a ajuda de uma plataforma simples baseada em navegador.

Economizar tempo

As empresas que usam o Cloudways desfrutam dos benefícios da AWS, usando uma opção mais inteligente no gerenciamento de um servidor para proprietários de empresas. O lançamento de um servidor da AWS com o Cloudways levará menos de dez minutos, o que torna essa plataforma simples e eficaz.

Nossa plataforma de hospedagem em nuvem gerenciada fornece aos usuários vários recursos. Após a inscrição, o usuário pode optar por implantar vários aplicativos da web; WordPress (incluindo WooCommerce e Multisite), Magento, Larvel, Drupal, OpenCart e muito mais. Digite os requisitos do servidor em seus respectivos campos e é isso!

O servidor está pronto e está ativo em alguns minutos.

Existem vários recursos que simplificam a vida de um empresário. Por exemplo, se um usuário do Cloudways já tiver um site desenvolvido com WordPress, ele poderá migrar seu site para qualquer um dos provedores do Cloudways gratuitamente.

Então, de que outra forma essa plataforma torna a vida livre de problemas?

Gerenciamento Fácil de Servidor

A AWS beneficia as startups, com o Cloudways, lida com riscos e ameaças relacionados à segurança cibernética do servidor. Patches regulares do sistema operacional e atualizações de firmware no servidor reduzem vulnerabilidades. Como alternativa, contratar um administrador do sistema teria que fazer isso manualmente pode ser caro e demorado.

Embora no tópico de segurança, a opção Lista de permissões de IP permite que endereços IP específicos se conectem ao servidor. Isso atua como uma camada de segurança contra ataques DDOS. Para maior segurança, a ativação da verificação em duas etapas também protege o usuário contra ataques de força bruta.

Através da plataforma, o usuário pode escalar verticalmente o servidor. Isso é útil quando os recursos do servidor ficam sobrecarregados devido ao tráfego intenso. Com o Cloudways, o dimensionamento de servidores é uma vantagem da AWS, pois o dimensionamento de servidores é flexível. Além disso, eles possuem um modelo de preços de pagamento conforme o uso, o que diminui drasticamente os custos para os proprietários de empresas ao dimensionar verticalmente o servidor. Assim, o proprietário da empresa pode capitalizar a oportunidade de maximizar as vendas, mantendo os custos mínimos.

A otimização do desempenho do servidor é um dos maiores benefícios do uso do Cloudways. Sua pilha PHP personalizada melhora muito o tempo de carregamento da página da web. O tempo de carregamento lento da página da web aumenta significativamente a taxa de rejeição, pois os visitantes não desejam esperar o carregamento da página.

Ferramentas para conveniência

Cloudways torna a vida conveniente por seu recurso de preparação. Seus usuários podem criar rapidamente um ambiente de teste para seu aplicativo da Web para testá-los sem afetar a versão ao vivo. Quando as alterações na camada isolada do aplicativo da web estiverem prontas, ele poderá ser enviado ao aplicativo da web ativo.

A plataforma também automatiza tarefas de rotina. Por exemplo, o CloudwaysBot é uma ferramenta bacana para alertas de servidor, aplicativo e nível de conta na plataforma. Por exemplo, o bot pode notificar o usuário na plataforma sobre uma versão mais recente do aplicativo da web disponível. Isso geralmente solicita que o usuário atue no alerta ou descarte-o completamente.

Da mesma forma, a plataforma da Cloudway também pode agendar backups automáticos. Isso cria backups do servidor que são tarefas rotineiras de manutenção do servidor. A configuração do agendador de backup é fácil e rápido.

O Cloudways também possui vários complementos de plataforma que podem ajudar a gerenciar o nome de domínio e os IPs do servidor. Por exemplo, após a compra do complemento DNSMadeEasy, um dos proprietários da conta da Cloudways pode gerenciar os endereços IP do servidor e o nome de domínio da Plataforma.

Colaboração

O Cloudways simplifica a colaboração entre equipes distribuídas globalmente por meio do recurso de equipes. Por meio desse recurso, o titular da conta principal pode conceder a vários membros da equipe acesso às várias áreas / recursos do servidor.

Para agências e freelancers que lidam com vários clientes, o recurso Equipes simplifica os níveis de acesso e concede permissões específicas de tarefas. Depois que a tarefa é marcada como concluída, o proprietário do servidor pode revogar o acesso conforme os requisitos do projeto.

Suporte de fácil acesso

O site da Cloudways possui uma seção conhecida como Base de Conhecimento (KB), que compreende um extenso hub de informações. As respostas para a maioria das perguntas relevantes para as operações da plataforma são encontradas aqui e são fáceis de seguir. Essas perguntas da KB são atualizadas constantemente para responder a problemas que são consultas populares no suporte ao bate-papo ao vivo.

Um pop-up de bate-papo ao vivo no lado inferior direito do site da Cloudways ajuda a conectar um usuário à equipe de suporte. Se uma consulta exigir uma resposta mais detalhada, o membro da equipe de suporte instrui o usuário a criar um ticket na plataforma Cloudways.

Acessibilidade

O AWS para startups com Cloudways oferece aos empresários a oportunidade de pagar conforme o uso. Isso significa que o proprietário da empresa se inscreve e paga pelos recursos do servidor que consome. Além disso, a inscrição oferece a esses empresários seis vantagens principais.

  • Suporte sempre pronto
  • Migração gratuita de aplicativos da Web
  • Certificação SSL grátis
  • Sem contratos
  • Aplicação ilimitada em qualquer plano

Como alternativa, o custo de contratar e gerenciar as despesas de um administrador interno do sistema pode ser mais caro para os negócios. Em contraste com isso, optar pelo Cloudways é uma ótima relação custo / benefício. Por isso, ele lida com gerenciamento de servidores, manutenção de servidores e implantação de aplicativos, facilitando o foco do proprietário da empresa nos negócios principais.

Em poucas palavras

  • A AWS beneficia as startups por causa de seus incentivos, estabilidade e recursos.
  • As empresas que usam a AWS são Startups, Nível empresarial e Empresas públicas
  • O Cloudways facilita as coisas, permitindo que o proprietário da empresa terceirize o gerenciamento e a manutenção do servidor.
  • Suporte técnico disponível como KBs, bate-papo ao vivo e sistema de tickets.
  • Terceirize o esforço e o tempo das operações do servidor e trabalhe em coisas que realmente importam com o Cloudways.

Comece a criar aplicativos da Web em servidores em nuvem gerenciados agora

Implantação fácil de aplicativos da Web para agências, startups, desenvolvedores e setor de comércio eletrônico.

AWS para Startups; Por que você deve procurar uma solução gerenciada? 4

Salman Saleem

Salman é graduado em engenharia de software e profissional de marketing digital por profissão. Ele trabalha como estrategista de marketing digital na Cloudways. Ele adora criar valor para a comunidade de startups e ajudar o empreendedor a alcançar seu objetivo. Ele é um grande fã de críquete e joga jogos AAA em seu tempo livre.



Questionário: Essas leis trabalhistas se aplicam à sua pequena empresa?

labor laws that affect small businesses


Gerir o seu negócio e obter lucro já é bastante desafiador. Mas você também deve estar ciente das leis trabalhistas que se aplicam à sua pequena empresa. Neste questionário, testamos seu conhecimento sobre leis que podem afetar pequenas empresas como a sua.

Nos Estados Unidos Várias leis trabalhistas bem estabelecidas remontam a décadas. Originalmente, a maioria foi projetada para proteger os trabalhadores. Há um lado positivo para as empresas. Sim, ocasionalmente, a conformidade pode parecer entediante, mas dê um passo atrás e observe o cenário geral. Leis razoáveis ​​nos dão certeza. Há menos suposições. Eles nivelam o campo de jogo e fornecem uma estrutura para você operar um local de trabalho seguro, produtivo e respeitoso.

As leis e regulamentos trabalhistas começam no nível federal, incluindo o Fair Labor Standards Act (FLSA). Mas há toda uma série de leis trabalhistas estaduais também. Até as cidades podem ter leis de emprego.

Veja o quanto você sabe sobre essas leis trabalhistas – faça o teste!

Quiz: Leis trabalhistas aplicáveis ​​a pequenas empresas



Resultados

Compartilhe sua pontuação!

Tweet sua pontuação!

# 1 Devo fornecer um local de trabalho seguro para os funcionários, verdadeiro ou falso?

De acordo com o Employer.gov, “Você deve fornecer um local de trabalho livre de riscos conhecidos de saúde e segurança e cumprir com certos padrões, regras e regulamentos de segurança, que podem variar dependendo do setor e da natureza das operações. Seus funcionários têm o direito de recusar trabalhos perigosos, desde que determinadas condições sejam atendidas. ”

A OSHA é a principal lei que cobre a maioria dos empregadores, mas outras leis podem se aplicar a setores específicos (por exemplo, minas). Além disso, 22 estados têm suas próprias divisões de segurança ocupacional, que são monitoradas pela OSHA. Ler.

# 2 Quanto é o salário mínimo por hora de acordo com a lei federal dos EUA?

Segundo a lei federal dos EUA, o salário mínimo que um empregador pode pagar aos funcionários é de US $ 7,25 por hora.

Os funcionários com gorjeta podem ter taxas horárias mais baixas; no entanto, suas dicas e salários médios combinados devem ser iguais ao mínimo.

Lembre-se de que 30 estados (incluindo o Distrito de Columbia) e alguns municípios como Nova York exigem um salário mais alto que o mínimo federal. Um mapa do estado dos salários mínimos pode ser encontrado no site do Departamento do Trabalho, aqui.

# 3 Os trabalhadores horistas que trabalham horas extras têm direito a dobrar sua taxa de remuneração – verdadeira ou falsa?

De acordo com a Lei Federal de Normas Trabalhistas Justas, os trabalhadores horistas que trabalham mais de 40 horas por semana têm direito a um tempo e meio (em outras palavras, uma vez e meia a sua taxa de remuneração regular) por horas extras.

As leis estaduais podem exigir uma taxa de horas extras diferente. Por exemplo, a Califórnia exige horas extras duas vezes a taxa de pagamento por qualquer hora acima de 12 em um dia.

# 4 É necessário que minha pequena empresa exiba pôsteres que avaliem os trabalhadores sobre os direitos trabalhistas?

A resposta correta é sim, você deve exibir pôsteres se a lei exigir um e se for aplicável ao seu tipo de negócio.

O Departamento do Trabalho possui uma ferramenta útil de consultor de pôsteres para informar quais pôsteres você deve exibir. Também existem leis estaduais que podem ser aplicadas.

# 5 Crianças menores de 14 anos podem ser empregadas?

Sim, crianças menores de 14 anos podem ser empregadas, mas apenas em circunstâncias limitadas. Crianças menores de 14 anos podem:

  • entregar jornais,
  • babá,
  • trabalhar como ator ou intérprete,
  • trabalhar em uma empresa de propriedade de seus pais ou
  • trabalho agrícola limitado.

Outras exceções podem ser aplicadas, mas essas são as mais comuns. O horário é bastante restrito e o trabalho pode não interferir na escolaridade. Isso está de acordo com a lei federal. As leis estaduais podem impor outras limitações.

# 6 Um adolescente de 16 ou 17 anos está limitado a 8 horas de trabalho por semana, verdadeiro ou falso?

Em geral, isso é falso.

  • De acordo com a lei federal, os adolescentes entre 16 e 17 anos não têm restrições quanto ao número de horas em que podem trabalhar.
  • Algumas leis estaduais restringem o horário. Mas mesmo esses geralmente permitem mais de 8 horas por semana. Por exemplo, o Estado de Washington limita as crianças de 16 a 17 anos a 20 horas por semana – e mais quando a escola não está em andamento.
  • Sempre verifique as leis em seu estado.

# 7 Existe uma idade mínima para quando meus filhos menores puderem trabalhar nos meus negócios?

Não há restrições de idade mínima de acordo com a lei federal. Mas coloque a saúde e o bem-estar do seu filho em primeiro lugar.

Além disso, outras restrições legais ainda se aplicam. Por exemplo, seus filhos menores não podem trabalhar nos seus negócios se você estiver envolvido em uma indústria perigosa. As leis estaduais também podem ser aplicadas. Consulte Mais informação.

# 8 É necessário que uma pequena empresa ofereça licença familiar aos funcionários?

A resposta correta é: possivelmente. Depende do tamanho da sua empresa e da sua localização.

De acordo com a lei federal dos EUA, você deve oferecer licença familiar se sua empresa tiver 50 ou mais funcionários. No entanto, alguns estados e alguns municípios exigem licença familiar, mesmo por empresas menores.

Além disso, essa é uma área da lei que está mudando rapidamente. Portanto, é importante manter-se a par das leis em sua área. Consulte Mais informação.

# 9 Sou obrigado a contratar uma pessoa com deficiência, mesmo que outra pessoa seja mais qualificada?

A resposta correta é não. Você não é obrigado a contratar uma pessoa com deficiência se outra pessoa estiver melhor qualificada – desde que você não baseie sua decisão na deficiência.

No entanto, a lei federal não permitirá que você discrimine uma pessoa com deficiência.

Além disso, se uma pessoa com deficiência solicitar uma acomodação razoável para fazer o trabalho, você deve fazê-lo.

A lei federal se aplica a empregadores com 15 ou mais funcionários. Os requisitos estaduais podem ser aplicados a empregadores menores.

Mais de 50 milhões de americanos têm deficiências. Muitos empregadores descobriram que os funcionários com deficiência são excelentes trabalhadores que contribuem muito para o local de trabalho.

# 10 Toda empresa deve usar o E-Verify para provar que os trabalhadores têm o direito de trabalhar nos EUA – verdadeiro ou falso?

Falso.

O E-Verify é um bom sistema eletrônico que pode ajudá-lo a cumprir a lei. No entanto, o e-Verify atualmente é voluntário e não é obrigatório, exceto para contratados do governo ou se exigido por lei estadual.

No entanto, como empregador, você deve verificar se está contratando trabalhadores legalmente autorizados a trabalhar nos Estados Unidos. Isso significa que você deve preencher o formulário I-9 e verificar certas informações relacionadas.

Mas se você usa o e-Verify para ajudá-lo nesse processo é sua escolha.

Imagem: DepositPhotos




O que é preciso para se tornar uma empresária de sucesso?

O que é preciso para se tornar uma empresária de sucesso?


mulher de negócios bem sucedido

Trazido a você pela Manhattan Elite Prep:

No mundo moderno de hoje, o cenário dos negócios não é mais governado por homens. Atualmente, há um número crescente de mulheres empreendedoras de sucesso que constroem impérios reais.

No entanto, embora o cenário de negócios tenha se tornado cada vez mais fácil de conquistar pelas mulheres, ele ainda pode ser desequilibrado. Aqui estão algumas dicas práticas sobre como se tornar uma empresária bem-sucedida.

Seja Educado

Para começar, tornar-se uma empresária de sucesso exige uma boa educação no campo. Você pode ter uma ótima ideia de negócio e o capital para investir nela, mas não sabe por onde começar.

A educação adequada, como um programa de MBA, é essencial para ensinar tudo o que você precisa saber sobre negócios. Você aprenderá como entender as tendências do mercado, os princípios mais importantes para iniciar um negócio e como transformar sua ideia de negócio em uma empresa de sucesso.

Um diploma de programa de MBA é o primeiro passo que você deve dar para sua futura carreira como empresária. O processo de inscrição no MBA pode ser intimidador. No entanto, se você fizer uma aula especial no GMAT para se preparar rigorosamente para o exame GMAT e se preparar para a entrevista de admissão, ser aceito em um programa de MBA não é tão difícil.

Esqueça a Guerra de Gênero

Hoje, a igualdade de gênero é um dos tópicos mais populares em todo o mundo, e a igualdade de gênero no cenário dos negócios não é exceção à regra. O cenário dos negócios ainda é predominantemente dominado pelos homens, o que às vezes dificulta o destaque das mulheres. No entanto, a guerra de gênero é realmente algo pelo qual você não deve se deixar influenciar.

Você quer se tornar um empreendedor de sucesso porque possui habilidades e motivação para fazê-lo, não porque tem algo a provar para os empresários do sexo masculino. Não importa o gênero, homens e mulheres podem obter sucesso nos negócios; portanto, não se deixe distrair pelos estigmas de gênero.

Seja assertivo

Por que você quer se tornar um empreendedor? Essa é uma pergunta muito boa que você deve responder para ajudá-lo a permanecer motivado e focado em seu objetivo. Ser proprietário de uma empresa traz vários desafios e responsabilidades, e o caminho para o sucesso não será fácil o tempo todo.

O sucesso no cenário competitivo de negócios de hoje depende muito de uma mentalidade forte – desde a eliminação do pensamento de que as mulheres são o sexo mais fraco até a confiança em suas habilidades empresariais.

Leia sobre mulheres de negócios bem sucedidas

Há vários empreendedores, homens e mulheres, que afirmam ter encontrado inspiração e motivação de outras pessoas que compartilham seu gênero e o fizeram no mundo dos negócios. Atualmente, existem várias histórias de sucesso de mulheres empresárias e líderes famosas, incluindo Michelle Obama ou Oprah Winfrey, para citar apenas algumas.

Encontre inspiração e motivação para superar qualquer desafio que possa encontrar lendo sobre mulheres líderes de sucesso que conquistaram o mundo dos negócios.

Para ter sucesso nos negócios, antes de tudo, você deve acreditar em suas próprias capacidades e pontos fortes. No entanto, também é essencial obter a educação certa para moldar suas habilidades empresariais e permanecer motivado, não importa o quê.

O que é preciso para se tornar uma empresária de sucesso? 5

O que é preciso para se tornar uma empresária de sucesso? 6

Entendendo a rotatividade e como reduzi-la

Entendendo a rotatividade e como reduzi-la


Andrew: Olá, lutadores da liberdade. Meu nome é Andrew Warner. Eu sou o fundador da Mixergy. Oh, me disseram para não tocar no microfone. Matt, você consegue ouvir se eu tocar no microfone? Eu me pergunto se o público poderia.

Matt: Oh, apenas um toque.

Andrew: Tocar. Isso é o que . . . Porque eu estava batendo nele. Deixe-me mover o microfone e ver. Você não pode sentir isso, pode?

Matt: Não. Suave.

Andrew: Eu ainda posso querer algo para protegê-lo. Se apenas uma pessoa disse que ouviu um som, eu quero parar com isso. Tudo certo. É assim que eu sou obsessivo. O cara que você acabou de ouvir é Matt Moody. Ele criou esta linha de bebidas que eu quero descobrir. Parece um pouco errado, mas eu sei que não. Eu quero descobrir um pouco sobre isso. E quero descobrir sobre a empresa em que ele está trabalhando no momento.

Matt Moody é o fundador da Bellwethr. Você conhece todo mundo, parece que, no empreendedor e no espaço SaaS, fala sobre: ​​“Como você consegue mais clientes? Não há nada de errado nisso, quero mais clientes. Acredite, eu realmente acredito. Eu quero mais ouvintes. Eu quero mais downloads. Eu quero mais assinantes. ”Muitas pessoas estão falando sobre isso. Matt deu um passo atrás e disse: “Ei, você sabe o que? Depois de obtê-los como clientes, você trabalhou duro, conseguiu as páginas de destino, conseguiu tudo. Você trabalhou duro, você os colocou lá, criou o conteúdo. Estão lá. Você percebe que muitos deles estão realmente saindo?

Sim, batedeira. A rotatividade é muito alta para as empresas. E como eu notei na minha empresa, é bem invisível. Porque não há incentivo para o Stripe me enviar atualizações e dizer: "Olhe para todas as pessoas que cancelaram". Não há incentivo da maioria das pessoas para dizer: "Olhe para a sua taxa de cancelamento". E, francamente, eu vou para ser sincero com você, as duas empresas que me inscrevi me falaram sobre rotatividade, tive que cancelar a inscrição porque elas me informavam sobre rotatividade, mas não me davam nada para fazer. Então, por que eu quero me bater?

Então, Matt criou um software que não apenas ajudará você a perceber que a rotatividade de funcionários é um problema, mas também ajudará a reduzir a rotatividade e a aprender com ela. Vamos descobrir como ele construiu sua empresa, seja lucrativa ou apenas uma missão quixotesca. E descobriremos sobre as últimas empresas dele que incluem essa empresa relaxante. Foi ele quem criou a bebida da qual estou falando. Certo, Matt?

Matt: Sim, está correto.

Andrew: Conseguimos fazê-lo graças a dois patrocinadores fenomenais. Matt, você conhece um deles. É chamado ClickFunnels. Eu amo ClickFunnels. Não tenho problema em obter mais leads, mais vendas. ClickFunnels faz isso lindamente. Eu vou falar sobre isso E então o segundo patrocinador é novo para mim. Chama-se RingCentral. Se você precisar de um número de telefone para toda a empresa para que seu pessoal não esteja usando seus próprios telefones celulares, eu vou lhe dizer por que o RingCentral é o escolhido. Mas primeiro, Matt, é bom ter aqui.

Matt: Obrigado. Obrigado por me receber.

Andrew: Qual é a sua receita, Matt? Qual é o tamanho da empresa agora?

Matt: Oh, estaremos em cerca de um milhão este ano.

Andrew: OK. Algum financiamento externo? Eu sei que você estava considerando um pouco.

Matt: Sim. Sim, fechamos nossa rodada de sementes em maio.

Andrew: OK. Quantos?

Matt: Dois pontos cinco milhões.

Andrew: Tudo certo. Dê-me um exemplo do que vocês fazem de tão incrível. E então voltaremos no tempo, conheceremos você e como você construiu a empresa. Eu quero aprender como você o construiu.

Matt:: Sim. Sim. Então, construímos por baixo, construímos, tipo, uma estrutura de aprendizado de máquina que usa aprendizado por reforço. É mais uma versão baseada em automação do aprendizado de máquina. Então nós. . .

Andrew: Veja, depois que você fala sobre isso, você me assusta. E penso: "Tudo bem, é o Hocus Pocus ou é muito complicado". Mas fale sobre problema e solução e então entenderei por que isso faz sentido.

Matt: Sim, absolutamente. Portanto, nosso produto de cabeçalho de praia se chama Retention Engine. E a ideia é que queremos oferecer uma experiência que seja personalizada para um cliente, realmente, no momento em que ele decidir que deseja cancelar. Portanto, quando você clicar no botão Cancelar, entenda que, no momento, existem duas escolas de pensamento. Há o refém, onde nós o tornamos realmente doloroso. E temos que ligar para o telefone e ligar para alguém que provavelmente não quer conversar. E, por outro lado, e há uma abordagem de rendição, onde estamos, basta clicar em um botão e terminar, o que é legal para o consumidor. Isso é ótimo. Torna agradável e fácil obter algo.

E então o que queremos fazer é querer coletar dados. Queremos descobrir, a), o que deu errado. Então, perguntamos, você sabe, em nosso sistema, ele captura essa informação, o que está errado. E então o que queremos fazer é tentar resolver isso para o cliente. Mas queremos fazê-lo de uma maneira que não seja refém, mas que não a torne super dolorosa. Portanto, da maneira que fazemos, permitimos que a empresa encontre todas as soluções ou maneiras diferentes para resolver alguém que queira sair. E queremos descobrir em qual cenário e qual cliente, quais dessas ações ou quais dessas ofertas provavelmente resultarão em um cliente que continuará com os negócios.

Andrew: Portanto, a exploração de reféns é um bom exemplo de "The Wall Street Journal". Eu tenho uma assinatura do "The Wall Street Journal" agora há anos. Sei que posso cancelar on-line, eles dizem que é muito arriscado à segurança permitir que as pessoas cancelem on-line, mesmo que eu possa colocar meu cartão de crédito on-line. Não consigo enviar por e-mail. Não posso ligar. Tentei ligar para eles, não sei por que, mas não consegui falar com uma pessoa. Acabei de dizer: "Tudo bem, talvez encontre um artigo no próximo mês" e continuo inscrito. Esse é o refém. Basicamente, não sei como cancelar e aceitei minha situação com o "The Wall Street Journal". O outro lado é apenas cancelar e deixá-los ir. E o problema com isso é o que? Se alguém tiver apenas um botão para cancelar a inscrição?

Matt: O maior problema é que você não sabe o que deu errado. Então você, como empresa, quando alguém está saindo, você sabe, obviamente, isso não é ótimo. É algo que nós meio que sentamos em negação a maior parte do tempo. Mas o problema é que não é necessariamente. . . Quero dizer, é uma coisa ruim naquele momento, mas também. . . Quero dizer, eles estão dizendo o que está errado e o que você precisa corrigir. E entao . . .

Andrew: Então, o que é um exemplo de algo que um cliente pode entender como consertar e depois fica bem com isso?

Matt: Sim. Então, quero dizer, aquele que todo mundo supõe ser o maior é tipo, “Ei, você sabe, preço. Dinheiro demais para mim agora. ”Mas você pode descobrir isso. Agora, o que descobrimos é que essa não é a principal razão pela qual as pessoas saem. Na maioria das vezes, envolve algum tipo de suporte ou apenas uso. Talvez eles não estejam mais usando algo. Nesse caso, há outras coisas que a empresa poderia fazer para tornar o produto mais, você sabe, como olhar para usuários ativos diários ou com que frequência alguém está usando uma associação ou algo nesse sentido.

Andrew: Portanto, se o que eles dizem é: "Na verdade, não estou usando muito". Uma coisa que você pode fazer é dizer a eles: "Aqui estão os outros recursos que temos. Agora que você os conhece, seria mais provável que você fique ou quer ficar um pouco? ”Essa é uma das coisas, Matt, que vocês oferecem no Bellwethr.

Matt: Sim.

Andrew: O outro é que você só quer aprender, em geral, que se alguém não usa o software por um certo período de tempo, percebemos que eles são cancelados. Vamos começar a garantir que as pessoas estejam usando. É isso que você está tirando disso. OK.

Matt: Sim, exatamente. Exatamente.

Andrew: Você também permite que as pessoas pause as assinaturas. Então, se eu estou em uma assinatura, não estou feliz com isso, talvez em vez de cancelar, apenas paro porque estou tendo um mês ou dois meses ocupados e é por isso que não quero nada disso . Consegui. Eu entendo com o Audible, eu não sabia disso até recentemente. Com o Audible, se eu cancelasse minha assinatura, eles diriam: "Ei, você ficará por aqui se dermos um mês grátis e eu poderia apenas apertar um botão e obter um mês grátis e ficar com o Audible?"

Matt: Sim. Sim.

Andrew: Isso é uma coisa? Quero dizer . . .

Matt: Sim. E você pode fazer isso repetidamente. Não há como bloquear isso. EU . . .

Andrew: Então, você não está preocupado que alguém faça a mesma coisa com vocês?

Matt: Bem, e é aí que está nossa estrutura de aprendizado de máquina, que fica embaixo disso, que fica embaixo, e o que ela faz é descobrir o que vai funcionar no cenário. E também temos a capacidade de controlar isso e garantir que não seja possível jogar. Agora, existem jogos em alguns níveis. Há jogos, você sabe, eu, Matt, vou cancelar uma coisa e depois percebi: “Ei, consegui um desconto uma vez, então vou continuar (a partir daí 00:07:24 ). ”O que acabamos fazendo é basicamente tornar essa dinâmica. E nós cobrimos esse caso de uso. Mas também abordamos, você sabe, o. . . Eu digo ao meu amigo: "Ei, você pode ir ao Audible como acabamos de fazer agora". E se o Audible fosse nosso cliente, não poderíamos. . . seria adaptado para esse usuário específico e não. . .

Andrew: Você saberia quem era o amigo da pessoa e que ela recebeu um. .. Isso esta certo? E que o amigo deles teve uma pausa ou um mês grátis e eles não podem receber um mês grátis? Vocês fazem isso?

Matt: Bem, o que fará é que se baseie no contexto que é passado para os dados. Chamamos isso de contexto apenas porque é mais adequado. É um pouco menos ambíguo do que apenas dados, em geral. E então o que faremos é que nós. . . Nesse contexto, descobrimos qual ação ou qual opção disponível tem mais probabilidade de resultar em um resultado positivo. Também deixamos a empresa esperar aqueles no back-end para que eles digam: "Ei, eu não quero distribuir tijolos de ouro o tempo todo. Porque, obviamente, isso não seria tão bom para os negócios. ”Assim, eles podem esperar o sistema para basicamente cobrir opções que talvez sejam um pouco mais baratas, algo que é, você sabe, que você pode querer que resolvamos isso , mas talvez não esteja dando um presente ou talvez seja um desconto menor. Esse tipo de coisas.

Andrew: OK. Eu estou entendendo. Então, quando ouço o aprendizado de máquina, sinto que é apenas um termo que impressiona as pessoas. E então talvez seja menos complicado que isso. Pode ser mais parecido com o. . . Parece que é mais simples do que o termo aprendizado de máquina nos levaria a acreditar, certo? Está . . .

Matt: É muito mais simples.

Andrew: Muito mais simples. É um negócio dizendo: "Ei, Andrew acabou de receber um desconto uma vez ou talvez você tenha um mês grátis duas vezes. Não vamos dar a ele um mês grátis pela terceira vez. ”Os negócios de Andrew podem não querer oferecer a todos que cancelam o mês gratuito automático da maneira que o Audible faz. Seja um pouco misterioso, uma em cada três pessoas recebe um mês grátis se ficar por aqui. As outras duas pessoas podem oferecer uma pausa ou você pode dizer: "Você sabia que temos todas essas coisas etc.", certo? É assim que vocês operam? E foi assim que você cresceu. . .

Matt: Esse é o caminho . . . Sim.

Andrew: Foi assim que você cresceu para um milhão de dólares por ano em vendas, certo, cobrando das empresas quando?

Matt: Sim. Então, cobramos isso das empresas. . . O mecanismo de retenção, aquele que se concentra nessa última experiência, quando alguém clica no botão Cancelar, esse é o nosso principal produto, esse é o nosso ponto de entrada. E também temos outros que se concentram em diferentes eventos no ciclo de vida. Então, experimentamos todo o tipo de teste gratuito e eles tentam fazer com que atualizemos para a próxima camada. Temos um que se concentra no que deve ser feito, para cada cliente exclusivo, com base em como eles estão usando as coisas, que ação deve ser tomada aqui pela empresa, a fim de levar esse cliente para o próximo camada. E fazemos isso de uma maneira mais inteligente, onde é personalizado, e não apenas a) a pessoa que fez login, para que o e-mail os exploda ou envie uma mensagem de texto. Nós podemos amarrar em uma espécie de golpe. . . você sabe, chamamos isso de automação inteligente.

Andrew: Consegui. E a maneira como você cobra é baseada no número de clientes. Qualquer pessoa que tenha menos de 1.000 clientes receberá o mecanismo de retenção, acho que o software custa cerca de 100 dólares, certo?

Matt: Sim. Sim. Então dizemos 10.000 ou menos, então fazemos cerca de US $ 100 por mês, e então meio que aumenta a partir daí. E há alguns pacotes adicionais que eles podem adquirir.

Andrew: Sim, eu sinto que vocês poderiam estar cobrando muito mais 10.000 por apenas US $ 100?

Matt: Nossos investidores adorariam. . . Eles adoram ouvir isso.

Andrew: Eu acho que, em algum momento, você decidirá: "Espere, nós realmente estamos subestimando". Você pode dar uma olhada nos seus concorrentes, aqueles que estão apenas dando análises, não importa, tipo, sem recuperação. Eles estão cobrando mais. Pago por um de seus concorrentes com base na recuperação. Você sabe, se o cartão de crédito de alguém não der certo, ele se recupera e cobra uma porcentagem do que recupera se conseguir recuperá-lo. Tudo certo. Vamos entender como você chegou aqui. Na verdade, você era um cara que criou uma empresa de bebidas chamada Mary Jane's Relaxing Soda.

Matt: Sim.

Andrew: O que é que foi isso? Eu ouvi sobre isso. Eu acho que é por causa do nome, porque Mary Jane é uma erva daninha. E você cria uma coisa chamada refrigerante relaxante de Mary Jane, e parece uma indicação de para onde as coisas estão indo no mundo. Mas também esse cara levou um pouco longe demais. Na realidade, o que foi? O que foi o refrigerante relaxante de Mary Jane?

Matt: Sim, então, bem, eu comecei em 2008. Isso é antes de toda a legalização e do (inaudível 00:11:27). Não houve. . . Você não pode colocar maconha ou cannabis. E o que eu fiz foi. . . Antes disso, eu era desenvolvedor de produtos para uma empresa de suplementos, e esse foi o período de 2008. E entao . . .

Andrew: Para uma empresa de software?

Matt: Para uma empresa de suplementos:

Andrew: Oh, empresa de suplementos. Consegui. Aqui são os laboratórios Corr-Jensen?

Matt: Sim, correto. Então, eu era um desenvolvedor de produtos lá. Você sabe, por volta de 2008, as coisas não estavam indo tão bem na economia.

Andrew: Eu lembro.

Matt: Eu sabia que ninguém precisava. . . Você sabe, não havia uma necessidade gigante de muitas coisas novas. Portanto, o desenvolvimento de novos produtos não era exatamente (obrigatório 00:12:04), nem meus serviços. E então, naquele momento, eu decidi: “Ei, eu sei um pouco sobre esse domínio” e, então, basicamente fiz algumas coisas e meus amigos tentaram. E um dos meus amigos disse: "Ei, parece que eu acabei de fumar um baseado". Então foi isso. . . Aquele . . .

Andrew: Acho que perdi seu áudio por um segundo. Eu vejo você bater mudo. Você está bem?

Matt: Sim. Sim, meu telefone sincronizou por algum motivo no meu computador. . .

Andrew: E então começou a assumir. Consegui. Então você disse: “Ei, você sabe o que? Eu encontrei essa coisa que vai funcionar. ”A coisa era kava, estou certo?

Matt: Correto.

Andrew: O que é o kava?

Matt: Então o kava é uma raiz. É uma raiz de uma planta que cresce nas Ilhas do Pacífico Sul. E já existe há séculos. É uma espécie de bebida tradicional lá. O gosto não é ótimo. Mas isso definitivamente vai te dar um burburinho, mas não tem os efeitos colaterais do álcool. E então o que eu fiz foi basicamente usar extrato de raiz de kava, misturar, dar a alguns amigos, e esse foi realmente o nascimento disso, que eles sentiram como "Ei, isso foi divertido". E, você sabe, você não teve os efeitos colaterais do álcool. E foi assim.

Andrew: E você investiu quanto dinheiro nele?

Matt: Bem, na época, eu tinha apenas US $ 10.000, e foi isso. Eu coloquei toda última gota nele.

Andrew: E então, quando você pega a mistura, para quem você a leva, para criar a lata? Como você enlatou? Como você faz isso em grandes quantidades? E então, onde você está vendendo?

Matt: Sim, basicamente o que eu fiz foi, você pode usar, tipo. . . eles são chamados casas de sabores. E então eu costumava comprar uma casa de sabores, comprar as garrafas, comprar praticamente todos os pequenos elementos, até o engarrafamento. E então todos os ingredientes. Você o envia para a casa de sabores e eles basicamente criam os diferentes sabores e tentam fazê-lo provar. Porque, novamente, não tem gosto. . . O ingrediente cru kava não é exatamente a coisa mais saborosa em geral. Quero dizer, parece sujeira.

Andrew: Foi o que ouvi. Eu ouvi. Faz? Parece muito bom nesta entrada da Wikipedia. Parece uma bela planta verde. Mas você está dizendo que quando está na bebida, parece sujeira. Já ouvi pessoas dizerem que é horrível. E assim a casa de sabores fez com que tivesse um sabor um pouco melhor. Eles adicionaram um pouco de açúcar. Estou certo?

Matt: Muito.

Andrew: Muito açúcar.

Matt: Muito açúcar.

Andrew: Na verdade, eu estava com medo de, desligar você dizendo muito açúcar, que talvez você dissesse: "Andrew, pare de bater na minha bebida".

Matt: Oh não, não. E eu não sei. Então a bebida é realmente. . . Tipo, está adormecido agora. Tipo, nós não acabamos levantando dinheiro quase o suficiente. Então, voltamos em 2010 nesse caso.

Andrew: OK. Então, há alguns anos fazendo isso. Você tem um monte de imprensa para isso, certo?

Matt: Sim, toneladas.

Andrew: Como funcionou para você?

Matt: O nome, o nome funcionou.

Andrew: O nome funcionou. Estou procurando aqui no artigo "LA Weekly". "É uma erva daninha em uma garrafa. O refrigerante relaxante de Mary Jane. ”É como:“ Como você não vai clicar e ver o que é isso? Se estiver em uma loja, você terá curiosidade de experimentá-lo. Entendi.

Matt: Bem, sim. Então, quero dizer, nós fizemos. . . Quero dizer, no momento em que conseguimos. . . Você sabe, sério, estávamos indo muito bem. Logo depois do portão, chegamos a algumas lojas 7-Eleven. Entramos na Whole Foods. E nós estávamos fazendo. . . Quero dizer, estávamos vendendo bastante. Estávamos atingindo todos os nossos objetivos. Mas, novamente, essa foi uma época horrível do ano e uma economia horrível. E, por isso, simplesmente não funcionou bem e não acabamos arrecadando dinheiro quase o suficiente para continuar assim.

Andrew: Como você se sentiu depois de fechá-lo? Deprimido, triste, feliz?

Matt: Ah, sim, foi difícil. Quero dizer, digo que foi difícil, mas sinto que aprendi. . . Quero dizer, eu aprendi muito ao administrar um negócio que consegui (inaudível 00:15:58) muito rápido. Então eu comecei o meu acompanhamento para isso cerca de uma semana depois.

Andrew: Sério?

Matt: Sim. Sim. E esse acabou indo melhor.

Andrew: E a idéia para isso veio das conversas que você teve com as pessoas quando estava tentando arrecadar dinheiro para Mary Jane?

Matt: Sim. Bem, então eu fui e fiz a turnê por toda a costa, aquela que você sabe, por toda a Califórnia, e iria para sessões de arremesso de anjos. E, você sabe, eu meio que assisti as pessoas que estavam entrando com produtos de software, uma margem um pouco maior do que o negócio de refrigerantes com uma margem menor. E como eu tinha experiência em desenvolvimento de software, pensei: “Bem, eu provavelmente deveria estar usando essa habilidade, talvez um pouco mais.” E foi o que fiz. E o próximo funcionou muito melhor.

Andrew: Qual foi a ideia para o próximo?

Matt: Bem, uma das coisas que eu notei. . . Então, depois que tudo deu certo, nunca assumimos nenhuma dívida com Mary Jane. Então não foi assim. . . não fomos à falência nem nada, apenas paramos de fazê-lo porque não tínhamos dinheiro suficiente para continuar produzindo. Então, basicamente voltei para. . . Eu estava na Califórnia na época, quando voltei para o Kansas, de onde sou, e acabei de perceber que, sabe, a mídia local, não havia muita coisa acontecendo naquele espaço. Então, basicamente, construí uma rede de notícias hiperlocal e a administrei literalmente por cerca de seis meses, aumentando a receita e obtendo uma oferta de aquisição. E, novamente, eu não tinha dinheiro porque gastei tudo na empresa de refrigerantes. Então aceitei a primeira oferta que apareceu.

Andrew: Quanto custou? Não foi um golpe de sorte enorme, mas foi um sucesso.

Matt: Sim, não, quero dizer, acabou sendo um pouco porque fiz uma realeza sobre os lucros e, em seguida, consegui ações na próxima empresa, e acabou pagando alguns milhões.

Andrew: Você vendeu para a Eagle Communications, a empresa regional de telecomunicações?

Matt: Correto.

Andrew: E eles queriam comprar você porque?

Matt: Eles não tinham presença online. Você sabe, eu estava operando em menores, tipo. . . Então sub-cem mil cidades ou vilarejos populacionais, eu acho. E, você sabe, em muitos desses lugares, não há muitos realmente sólidos. . . Quero dizer, existem algumas ferramentas melhores agora, mas em 2000, em 2010, não havia muito por aí. E então eu construí um que era bem liso. E isso tornou os relatórios realmente eficientes, e foi por isso que interessou.

Andrew: O que fez você. . . Então, eu estou no site agora. Um de seus sites era hayspost.com. E vejo no canto superior esquerdo que é de propriedade da Eagle Communication, acho que está escrito lá em cima, Eagle TV. São eles? Aquela empresa?

Matt: Sim. Sim.

Andrew: Então, o novo (história 00:18:46). . . Desculpe?

Matt: Não aceitarei nenhum crédito sobre como. . .

Andrew: Faz anos. Entendi.

Matt: Sim, já faz anos.

Andrew: Mas ainda quero entender qual é o apelo aqui. Portanto, temos algo parecido com o lançamento de novos equipamentos eleitorais no condado de Ellis, as cédulas de papel estão voltando, a polícia pega um infrator registrado no Kansas no passeio noturno de bicicleta. Como você está obtendo tráfego para algo assim? Isso tudo foi como uma coisa no Facebook ou o que você estava fazendo?

Matt: Naquela época, esse era realmente o truque: integrar-se ao Facebook. E, em seguida, muitas das notícias que estão agora, foram ainda mais automatizadas, onde não há realmente muitos relatórios sobre isso. Mas, naquela época, o que eu fiz foi amarrar, o que era o Google Maps e algumas APIs do Google Maps. E o que eu basicamente fiz também foi conectá-lo a um scanner da polícia. E tão automatizado, tipo, quando, tipo, as ondas de áudio captadas, então basicamente isso seria gravado. Então, basicamente, eu entrava e fazia o login, vamos chamá-lo de Tabela do Google Fusion. E isso se conectaria. . . Eu colocaria o mapa nele. E para que as pessoas pudessem entrar lá, apenas olhar e ver o mapa de quando ouviam sirenes ou algo assim, podiam ver, o que estava acontecendo naquela área. E tudo aconteceu dentro de alguns minutos, passando pelo scanner.

Andrew: Uau. E assim os anúncios eram apenas anúncios diretos. Isso é o que é? Porque ele não gosta de anúncios que realmente valham a pena. Estou procurando aqui no site. Tempero de abóbora e vapor algo, objetivo 50. . . Ah, eu vejo que essa é a velocidade da internet deles disponível na empresa que comprou vocês. Então eu vejo Whiskey Creek churrasqueira a lenha. Esse é um lugar local. . . Isso é tudo. Apenas exibe anúncios?

Matt: Eram todos os anúncios gráficos da época que, por volta de 2010, ainda havia um pouco de dinheiro nisso. Você sabe, eu acho que o Facebook praticamente tomou conta desse lado do negócio.

Andrew: Uau. E assim, dentro de seis meses, você vendeu esse negócio. Recebeu menos imprensa, deu a você menos credibilidade e maldade. Mas, ainda assim, esse é o negócio que ele vendeu e foi o negócio que ganhou dinheiro.

Matt: Sim.

Andrew: Uau, nós. Tudo certo. Permita-me um momento para falar sobre meu primeiro patrocinador e depois voltaremos à história. Então, Matt, há alguns dias eu gravei uma entrevista com um cara chamado Daniel Ramsey. Uma das coisas interessantes sobre ele é que ele faz seu assistente virtual de terceirização e outros serviços. E ele disse: "Olha, se você preencher um formulário no meu site, alguém ligará para você".

Então, você me conhece, estou preenchendo o formulário. Vamos ver se alguém me liga. Com certeza, recebo um telefonema diretamente para mim. E eu conversei com o cara um pouco. E então digo: "Sinto muito, tenho mais alguma coisa acontecendo aqui. Eu tenho uma entrevista Vou ter que conversar mais tarde. ”Ele diz:“ Que tal se eu ligar de volta? ”Eu disse:“ Claro. ”Ele diz:“ Quando? ”“ Quarenta e cinco minutos. ”Ele diz:“ Claro. . Ótimo. ”E com certeza, a entrevista foi feita. Alguns minutos depois, recebo um telefonema de acompanhamento dele.

Agora, Daniel estava sorrindo o tempo todo, como eu fiz o anúncio do RingCentral aqui no Mixergy. Porque ele disse que é isso que ele usa, RingCentral. Seus funcionários em todo o mundo têm o RingCentral em seus telefones. Esperamos que alguém preencha um formulário, dê a eles um e-mail mágico que os converterá automaticamente em um cliente. O que Daniel percebeu foi: vamos dar um telefone para eles. E pode conectar-se aos computadores se eles estiverem em um desktop e conectar-se aos celulares, se é isso que eles querem, e vamos enviar uma mensagem para eles.

E como o RingCentral se integra a todos esses aplicativos diferentes, eles me deram um link inteiro para a App Store. Se houver um aplicativo por aí, eles se integrarão a ele. Eu acho que posso dizer com certeza. E assim, assim que eu preencho um formulário, boom, eles recebem um alerta dizendo: "Ligue para o Andrew". Andrew recebe um telefonema. Se Andrew não responder à ligação, acho que uma das coisas que Daniel sorriu e me disse foi: “Enviaremos uma mensagem de texto porque talvez você não esteja atendendo os telefones e continuemos com você algumas vezes.

Agora, tudo isso pode acontecer com o RingCentral. E se eu ligar de volta e a pessoa estiver na outra linha, ela vai para o correio de voz e depois para a equipe deles, para que eles possam responder. Se eu enviar uma mensagem para eles, eles vão para a equipe deles. Digo tudo isso porque me inscrevi no RingCentral antes de falar com Daniel. Estou impressionado com todos os recursos.

Se alguém por aí tem uma equipe de pessoas que deseja experimentar, que tal ligar para seus clientes assim que eles compram ou assim que preenchem um formulário e ver se um ser humano pode responder a perguntas e fazer uma demonstração ou fazer o que for necessário para fechar a venda, em vez de um conjunto de e-mails. Eu acho que você ficará impressionado com isso. E se você quiser um conjunto de números de telefone, com licença, um número de telefone, se você quiser para toda a empresa, além de obter um novo número de telefone para todos da equipe, se você quiser tudo isso, pode inscreva-se no RingCentral.

Eu fiz. Na verdade, eu me inscrevi e agora estou recebendo videoconferência, que é o que Matt e eu estamos usando aqui para nos comunicarmos. Recebo fax, que nunca vou usar. Recebo mensagens de texto, que eu amo porque quero que meu assistente me ajude a passar pelas mensagens de texto por meio de texto que está fora de controle no meu telefone. Eu recebo tudo isso e muito mais.

Se você quiser se inscrever, vou fornecer a vocês um URL em que você pode obtê-lo a partir de US $ 19,99 por mês, e eles oferecem descontos nos preços já baixos. Além disso, você não precisará pagar um centavo até 2020. É ringcentral.com/mixergy. Nós levaremos isso para você. Isso é R-I. . . Eles realmente me disseram para soletrar. E acho que eles sabem que eu falo muito rápido, Matt. R-I-N-G, que é RingCentral, ringcentral.com/mixergy. Vá vê-los. Você não terá que pagar nada até 2020. Uau. Eu amo esse serviço. E, francamente, estou usando apenas para mim e meu assistente. Quero que ela me ajude com minhas mensagens de texto. Você recebe muitas mensagens de texto, Matt?

Matt: Sim, acho que sim enquanto conversávamos, então espero que não tenha sido chato.

Andrew: Não apareceu. Eu não percebi. Agora estou em mensagens de texto não lidas. Deixe-me ver hoje, 155. E trabalhei nisso outro dia. Está fora de controle. Agora, alguns deles são apenas, tipo, mensagens de texto aleatórias de serviços, como este é o código para fazer login no site. Eu não a marquei como não lida, então ela entra e eu só preciso. . . E então, em algum lugar, há um cliente que diz: "Estou com problemas ou quero comprar", não consigo encontrá-lo. É por isso que eu quero que meu assistente possa ler minhas mensagens de texto e dizer: "Andrew, há um cliente que estamos respondendo agora".

Tudo bem, é o suficiente. Depois que você vendeu, eu sei que você ficou por seis anos, mas você levou um momento e disse: “Eu consegui. Eu trabalhei duro. Eu fiz isso."

Matt: Não, não mesmo.

Andrew: Não. Você comprou alguma coisa para si mesmo? Você comprou . . . ? Parece que tudo o que alguém compra é um computador novo.

Matt: Foi tudo o que comprei.

Andrew: Nem mesmo uma casa, um carro?

Matt: Bem, quero dizer, me casei e tive filhos. Então eu acho que é para onde todo o dinheiro foi.

Andrew: Isso é caro. Tudo certo. Você se entregou a uma babá em período integral?

Matt: Não.

Andrew: Não. Uau. Você sabe, o que meus amigos aqui estão fazendo em San Francisco, a babá da noite para o dia, porque acordar no meio da noite é uma tarefa árdua. Eles estão conseguindo uma mulher para ficar com eles. E então, tipo, se o bebê acordar no meio da noite, dê-lhe um pouco de leite. Ajude o bebê a voltar a dormir. Mantenha os pais felizes.

Matt: Oh meu Deus, isso é inteligente. Eu gostaria de ter isso. Mas acabamos com isso. E nós não fizemos isso.

Andrew: Então, quantos anos você tem filhos agora?

Matt: Temos três, temos (inaudível 00:25:31), temos um.

Andrew: O que é isso? Quais são as idades deles?

Matt: Dez, quatro e um.

Andrew: Uau. OK. Então a criança de um ano já passou e está andando por aí. Você está bem. Ainda fraldas, mas nunca no meio da noite mudam.

Matt: Não. Nada (inaudível 00:25:45).

Andrew: Então, como foi trabalhar nessa empresa por seis anos?

Matt: Quero dizer, você sabe, acho que muitas vezes todo mundo meio que falava: "Ah, você está apenas querendo sair". Especialmente em. . . Tipo, quero dizer, a maioria das pessoas não tem grandes pensamentos quando se trata de telecomunicações, mas foi uma ótima experiência. Eu aprendi muito. E, portanto, não tenho nada além de coisas positivas a dizer sobre isso. Quero dizer, finalmente, para mim, eu gosto de poder ter mais controle sobre minha vida e minha carreira. Portanto, nunca seria adequado e a longo prazo, mas sim. . . E acabei gastando. . . Fiquei mais do que esperava.

Andrew: Eu imagino. Seis anos é incomum. Onde você deveria ficar lá por quatro anos?

Matt: Por quatro anos. Mas então eu. . . Sim, o engraçado foi que, ao longo do caminho, eu meio que fui para casa e disse: "Ei, tenho outra ideia". Eles disseram: "Não estamos realmente interessados. Então, se você quiser fazer outro lado, sinta-se à vontade. ”Então eu fiz esse, executei esse por mais uma vez, foram quase seis meses. E então eles me pediram uma atualização de status. E eu disse a ele quanto dinheiro estava ganhando. E então eles disseram: "Ei, vamos adquiri-lo". Então, fizemos um acordo nesse.

Andrew: Qual era esse negócio paralelo? Não vejo isso no seu LinkedIn.

Matt: Sim, foi na automação de marketing. It was never really because I was still at the company that I never liked it. I just kind of set it up. And basically, I had the landing page that would collect leads. And it was just a tool to automate marketing campaigns.

Andrew: What did it do beyond the landing page?

Matt: So the landing page was basically just a lead capture. And then, like, I built a little console where they could go in there and they would automatically, you know, do all their Facebook and Google Ads really easy.

Andrew: Based on the email addresses so you can start targeting ads, is that what this is?

Matt: On their website. So just going back to their website and just automated between the website and then into the ads. And this is back in . . . I mean, there’s a ton of tools that will do that sort of thing now, but that one was back in 2014. Yeah, 2014.

Andrew: Was the ads being targeted to people who hit the landing page or people who gave their email address on the landing page?

Matt: Oh, well, the landing page was basically like my landing page. So I put up a landing page and just said, like, “Hey, if you want this stuff automated, then . . . ” And so I basically just slapped up a landing page. And then people would sign up. And then I basically would just sell them on, “Hey, we’ll connect your website and we’ll just automate the ads. We’ll just automatically go from your website into your Facebook ads and your Google ads.

Andrew: Got it. It was a way of creating automatic ads without a human being doing it.

Matt: Yes.

Andrew: Okay. All right. And you created that. Did you get any customers for it?

Matt: Yeah, I think at the time, we had almost 30 customers. And, you know, they were paying anywhere from $500 to $1000 a month.

Andrew: Wow. Yeah. That’s impressive as a side business. Were you always entrepreneurial? I’m looking at my notes on you. I don’t see any small businesses as a kid. I don’t see a guy who had to keep creating companies and lemonade stands.

Matt: I mean, I think I did the lemonade stand but I think most of it’s probably due to a healthy disdain for authority. That’s what I like to think of it as.

Andrew: But then how did you save for six years at Eagle? What did you learn from them that kept you there? I’m looking at Eagle. By the way, this is not like an unusual company. We all have an Eagle in our world, right? For me, it’s Comcast. For other people, it’s Time Warner. I don’t know if it’s still called Time Warner. They did internet, television, and phone service for business and residential, right? É isso aí. It’s just like that whole package. So what did you learn from them?

Matt: I think I learned . . . Well, okay. So a lot of what I learned was just one of the cool things about that company was that it’s an employee-owned company, which is actually pretty unusual . . .

Andrew: Yes, that is.

Matt: . . . where basically everybody that’s working there has stock and it’s not, like, a publicly-traded thing. So it’s privately held. And I had some respect for the people in charge there. I felt like I wasn’t . . . While I’m not so great with authority, I felt like they were smart enough guys that I wasn’t too concerned. And then I had a couple of them that, you know, when I got pretty frustrated by the bureaucracy that happens in larger organizations.

Andrew: So what’s one thing that you learned? Is there something that just sticks with you that makes you say, “All right, that is something that I wouldn’t have learned if I went to business school. That is something that I’m now using in my business.” I remember talking to the founder of Genius, it was called Rap Genius at the time. It’s a site that lets you annotate. At first, it was just rap lyrics. And then it’s anything on the internet.

He said,” Look, I work for a big company. ” One of the things that I realized is people don’t have allegiances for big companies the way that we do when we think about startups. And so everything was set up, not with an individual in mind, but with that position in mind so that if the person in that position left, there is no mess. It just goes, the email address gets transferred to the next person who does I don’t know what product management, though the access to all these sites automatically gets transferred over and he said, “You know what? I know I’m running a smaller company, but I like to think that way, that people can be moved out without it being a big corrupting force in our business.”

And so, as he thinks through different parts of his sight from code to email management, he is thinking, “What if I needed to transfer this to somebody else tomorrow? How much of a pain in the neck is that going to be?” Do you work stuff like that?

Matt: That’s a funny one because I would say that’s things that I struggled with when I started there, was like, “Hey, we’re, this guy might leave or she’s threatened to leave.” And they’re like, “Okay.” I mean, very much less likely to deal and I would have been like,” Okay, I’m going to go spend the time and the effort.” And so I would agree with that, that, you know . . . I mean, there’s some cases where, you know, somebody’s really made themselves a linchpin in the business and those hurt. But I think those are actually fewer and farther between than what a lot of times, at least that’s what, you know, less than what I will . . . So, yeah, I’d agree with that one. That’s interesting.

Andrew: The other thing that seems to have come up was, you learn from working in telecom that churn is important. Nobody talks about churn, right? There’s a guy who’s, like, great at landing pages. There’s a guy who’s great at SEO. There’s a woman who’s going to help you design the pages and the A/B tests that you need in order to get more people to sign up. I can’t think of a single person who is known as the churn person, right? We don’t talk about it much. That’s where you learned it. You saw that churn was an issue. Why was churn an issue for Eagle? Is there a lot of competition where they play?

Matt: Yeah. You know, a lot of the . . . I mean, it impacts revenue right away, right? And so KPIs there, yeah, KPIs in the Telecom Space, especially because it’s more established, there’s less, you know, we all have it, you know. But yet, you know, there’s going to be little competitors that come in, competitors that overbuild different areas. And so churn was a metric that they kept an eye on and I was running all the digital operations at the time and so . . .

Andrew: What does digital operation mean?

Matt: Basically, every aspect of the business that happened online that I kind of oversaw.

Andrew: Oh, really? Wow. OK. All right, so online registrations. That was you getting the whole flow going?

Matt: Yeah, like in charge of their website, all of that, like, basically all of that stuff, then all the media sites. Basically, all the websites, and the backends, and all that stuff.

Andrew: Okay. All right. And so, sorry, you’re starting to say that because you were in that position, you started to notice something?

Matt: Well, I was in that position. So I had access to any data that I wanted. And so I built a machine learning model that was, you know, basically, just identifying the risk of somebody leaving.

Andrew: It was identifying the risk of somebody leaving?

Matt: Yes.

Andrew: What are some factors that would determine that someone is going to leave?

Matt: So, really, what we’re trying to do, like, with machine learning pattern, right, like, and essentially what you end up doing is that, you know, you can find a pattern you. As humans, we don’t need machine learning to say like, “Oh, hey, you know, 90% of the people in that location are exiting.” We don’t need them all for that, right? Yeah, we don’t need machine learning for that.

But, you know, when it starts adding, like, you know, you start looking at the correlation across, like, a lot of different variables to where it’s beyond, you know, two or three dimensions there and it says getting pretty deep, that’s when using a computer, you know, to build a machine learning model that identifies that, “Hey, there’s little bits of correlation across all these little features and all these little data points.” And that’s, in essence, what machine learning does. And that scenario, it’s just a classification of like, “Hey, all this little correlation adds up to this person looking like, you know, the people who left last month or the months before.”

Andrew: Yeah, and I get that then you know what, that is a distinction I need to be aware of. If I understand it right, when it comes to machine learning, we don’t have these quick, easy to explain and understand reasons. It’s not as simple as the machine learning told us that when people are about to move houses, they’re more likely to cancel their service. It’s more like these random factors that don’t seem at all connected and if you look at them would feel mind-bogglingly disconnected and meaningless. It turns out they actually are meaningful. That person is about to leave. Let’s do something for them. What I’m curious about, though, is what kind of data would you have? Is it, like, internet usage that you would have? Would you also look at outside data, like, whether they’re even on Zillow or something?

Matt: Yeah. Yeah. So you’d end up having like, you know, location data. You’d have, you know, tenure. Tenure being, like, one of the most important ones. Like, you’re a customer . . .

Andrew: How long have they been with you?

Matt: Yeah, exactly. That’s one that and what’s interesting about that, one is that that was like an easy trick. Because a lot of times what people do is you just, those are stored as dates in the database. So they signed up on this date, but nobody’s actually converting that and saying, “Okay, here’s how many days they’ve been a customer.” Because that’s actually when it starts getting indicative. You know, a lot of times you’ll sign up for a year contract or something, and so, if you just stored as a date in the database, that isn’t really that helpful. But if you can convert that over to you like, “Hey, today, it’s, you know, 364 days since they signed up, you know, your chance of leaving is considerably higher, you know, over the next two weeks.”

Andrew: Got it. OK. All right. And I imagine you also know, based on time of year, whether people are more likely to cancel and so on. And so you build that for them. And then you said, maybe I could take it out for other people, you did?

Matt: Yeah, I don’t, I just built it, you know, basically, like one model and showed them and it wasn’t anything that they asked for. They, you know, they were like, you know, machine learning? What are you messing around with that for? But I showed them and they and I just kind of saw the eyes light up. And like, “How did that work? And you didn’t have to you know, how exactly?” So I saw the light bulb kind of turn on and, and then you know, you can do a real quick calculation on turn. You see how many people leave every month. And you think well, if those customers look at the bill, and you know what would happen if they stay down for another year? That is a really, really fast and a heck of a lot faster than you know, what you’re going to be able to grow.

Andrew: Okay, and then you didn’t build it for them though. You built them a model of it, you explained it to them. And then you said, “I’m going to go out and create a new company for this.” And you sold them and they became your first customer. Is that right?

Matt: Yeah. Yeah. Yeah. Well, I showed them you know, that they saw the value in it. And at the point that I was coming up on my vesting period. And so, basically, just said, “Hey, you know, I’m going leave.” I mean, I guess I technically offer . . . I did allow . . . I threw out a, “Hey, if you want this thing, here’s what it’s going to cost.” They declined, but yet still wanted the tool. And so I said, “All right, well, I’m going to go build this on my own.” And they agreed to come on as customer number one. So that was a nice way to start the business in a less risky form.

Andrew: And you said they still wanted to what? They wanted the goal?

Matt: Well, they still wanted the tool.

Andrew: The tool.

Matt: They still wanted to basically the, you know, the risk scoring on icon customers.

Andrew: That’s fantastic. All right, how much did you charge them? What are we talking about enough that you could live on or enough that . . . ?

Matt: Yeah.

Andrew: That’s it. So it was basically now collecting a salary not up to par with what you were making before. But it was enough of a salary that you could continue to build this without worrying about paying the rent from your salary.

Matt: Yeah. Exactly.

Andrew: Wow. Wow, that’s fantastic.

Matt: Yeah, I mean, it was a nice way to start it. I don’t know if my wife would agree with that? That it was a nice way to start because it was considerably less than what I was making before. But yet still plenty enough to live off of.

Andrew: This is a little personal, but you had millions of dollars, though, that you’ve made from your sale to them, right?

Matt: Oh, no, no. So, like, what ended up . . . Well, part of that million came in here as of like, about a month ago, I guess, part of the company sold. So it was . . . I got stock when I was part of the acquisition. I got stock and then I was making royalty over the time that I worked there. So that was another reason why I stayed longer because I kept making the royalties as long as I was there.

Andrew: As long as you were there, you were making money from the sites that you created. Got it. All right. And but it didn’t become a significant thing until about a month ago, you said when you sold?

Matt: When they sold . . .

Andrew: When they sold.

Matt: . . . so it was acquired. And so, you know, I didn’t plan on . . . so that that employee stock part, I got a little bigger piece of that because the acquisition or because they acquired, you know, my previous company, and so I got notification that they had, that they had they themselves had been acquired. And we’re going to be sending out a check.

Andrew: Wow, congratulations. I didn’t know I didn’t see that because it’s not on their website, but I’m taking a look online now. And I see that they were acquired by Mega Broadband. Is that right? Or GTCR?

Matt: Yeah, it’s like that’s private equity. And I think that they then it’s sort of like a new conglomerate of the sort of mid-tier telecommunications broadband providers.

Andrew: Wow. All right. Did you have to cut back once you started doing this?

Matt: Oh, yeah.

Andrew: You did? What’s an example of something you couldn’t do anymore?

Matt: We just don’t travel as much as we used to. We used to travel pretty and go a little more extravagant with the travel. And now we don’t do that quite as much.

Andrew: You know, that’s the thing that I love too. Olivia and I just spent some time in South Africa. I did it because it’s part of my goal of running a marathon all over the world and interviewing entrepreneurs. Because she came with me and she does her research, we ended up at this beautiful space. It just was . . . It was phenomenal. I don’t even know how to describe it.

I don’t even know how much it cost. And I started to feel like maybe that’s a mistake. Maybe I should be watching these kinds of expenses a little bit more. It’s a type of thing that if the economy went bad the way that it did when you were starting Mary Jane, we’ll all look back on and go what a mistake we made. I could’ve saved that for now and no one else has any money need to spend.

All right. Let me take a moment talk about my second sponsor. And then I want to come back and understand how you got your second customer and how you figured out the model, how you figured out your business because I think it changed a little bit. And then we’ll talk a little bit about Techstars. My second sponsor is a company called ClickFunnels. What do you know about ClickFunnels, Matt?

Matt: They have a great business.

Andrew: They really do. I’m in awe of their business. Every time I think about them, I have to stop thinking, I wish I owned a piece of it and just think about the business itself. Here’s what I understood about it. I think most people understand, create a landing page looks nice. They have great templates, you collect email addresses, you’re going to get more email addresses from their pages than if you had other pages. I get that. That’s the way I was introduced to them.

What happens once you do that is you end up with a page it’s so easy that you start creating others whenever you need them really fast or more importantly, other people on your team, even virtual assistants who don’t know your company as well and aren’t marketers can easily create landing pages.

But Matt, here’s the part that I got excited about. One of the first things you learn is from ClickFunnels, the team, they say, “Don’t just collect email addresses, try to get a sale even early on.” And I was resistant to it because I said nobody even knows me. They don’t know my product yet. What am I going to start selling them? And then I was persuaded you know, what? I’m going to try to do a little sale, Matt, because if I sell them, if I even show them I have something to sell they’ll understand my business better and won’t be the how is Andrew making money. O que é isso? Where’s this going? You see I gave him this email, my email address, I got something and by the way, he has something to buy even if I don’t buy it. I know this is what he’s selling. That’s what I was thinking.

And because they make it so easy with ClickFunnels to just drag a box on here to pick take a page from this template. I just put it together. And it looked good. It represented me well. I connected it to Stripe which is what I used to collect credit card payments. That makes it super simple, but I could use other payment processors. And suddenly, people started paying me money. I totally forgot it was so easy to set this up.

I totally forgot about it wasn’t until my bookkeeper automatically set up a new section of revenue that I said, “Hey, wait, I think you made a mistake.” No, turns out we had a new source of revenue. I was jazzed.” And then they have this thing that you could add another checkbox underneath the credit card form that says, “Hey, you just gave me a credit card. Yes, you’ll get the thing that you just want.” But if you check this box, you get this other thing too for a few bucks more, just like that.

Suddenly, I go from being somebody who’s a little hostile to ClickFunnels, let’s be honest because I had other tools and I didn’t think I needed a specialty tool for it. I a little hostile to selling things to people when they just come in to now I’m just like this digital marketer. I’m creating funnels and actually sending over sales and the people who are connected with me have more of a connection to me because they just bought something and so they’re reaching out, they’re follow . . . anyway, I freaking love this company. They don’t even need to buy ads from me for me to tell you guys how much I love them.

In fact, I didn’t. I love them so much. They said, “Andrew, we like your interview style. We know you’re going to be aggressive with our founder. We’re going to pay you to come and do an interview on stage with us.” I said,” You know what? I like you guys so much. You don’t even need to pay me. Let’s just fly out my family. So that they could be with me because I keep every time I take trips away from my family, it’s an issue for them. And let’s just hang out and I’ll do unaggressive interview with you.”

I interviewed the founder. You guys should go listen to it. If you’re listening to me right now, at the end of this interview, go to clickfunnels.com/mixergy you’ll see my interview with the founder. I even to prepare, Matt, I talked to people who hated him. I’m talking too much about this. You’re going to get my templates. You’re going to get a 14 day free trial of ClickFunnels. You get that interview, I got to shut up and get out of this ad already. It’s at clickfunnels.com/mixergy. Clickfunnels.com/mixergy.

My big problem Matt, is I spend too . . . I don’t want to curse. I fricking long on my ads. And this is the problem when I get sponsors that I like and I want to do a good job for them. I want to do a good job for you. I’m going do good job for my audience. I want to do a good job for my sponsors. And I know as a listeners, as a guy who listens to YouTube, long ads are just counterproductive. But I can’t get out of it.

Matt: It’s a good ad though.

Andrew: Was it a good ad?

Matt: It’s a good ad.

Andrew: Good, thanks.

Matt: I think I might have to go do that now too.

Andrew: You will and then you can go listen to the world.

Matt: You got me.

Andrew: Thanks. All right. Are you the kind . . . I’m the type of person I get excited about everything? I’m doing push-ups. All-day long. I take my shirt off and I go to my wife Olivia. “Did you happen to see this?” So look over and go, “What?” I go, “My chest.” Go right, it’s like everything is exciting me in my life. It’s a little bit hard to deal with. Are you like that? You seem like you’re cooler. You’ve got like a Keanu Reeves look and vibe to you don’t need as much like attention as I do. You know, you don’t need to oversell like I do.

Matt: I try to remain pretty even keel.

Andrew: Was that always the way? Were you a cool kid in high school?

Matt: No, God, no. No, I mean . . .

Andrew: What were you like?

Matt: Yeah, I thought about that. My brother and I were talking about, you know, back in the day . . . he’s a football coach. And so we were talking about football back when we were kids. And yeah, I don’t know if my recollection is exactly correct. I felt like I was a lot quieter than what he kind of felt like I was.

Andrew: He felt like you had something going on for you, some Mojo.

Matt: Yeah, he did. Yeah, yeah.

Andrew: When do you feel like you finally figured yourself out, you came into your own?

Matt: Oh, I don’t know that I still . . . I would say, yeah, I don’t know. I may not have yet.

Andrew: We don’t really get it, but we have these . . . I like the title of one of Steve Jobs books, “Becoming,” the whole premise of that book. It was a good book. It was one that the Apple people loved. The whole premise of it was that Steve Jobs was never a thing. At some point, he realized that he had to keep becoming who he wanted to be. And I get that. I don’t fully see it in him. But I do see it in myself. There is this sense of becoming and growing into yourself.

But I also noticed, with these leaps that we make. Like, for me, one of the big leaps was, frankly, once I graduated from school and started my own company, suddenly I had power over myself. Being a kid sucks. You’re always under somebody else’s thumb, under somebody else’s rule. I finally had my own power. And it was sometimes depressing because I screwed it up and I wasn’t making any money and I was, like, a loser at my parents’ house, but I at least had agency. And then it was a period where I suddenly had a team of people working for me. We were making money. And then there was a sense of who I was coming through that.

And then when I lost it all and I found myself, not lost at all actually, thankfully, I lost the company. I felt like I lost my motivation for it. I don’t know what it was, but I do, but it’s too hard to get into. And I discovered my non-work self, go ride bikes, go run, go out at night with people and talk to strangers. I became a little bit . . . Did you have any of those milestone moments for yourself in your life? Let me get to know the Matt Moody behind the business.

Matt: Yeah. Oh, yeah. I mean, I think after Mary Jane’s Relaxing Soda, you know, I had spent all of my money on that one. And so I guess the biggest, you know . . . And, you know, we were getting coverage. It showed of a product placement on an episode of “Entourage.” And so we went from sort of like that, you know, sort of peak to, you know, basically, you know, needed to find a job. And I mean, the . . . Well, and I guess even at the product . . . So the supplement company, when I got laid off there, it was two weeks, two weeks before my son was born. And so not exactly a great thing. I had to go try to find a job, and yeah, that period was probably one of the rougher period.

Andrew: And so then how did you become a better or different person for those experiences for losing Mary Jane, for losing your job?

Matt: Well, I think probably a little bit of, hey, you know, not so much, you know, being impacted by positives and negatives. Trying to look at things a little bit more objectively and not getting . . . You know, I lived beyond my means there for a little while, and that changed. So I’ve learned that repeatedly throughout my life that, you know, hey, that times are good right now, but that doesn’t last forever and just, you know, try to remain a little more balanced.

Andrew: I get that. You know, one of the things for me was, I decided I wasn’t going to live off of old money. It had to be money that I was making with my company. And I had to spend it to live life the way that I was. And this was in the early days of Mixergy. And I remember, at one point, leaving my building, having enough money to buy bags to pick up after my dog, but it was still a considerable expense.

And they offered free ones. If you go out through the garbage office or the garbage room, on your way out, you can get a free bag to clean up after your dog. And I picked up one of those free bags to clean up after my dog and I kept thinking myself, “At one point, you’re going to have enough money that this is going to seem silly. Remember, go to the back door, get the free bag to clean up after your dog. It might be a penny but it’s still a penny and remember that you suffered for a while and the money mattered back then, don’t have it not matter when you have it. Remember this spirit. I sometimes forget that but that memory helps hold me accountable. Do you have anything like that? Anything you spend excess money on or held back on?

Matt: I think we hold back on almost every . . . You know, naturally, we’re still in the . . . You know, we’ve raised some money, we’re making money, but it’s still not . . . You know, I don’t pay myself. You know, being in charge, you don’t make nearly as much as when, you know, it’s just a job and you have a salary. Now, the payoff, in the long run, is likely to be a lot bigger. But, you know, in the short run, you know, we’re not where we were before when I was working or when I had, you know, an actual industry job. So we are still pretty tight about everything. And ultimately, what I’ve learned is, you know, I’m just as happy now as I was before, I just don’t stay at nice of hotels.

Andrew: That’s a good thing to remember. Hey, you know what? I do sometimes feel one more thing is going to make me happy. Especially YouTube, sometimes their fricking algorithm will suck me into video devices. Here’s a new drone. Here’s a new selfie stick that will do. And you go, “I think I need it.” And I realized that doesn’t really make happier. It feels like it. Well, all right. Stuff doesn’t make us happier. It’s all like how excited we are about our pecs. That’s what decides how happy our lives will be.

All right, I’m looking at an early version of your website, getting off my pecs and back to you. I feel like you weren’t clear at all about what you were going to do. The earliest version of your website that I can find says, “We offer digital services for business, accelerate your business with data-driven technology services. Is it because you weren’t sure how to communicate with the business-wise or you just weren’t sure what are we going to do yet?

Matt: Yeah, it wasn’t really burning the boats. I wanted to leave things a little open. And you got to put something up. So you could put something up and make it very ambiguous. And now, I’ve learned that, you know, sort of burning the boats is you have to in order to be able to clearly communicate. That was something I learned . . .

Andrew: At some point, you’ve got to realize, “”Here is what we do. Here is what we stand for. I know I’m cutting off and letting go of other options, but that’s what I need to do.”

Matt: Yep, exactly.

Andrew: Got it. You were very proud that you were in Kansas. Por quê? Why does the website say based in (inaudible 00:52:12)?

Matt: That was probably after too many glasses of wine or something like that.

Andrew: Got it. It was just like everyone’s owning where we are, we’re going to do it too. So you were willing to be a few different things. You were also more . . . You were an agency, not a software company yet, when you first launched, is that right? At least that’s how you billed yourself.

Matt: Yeah, you know, and we had the software tools, but then, you know, the biggest thing that . . . And it’s still one of those things that, you know, a lot of the machine learning stuff is, it’s pretty complex. And so sort of just turning it over. You know, we had that run for a while where we turn it over and people were like, “I have no idea what I’m doing with this.” And so we would, you know, sort of stack a services contract on top of that.

Andrew: You told our producer, “One of the problems we had early on was as soon as I put a model up on the server,” I’m quoting you, “it was already outdated.” What do you mean by that?

Matt: Well, that’s one of the interesting things about building machine learning models is that, you know, you take data, and that data is, you know, your current data. And you would build a model based off of that. You build those patterns in that data. And then what you do is that you take it, and you build the model. And then the model, you throw that on a server. And then what you can do is then you take new data in, and you compare basically the patterns there to see, you know, when, you know, something is looking like one of the patterns from the past where you know the ultimate outcome.

Now, the problem is that once you build that model, that model doesn’t improve anymore. That’s the sort of the end of it. And you have to go back and take in new data and restart the whole process over again. So it’s sort of a continuous, go get the new data, rebuild the model, then, you know, deploy the model, and rinse and repeat constantly.

Andrew: Again, I want to make sure that I’m understanding this because this is a whole new type of software that I’m trying to understand. What you’re saying is, look, if the model was as simple as people who have lived in their homes for seven years and the economy is booming, are likely to leave and cancel us, or if people who’ve lived in a house for seven years, and they signed up for HBO, they’re likely to leave us. Let’s make sure that we catch all those people. That might work for a moment in time, but it doesn’t capture other people and it will change. At some point, HBO will not be a factor because they won’t have “Game of Thrones,” or they will have “Game of Thrones.” And that’s what changes. Estou certo?

Matt: Well, yeah. I mean, so you think you’re going to extract the patterns from this historical data, and that’s your model. But there’s more data coming in over here that isn’t involved and isn’t included in this model. So you basically, like as soon as you would train . . . it’s called training a model. As soon as you would train a model and basically find those patterns and deploy it, well, this model doesn’t learn anymore. That’s the end of it. And so you have to go back and basically that one gets dumped, and you got to go back over, and get the new data, and then deploy that one. And then you got to kind of keep doing it regularly.

And that was one of the things that, you know, I realized, “Hey, this is really inefficient. And there’s got to be a better way to where when a, like, new data comes in, that it’s actually . . . ” You know, we can use this model to predict but also to be able to continue to improve it without having to go back and repeat the whole, you know, initial training process.

Andrew: And how did you get the customers that . . . ? Or was this still you working with your previous bosses and learning that?

Matt: Yeah, out of the gate, we just went in and I tried to find other businesses that were exactly like that one that, you know, in different regions.

Andrew: How did that work out?

Matt: We were doing pretty well. I mean, we were growing about as expected. We did about, it’s about $250,000 in the first year.

Andrew: This was because you sold to your old boss and then you called up and said, “Look, this company that you guys know is similar to you. They’ve signed up for this. Would you like to sign up for it too?

Matt: Yep, exactly.

Andrew: And that worked. OK. All right. And that’s when you’re starting to realize . . .

Matt: Worked somewhat.

Andrew: Okay. All right, quarter-million dollars, first-year sales, big name companies and enough data that you can train your model, that seems like a win. Estou certo?

Matt: Yeah. Yeah. I was pretty happy with the growth on that. I mean, obviously, you know, you can always hope for the rocket ship that just takes off right out of the gates and never sort of even hits a plateau. We hit a plateau, you know, eventually.

Andrew: Was it just you at the time?

Matt: Yeah. It was primarily me for the first, let’s say, about seven, eight months.

Andrew: Okay. And then you told our producer, “At around that point, it occurred to me this business is probably going to be a lot bigger than I intended it to be.” What made you realize the full capacity of this business?

Matt: Well, when I figured out how to resolve that inefficiency of the training, you know, process, where I had to go back and train the model again, and then deploy it, and go back and forth constantly. I tested out, you know, a range of different ways to just make that one model updated, you know, to continuously update it. That was really the revelation when I realized just how efficient it was in comparison to the traditional sort of method for doing that. And that was when I felt like, “Maybe I’ve got something here that could be bigger than what I had originally intended.” And that was the big moment. And I started, you know, changing the way we were doing things right about then.

Andrew: And what did that mean. Beyond raising money, what else did you need to change in order to do that?

Matt: Well, that was the big one is that I realized, at that point, that if I’m really going to capture the value that I think I’ve got here, then then I’m probably going to have to get a bigger team. I’m not going to be able to be the lone thing and selling. It’s not going to be like that. I’m going to have to build out an engineering team and build out a sales team. And also, you know, that’s going to require, you know, going out and raising capital.

Andrew: You got into Techstars in addition to the other money you raised, you raise money from them, how did they help shape your business, that accelerator?

Matt: That was the biggest impact to the business because, you know, while, you know, I had started a couple of companies before, I kind of felt like I knew what I was doing. And, you know, I was hesitant to do the incubator. I had heard negative things about incubators. And so I was pretty hesitant. But ultimately, I kind of decided, “Hey, you know, raising money is a little different. I haven’t really . . . I did that with Mary Jane’s and then clearly wasn’t so great at it. I guess we didn’t raise very much. And so I decided, “Hey, it could be beneficial, you know, from that standpoint.” Now, what I found was that it was beneficial sort of all around. It’s been the single greatest factor in kind of us getting to this stage.

Andrew: Because of what? What did they do? It seemed they helped you raise another round of funding. When I’m looking at the press release, you mentioned being at Techstars, am I right that that helped you raise more money?

Matt: Oh, yeah. No, it . . . Well, I would say that was the outcome of their work. I mean, basically what they did was, we broke down all of the things that were incorrect. I mean, they . . .

Andrew: Like what? I’ve heard they’re good at that.

Matt: Because they will . . . I mean, so they call it mentor madness. It’s, like, sort of the internal name. It’s sort of like a . . . Mentor office hours is like the outside term, but the internal mentor madness is the term that was used and basically it’s . . .

Andrew: Yeah, yeah, sorry. Go ahead. O que é isso?

Matt: Yeah. So, basically, it’s three weeks, all day long, where they bring in people who have the experience in, you know, all the different sides of the business. And you’re basically pitching to them, and they’re breaking you down, and tearing apart, and asking tough questions, and making you think about, you know, things that hadn’t really come across. I mean, the biggest thing that . . . The biggest change for us is that while we kind of had the, you know, “Hey, we can build a model that could continue training and without you having to go back through this rigid, inefficient process,” the problem was that they broke down and really helped me see . . . You know, one of the mentors, sort of asked the question, “Hey, you know, when you provide these risk scores for your customers, you know, what are they doing with it?

Andrew: Oh, yeah.

Matt: And the answer was, “I don’t know.” And then the follow-up question is, “Well, then how does it impact their churn rate. Does it go down?” And the answer was, “Kind of.” And the next question is sort of like, “Don’t you think that’s going to impact your business if the numbers don’t go down in a significant enough way, you know, to pay for that contract?” And it may just start thinking about analytics, in general.

And the idea of, we came with the analogy that, you know, kind of what we were doing was pointing out that their front door is open. It’s nice to know that your front door is open. That’s good. I’d prefer to know my front doors open than to not know. So it’s great. Nothing wrong with the information or the insight there. However, if I don’t do anything, then my front door is going to remain open.

Andrew: And the hardest part, Matt, is I can close my front door. My three year old knows how to close the front door. But if you tell me churn is high, I don’t know what to do. And I get that I’m looking at earlier versions. I get that you made it easy for people to get that data, who’s going to cancel, who’s likely to cancel, lots of different ways. But it does seem like you’re saying, “All right. What you could do is send them an email. What you could do is have somebody call them up. What you could do is . . . ” There are a lot of you could do, don’t you understand all the possibilities. And then you’re saying, because of Techstars and conversations with mentors, you said, “You could do all that. What can we do for you?” That was the big change. What can we do to help you deal with this churn?

Matt: Yes. Yeah, that it needed to be more of an action, more of a, “Hey, we’re going to have this impact.” And instead of just identifying, hey, that’s somebody that’s at risk, we want to say, “Okay, what should be done that’s going to reduce that person’s risk of leaving? And that was the biggest change for us.

Andrew: Got it. And then it seems also like you started to go after smaller companies, in addition to the big companies. So, if I look at your website from even last year, I see big brands like Servicemaster on there. I also see Herbert Hoover Museum. I had no idea that they needed it, that they have churn. At some point, I’m starting to see brands that I’m more familiar with, like Stripe being featured on the site. Is that another thing that you guys did, another change?

Matt: Well, I think we wanted to make it . . . You know, like, right now, we have some self-serve versions of this. And then we also have some enterprise versions of it. You know, at the enterprise, and there’s a lot more customization that needed to happen. So it’s not quite as you know, “Here it is, and take it and run with it.” So that was sort of just building out, you know, the different channels for us.

Andrew: All right. What’s the best part of . . . Actually you know, what? Forget about what you’ve done so far. I’m seeing as I talk to you, there’s so much more that you want to do. Where do you see yourself a year from now? If we’re to do this interview at the end of 2020, what do you see being built into this or if you want to look further?

Matt: You know, 2020, I think we’re building out sort of the suite where we have the three different functions that are . . . You know, we have the underlying, what we call, the engine’s framework. It’s sort of our reinforcement learning framework. And then what we’re doing is we’re building the applications that sit on top of that. And that’s what retention engine is, and what intervention engine and then the wind back engine.

So we kind of see it as, “Hey, we’re going to build out that suite. We’re going to hopefully grow all three of those products.” And then there are host of different problems that, you know, we can see how impactful analytics has been and everywhere that it is. But ultimately, what that does is sort of creates more work for somebody. You know, you’re going to find information and insights, which again, are great, but ultimately, somebody has to go do something with that. And so what we see is, you know, the long tail here is the ability to start taking some of those and tying those into actions and to outcomes. And that becomes more of a full-fledged automation. So we see, you know, dozens of different problems that we could end up applying this technology to.

Andrew: I could almost see . . . Tell me if I’m wrong in this. I could almost see you guys offering data for free. “Here’s your churn. Here’s who just churned for free and then laying on top of it. Now, if you pay, we’ll help you fix that.” Is that . . . ? Do you see that?

Matt: Yeah. There’s a lot of different angles that we’ve looked at as far as providing, you know, the insight level and sort of doing the insights for free and then, you know, tying in the automation with that. And yeah, I mean, we’re trying to remain focused because there’s obviously one of the hardest things with this, is that, you know, we can have a conversation with almost anybody and the answer to, “Hey, will this work for this?” Is undoubtedly yes. But obviously, we’re still pretty small. And so we’re trying to do it in an orderly fashion.

Andrew: All right, the website is its Bellwethr without that final E, right?

Matt: Yeah, you know, it’s got to be techy and drop a vowel.

Andrew: So it’s bellwethr.com. We should also have a link to it in the show notes. I like this business a lot. It’s phenomenal. Now, I understand also what Techstars has done. I feel like Techstars is underrated. They used to be out there talking about themselves a lot more. And then I feel like they’ve gone instead very nichey. Like, they are in smaller cities, they’re connected with other brands. And then almost let the other brands shine instead of them. And so we’re not paying attention to them. But I love hearing stories of what Techstars has done to help make a company better beyond the funding.

Matt: Yes, they are awesome.

Andrew: All right. And I want to thank the two sponsors who made this interview happen. The first, if you need a phone for yourself for text messaging, for anything, for just phone calls from your customers or for your whole team, really go check out RingCentral. They’re available at ringcentral.com/mixergy. And they’ve got an incredible offer for you there. And then if you need a, I’ll sell it as a landing page, but you’ll also understand if you’re listening to me that you can actually also turn people who subscribe into customers. Go check out clickfunnels.com/mixergy. In fact, you know what? I should just say, as a follow up to this interview, listen to one of the best interviews, maybe the best interview I’ve ever done with an entrepreneur at clickfunnels.com/mixergy. I flew over. I did it in person. You get a lot of benefit from it. Matt, thanks for being on here.

Matt: Thank you. Thanks for having me.

Andrew: You bet. And seriously, guys, thank you all for listening. Bye, everyone.



O futuro da publicidade rápida nasce quando Gin da aviação salva a esposa Peloton em sequela inteligente

Brian adiciona ao léxico de marketing digital com a Term Fast Advertising


O futuro da publicidade rápida nasce quando Gin da aviação salva a esposa Peloton em sequela inteligente 7

Bravo Ryan Reynolds! Bravo.

Uma brilhante forma de marketing está ocorrendo agora, como Ryan Reynolds e Aviation Gin nas mídias sociais. Representa a próxima tendência da publicidade, ou o que chamo de "publicidade rápida".

Se você acompanha o fiasco de marketing da Peloton, apreciará o golpe de marketing ambicioso (e / ou audacioso) alcançado pelo novo Aviation Gin comercial de férias inteligente.

(incorporação) https://www.youtube.com/watch?v=pShKu2icEYw (/ incorporação)

Após o lançamento de seu mais recente anúncio, "O presente que devolve", Peloton começou a se revoltar instantaneamente com o que os consumidores rotularam de "sexista", "distópico", afirmando que promoveu "vergonha do corpo". A raiva e a atenção da mídia chegaram até a ator que interpreta o marido fictício no comercial. Ele expressou em entrevistas que ele é um alvo na vida real e temeu que isso lhe custasse sua carreira de ator.

Mas o Aviation Gin acabou de mudar toda a narrativa, criando uma sequela do anúncio Peloton em um anúncio de feriado próprio, "O presente que não retribui. ”E, ao fazer isso, a conversa muda de bicicleta ergométrica para gin.

(incorporação) https://www.youtube.com/watch?v=H2t7lknrK28 (/ incorporação)

O que há de mais notável e inteligente aqui é que a atriz, apelidada de "Esposa Peloton", finalmente revelada como Monica Ruiz, foi contratada pela Aviation Gin para interpretar o mesmo personagem no que é melhor descrito como parte 2 do anúncio da Peloton.

Essencialmente, a sequência de Aviation Gin segue a saga de Peloton Wife, enquanto ela lida com sua situação atual. Que situação é essa? Esse é o gancho. O que muitos acreditam ser tão desconcertante sobre o anúncio de Peloton é exatamente onde começa a história da Aviation Gin, com suas preocupantes expressões faciais.

Esse movimento é notável porque transcende instantaneamente a novidade, inserindo-se na dimensão humana do que causou o pandemônio original em primeiro lugar … a emoção. Justificadas ou não, as pessoas sentiam raiva genuína por um personagem fictício, empatia e preocupação por outro personagem fictício. A Aviation Gin conecta instantaneamente os pontos emocionais, para nos atrair de volta à história dela, que continua a se desdobrar em uma nova direção.

Na sequência, vemos Peloton Wife aparentemente em estado de choque. Ela está em um bar cercado por dois amigos que estão claramente lá para ajudá-la durante uma noite com amizade e apoio emocional.

As primeiras palavras que ela pronuncia em seu estado triste são sobre marca: "este gin é realmente suave".

Suas amigas, claramente preocupadas com seu bem-estar, respondem em uníssono, "sim".

Um diz: "podemos comprar outro para você".

O outro olha com calma e confiança, deixando-a saber: "você está seguro aqui".

"Para novos começos", brinda a esposa Peloton enquanto ela bebe sua bebida de uma só vez.

A amiga à esquerda desliza o copo e diz que também pode beber.

Esta parte foi excepcionalmente inteligente. Sua mão esquerda, escondida sob a barra até este momento, surge para alcançar o copo revelador … espere … – SEM ANEL!

Ela deixou o marido Peloton!

A câmera aproxima um cenário de férias com uma garrafa de Aviation Gin colocada heroicamente ao lado de um elegante copo de martini. Antes do anúncio terminar, ouvimos uma de suas amigas atestar que "você está ótima".

Estrondo.

O que acabamos de testemunhar é uma masterclass em marketing de histórias e um novo gênero de publicidade rápida. É o mais recente de uma série de movimentos ousados ​​que impulsionaram o setor em novas direções, especialmente no digital, ao longo dos anos. Por exemplo, o "Dunk in the Dark" da Oreo após o famoso apagão durante o Super Bowl de 2013 ou a represália da Verizon por "você pode me ouvir agora", da Sprint, demonstra as possibilidades quando os profissionais de marketing se desviam dos manuais tradicionais.

Como a Zara para a moda, a publicidade pode responder a eventos culturais imediatamente para comandar tendências e conversas a seu favor.

Espere ver isso continuar, um pouco pior e outro melhor, imediatamente.

p.s. Como um bônus, dê uma olhada no outro anúncio recente e hilariante da Aviation Gin que "inventa a turducken da publicidade", colocando um anúncio da Netflix dentro de um anúncio da Aviation Gin dentro de um anúncio da TV da Samsung.

(incorporação) https://www.youtube.com/watch?v=Jbqw5foE7Mg (/ incorporação)



Um guia passo a passo para iniciar um negócio on-line [GUIDE]

Um guia passo a passo para iniciar um negócio on-line [GUIDE]


começando um negócio de comércio eletrônico

Tempo de leitura: 12 minutos

Segundo o eMarketer, a indústria global de comércio eletrônico deve crescer mais de US $ 4 trilhões até 2021. Você deve pegar um pedaço dessa torta iniciando um negócio on-line o mais rápido possível. Se você não tem um negócio on-line em funcionamento nesta era digital, está perdendo lucros maciços.

Escusado será mencionar, iniciar um negócio on-line leva muito tempo e esforço. Vários procedimentos e decisões se reúnem para gerar um fluxo de renda frutífero. Este guia passo a passo sobre como iniciar um negócio on-line responderá à maioria das suas perguntas e você sairá com uma mente clara.

Além disso, existem muitas dicas e truques mencionados ao longo do artigo que permitirão obter maiores lucros, especialmente durante as épocas de vendas on-line de alta conversão. Vamos começar!

Como iniciar um negócio online?

Primeiramente, começar um negócio on-line requer um plano sólido e viável. Você deve saber exatamente qual produto ou serviço deseja vender. Além disso, você deve entender as personas do comprador para vender seu produto ou serviço com eficiência. Existem muitas estratégias que você pode implementar antes de começar a vender seus produtos online.

Para iniciar um negócio on-line, você deve:

# 1 Escolha seu nicho

Quando você planeja iniciar um negócio on-line, é melhor manter um nicho específico. Você não pode esperar vender tudo e obter lucros maciços. Muitas empresas on-line oferecem centenas de produtos e dezenas de categorias, sem um foco real em serem específicas de um nicho. Você não pode se tornar a próxima Amazon ou Best Buy da noite para o dia, a menos que tenha um investimento maciço à sua disposição. Até então, é a melhor opção para focar no seu nicho para administrar um negócio on-line de sucesso.

O primeiro passo importante é identificar outras empresas on-line de sucesso que já estão presentes no setor do qual você deseja fazer parte. Para iniciar um negócio on-line, opte pelo nicho que não é superlotado. Você também deve garantir uma concorrência saudável, pois a ausência de concorrentes geralmente indica que não há mercado para seu produto ou serviço. Mais importante, pule qualquer coisa que seja dominada por marcas gigantes.

Confuso entre comércio eletrônico ou comércio eletrônico? Aprenda a diferença aqui

# 2 Selecione um modelo de negócios

Agora que você decidiu qual produto ou serviço vender, é necessário criar um modelo de negócios para iniciar um negócio on-line. Lembre-se de que não existe uma estrutura comercial única que funcione melhor para todos. Portanto, avalie tudo e selecione um modelo de negócios após uma análise cuidadosa.

Por exemplo, se você deseja obter lucros sem gerenciar inventário ou investir pesado, dropshipping é a sua resposta. É uma escolha inteligente e econômica que se encaixa bem quando se trata de iniciar um negócio on-line.

Se você deseja ter um armazém onde possa estocar estoque, estará investindo mais antecipadamente enquanto trabalha em um atacadista ou armazenagem modelo de negócios.

Se você estiver interessado em vender um produto exclusivo que somente você pode oferecer, poderá vendê-lo sob a égide de sua marca. Para fazer isso, você terá que se tornar parte do rotulagem branca ou fabricação modelo de negócios.

E então há um modelo de assinatura. É aqui que você seleciona um conjunto de produtos ou serviços a serem entregues regularmente a seus clientes assinados.

# 3 Iniciando um negócio on-line

Para iniciar um negócio online, você deve considerar alguns requisitos fundamentais. Vamos examiná-los um por um.

Etapa 1: Selecionando um nome

O nome da sua empresa on-line e seu site não precisa ser idêntico, mas é altamente recomendável mantê-los consistentes. Certifique-se de que o nome da sua marca seja adequado ao seu nicho e seja simples o suficiente para que seus clientes em potencial possam avaliar o que sua marca está vendendo.

Etapa 2: obter um logotipo

Você não precisa se preocupar muito com isso. Certifique-se de que não seja semelhante ao logotipo de seus concorrentes. Contanto que você tenha um logotipo simples e atraente, é bom começar um negócio on-line.

Etapa 3: registre sua empresa

Depois de ter um nome e um logotipo para o seu negócio on-line, é hora de registrá-lo. O registro permitirá que você desfrute de muitas proteções legais juntamente com outras vantagens. Não pule!

Etapa 4: Solicite licenças e permissões

A administração de um negócio on-line não o exclui de licenças ou autorizações comerciais. Verifique as leis do seu país para ver que tipo de licenças de imposto sobre vendas ou comerciais você deve ter para iniciar um negócio on-line.

Etapa 5: Visualização

Comece identificando a personalidade da sua marca. Você deve se concentrar em se tornar uma marca que se conecta com as personas de seus clientes. A classificação das personas dos clientes facilita muito o lançamento de um negócio on-line.

Escolha as cores que você deseja que sua marca represente; os tipos de conteúdo que você usará para promover seus produtos ou as fontes que você usará em todo o site. Contrate um profissional, se seu orçamento permitir, isso criará um impacto mais forte. Caso contrário, fique à vontade para executar as coisas manualmente. No entanto, mantenha as coisas consistentes.

Por exemplo, se o seu produto é para mulheres de negócios profissionais, convém evitar as cores femininas, atendendo a um público maduro. É importante entender a personalidade do comprador. É o que levará sua marca a alcançar maior sucesso.

Etapa 6: encontre os fornecedores certos

Há uma forte concorrência acontecendo quando se trata de vender produtos on-line. É do seu interesse encontrar fornecedores confiáveis ​​que possam oferecer produtos de qualidade a preços razoáveis. Além disso, verifique se eles não comprometem seus prazos de entrega. Aproveite o tempo para pesquisar e avaliar diferentes fornecedores até encontrar os corretos para iniciar seu negócio on-line.

Algumas coisas para lembrar:

  • Crie páginas de destino atraentes
  • Venda produtos com alta conversão
  • Escreva descrições cativantes de produtos
  • Exiba sempre seus produtos em HD

# 4 Escolhendo a plataforma de negócios on-line certa

Muitos empreendedores tendem a cometer um erro crucial ao optar por uma plataforma de comércio eletrônico que não é ideal para seu modelo de negócios. Há vários aspectos que você deve avaliar antes de escolher uma plataforma de comércio eletrônico.

A plataforma de comércio eletrônico errada não apenas cria problemas no futuro, mas também afeta significativamente as operações em andamento. Existem muitas plataformas de negócios online para você escolher. No entanto, na minha opinião, as cinco principais plataformas de comércio eletrônico em 2019 são:

  1. WooCommerce
  2. Magento
  3. Shopify
  4. BigCommerce
  5. Prestashop

Obtenha informações valiosas sobre a participação de mercado dessas plataformas líderes de comércio eletrônico. Neste artigo, mostrarei como configurar uma loja on-line no WooCommerce e iniciar seu negócio on-line com uma plataforma líder de comércio eletrônico.

O que é comércio eletrônico com exemplos | Comércio eletrônico ou comércio eletrônico (2019)

# 5 Como configurar uma loja online usando o WooCommerce

A configuração de uma loja WooCommerce obviamente requer que você instale o plug-in WooCommerce primeiro. Assim que você o tiver, você verá uma mensagem de boas-vindas no painel dizendo: "Bem-vindo ao WooCommerce – você está quase pronto para começar a vender".

Clique em "Execute o Assistente de instalação”. Este é o método mais fácil de configurar uma loja WooCommerce. Por acaso, se você clicar acidentalmente em "Ignorar configuração”, Você ainda pode executar o Assistente de Configuração navegando para WooCommerce> Ajuda> Assistente de Configuração. Vamos dar uma olhada no processo de configuração da sua loja online no WooCommerce.

# 1 Configuração da loja

Você pode configurar a localização do seu negócio on-line aqui. Você também deve definir a moeda em que negocia e o tipo de produto que deseja vender.

Um guia passo a passo para iniciar um negócio on-line [GUIDE] 9

# 2 Configuração de pagamento

A configuração do pagamento é uma etapa importante, portanto, tome cuidado. Como o WooCommerce aceita pagamentos offline e online, você pode escolher seu processador de pagamento aqui. Eu recomendo adicionar o Stripe e o PayPal para começar. No entanto, você sempre pode adicionar outros modos de pagamento.

Um guia passo a passo para iniciar um negócio on-line [GUIDE] 10

# 3 Envio

Se você deseja vender seus produtos globalmente, pode escolher suas zonas de envio e definir os custos de envio. Além disso, é aqui que você pode configurar os parâmetros para o peso e as dimensões do seu produto.

Um guia passo a passo para iniciar um negócio on-line [GUIDE] 11

# 4 Recomendado

Você pode aproveitar incríveis aplicativos gratuitos recomendados para o seu negócio on-line. Dependendo dos seus requisitos, alterne a opção mais apropriada para ativá-los ou desativá-los.

Um guia passo a passo para iniciar um negócio on-line [GUIDE] 12

# 5 Ativar

No momento da ativação, você tem a opção de usar o Jetpack. Este plugin do WordPress garante segurança, desempenho e gerenciamento de sites com facilidade. Ele também oferece vários aspectos significativos, como impostos automatizados e etiquetas de remessa com desconto. No entanto, se você preferir ignorá-lo, poderá, pois isso não terá nenhuma implicação direta no lançamento de sua loja online no WooCommerce.

Um guia passo a passo para iniciar um negócio on-line [GUIDE] 13

# 6 Pronto!

Parabéns! Você iniciou com sucesso seu negócio on-line WooCommerce e agora está pronto para começar a vender seus produtos. Basta clicar em "Criar um produto" para começar a adicionar os produtos à sua loja online.

Um guia passo a passo para iniciar um negócio on-line [GUIDE] 14

# 6 Adicionando produtos à sua loja online

Antes de começar a vender seus produtos por meio da sua loja online WooCommerce, você deve avaliar o essencial. É importante aprender o básico do WooCommerce, descobrindo as categorias, atributos e tipos de produtos.

Um guia passo a passo para iniciar um negócio on-line [GUIDE] 15

Categoria de Produto

As categorias de produtos ajudam a agrupar seus produtos. Por exemplo, "roupas", "roupas esportivas" ou "roupas de dormir" são categorias de produtos. Eles permitem que seus visitantes on-line encontrem rapidamente os produtos na mesma categoria. Sinta-se à vontade para criar quantas categorias de produtos desejar e alterá-las a qualquer momento.

Etiquetas do produto

Os rótulos dos produtos ajudam a filtrar seus produtos de acordo com seu tamanho, cor ou tipo. Você pode criar etiquetas personalizadas como "tecido" se estiver vendendo roupas ou "provar" se estiver vendendo produtos alimentícios. Os rótulos dos produtos ajudam os clientes on-line a escolher os produtos desejados com facilidade. Você também pode atribuir rótulos de produtos independentemente a cada produto ou configurar um rótulo genérico para toda a página da web.

Informações do produto

O WooCommerce economiza seu tempo oferecendo tipos de produtos predefinidos. Por exemplo:

  • Simples: enviado sem nenhuma opção. Por exemplo, um livro físico
  • Agrupados: um grupo de produtos similares. Por exemplo, uma dúzia de óculos
  • Externo / Afiliação: o produto é anunciado em seu site, mas é vendido em outro lugar
  • Variável: esses produtos têm atributos variados, como tamanho, cor, peso, etc. Por exemplo, roupas.
  • Virtual: são produtos que não requerem envio. Por exemplo, serviços.
  • Download: Estes são os produtos que você pode baixar no site. Por exemplo, músicas, fotos, vídeos, ebooks, etc.

Adicione produtos à sua loja WooCommerce

Com tantos produtos, pode ser confuso adicionar um novo produto à sua loja WooCommerce. Não obstante. adicionar produtos à sua loja WooCommerce não é ciência do foguete.

Para começar, vá para Produtos> Adicionar novo

Escreva o título do seu produto junto com a descrição. A descrição do produto apresenta as informações mais importantes e relevantes sobre o produto.

Geral

Você pode definir o preço do seu produto na seção Geral. Você também pode configurar um preço promocional ou até agendar datas de vendas.

Um guia passo a passo para iniciar um negócio on-line [GUIDE] 16

Inventário

A seção Inventário ajuda a organizar a Unidade de gerenciamento de estoque (SKU). Você pode selecionar se um determinado produto está em estoque ou fora de estoque. Você também pode verificar a opção "vender individualmente", que permite vender apenas um item por vez.

Um guia passo a passo para iniciar um negócio on-line [GUIDE] 17

Remessa

A seção Remessa trata das operações de entrega e logística. Você pode fornecer as dimensões, peso e classe de entrega de seus produtos.

Um guia passo a passo para iniciar um negócio on-line [GUIDE] 18

Produtos Associados

Esta seção permite vincular e comercializar produtos relacionados ao cliente. Você pode efetivamente promover seu produto vendendo mais ou vendendo outros produtos.

Um guia passo a passo para iniciar um negócio on-line [GUIDE] 19

Atributos

Esta seção permite adicionar atributos do produto. Por exemplo, se você estiver vendendo camisetas de várias cores, poderá especificar as cores aqui.

Um guia passo a passo para iniciar um negócio on-line [GUIDE] 20

Avançado

A seção Avançado permite ativar ou desativar as notificações. Também permite criar notas de compra para seus clientes. Você também pode especificar o pedido no menu e escolher posições personalizadas para o seu produto.

Um guia passo a passo para iniciar um negócio on-line [GUIDE] 21

Depois de concluir os dados do produto acima mencionados, você estará pronto para publicar seu produto!

Um guia passo a passo para iniciar um negócio on-line [GUIDE] 22

# 7 Alvo do público certo

Quando você inicia um negócio on-line, não há garantia de que seus clientes em potencial o encontrarão imediatamente. Portanto, você deve comercializar seus produtos com eficiência. Você pode fazer isso otimizando o site de acordo com os mais recentes padrões de otimização de mecanismo de busca (SEO). É importante!

Os dias de preenchimento de palavras-chave já se foram há muito tempo, mas o SEO ainda está vivo e indo bem. Você deve manter as palavras-chave ou os termos de pesquisa em foco para cada página de destino da sua loja online. Você deve colocar suas palavras-chave em seus URLs, bem como em suas páginas de destino, blogs e campanhas publicitárias. Tudo o que você precisa é fazer um esforço para direcionar o tráfego para seu site.

Iniciar um negócio on-line exige um plano financeiro bem pensado. Você deve investir com sabedoria quando se trata de marketing online. Você pode se inscrever em vários boletins de marketing, ouvir diferentes podcasts de marketing digital e manter uma visão geral do setor. É essencial aprender estratégias de marketing acionáveis ​​para tornar sua loja online bem-sucedida a longo prazo. .

Há muitos fatores que você deve considerar para atrair o público certo. Você pode patrocinar conteúdo em plataformas de terceiros ou usar o poder da mídia social, que funciona como um encanto. Além disso, as campanhas de anúncios PPC podem ajudar você a aumentar suas conversões.

Você deve monitorar quais campanhas de marketing estão direcionando tráfego para seu site. Se o marketing da sua marca parecer avassalador, você sempre poderá contratar uma equipe profissional para fazer isso por você.

# 8 Dimensionando seus negócios on-line

Iniciar um negócio on-line não é uma tarefa fácil, no entanto, dimensionar um negócio on-line é uma tarefa grande e diferente. Torna-se um aborrecimento para muitos empreendedores online depois que eles iniciam uma loja online. Quando sua marca começar a crescer, você provavelmente verá um aumento nas vendas. Independentemente disso, não considere isso um sucesso ainda.

Você não quer acabar com uma alta demanda por seus produtos, com pouca ou nenhuma maneira de atendê-lo. Para atender às demandas de seus clientes com presença de marca expandida, você deve estar pronto para expandir suas operações.

Não se estresse. Comece mantendo uma visão panorâmica de seus KPIs (Indicadores de desempenho chave) de comércio eletrônico. Quanto mais estatísticas detalhadas você puder medir, mais dados você terá que o ajudará a tomar importantes decisões de negócios.

Monitorando como esses KPIs mudam ao longo do tempo quando você mexe com eles, permitirá desenvolver uma estratégia de marketing on-line vencedora. Isso o ajudará a tomar melhores decisões com relação à marca e ao dimensionamento de seus negócios online.

Além disso, você pode escolher entre os plug-ins essenciais do WooCommerce que podem ajudá-lo a alterar a aparência da sua loja online. Você também pode automatizar convenientemente processos com diferentes plugins. Essas extensões e plug-ins para o WooCommerce ajudam a criar uma loja on-line eficiente.

Melhor época para iniciar um negócio on-line

Até agora, você entende que iniciar um negócio on-line pode ser uma tarefa difícil, se você não jogar suas cartas corretamente. Por exemplo, entrar no mercado certo na hora certa é essencial, pois cria toda a diferença. No entanto, qual é o momento certo para entrar no cenário do comércio eletrônico? A resposta é AGORA!

Fato engraçado: O setor de comércio eletrônico resultará em uma receita global de mais de US $ 4 trilhões até o final de 2021 – eMarketer.

Mantendo as estatísticas de crescimento do comércio eletrônico em foco, há dois melhores momentos para entrar no espaço do comércio eletrônico e obter lucros maciços. Eles são:

1) A Temporada de Volta às Aulas

Esta é a 2ª maior temporada de vendas online do mundo. Começa no final de julho e dura até meados de setembro. Os varejistas de volta às aulas oferecem uma variedade de produtos que os pais compram para os filhos. Em média, 29 milhões de famílias dos EUA participaram da maratona de compras, com um gasto médio de 510 dólares por família em 2018.

O tamanho de mercado da temporada de vendas de volta às aulas é estimado em US $ 27,6 bilhões. É um mercado enorme para atender à sua loja online.

2) A temporada de vendas de festas

A temporada de vendas de festas é a maior temporada de vendas on-line do mundo. Começa em outubro e culmina com as celebrações do ano novo.

Você pode oferecer promoções exclusivas para Halloween, Ação de Graças, Black Friday, Cyber ​​Monday, Natal e Ano Novo durante a temporada de vendas de fim de ano. As vendas durante esta temporada em 2017 aumentaram 17,8%, enquanto crescerão quase 15% – 17% em 2018. Segundo o eMarketer, o setor de varejo (na loja + on-line) dos EUA crescerá 3,8% em 2018 para US $ 691,9 bilhões.

Sem dúvida, a temporada de vendas de feriados é o melhor momento para você entrar no mercado online. Você pode obter lucros mais altos com facilidade, pois todo mundo está em busca das melhores ofertas promocionais em que podem obter as mãos.

Promoções sensíveis ao tempo funcionam como um encanto!

Muitas campanhas online fazem sentido apenas durante a temporada de férias. Você tem uma chance de executá-los perfeitamente. Para ajudá-lo nesse sentido, aqui está uma lista de verificação de sobrevivência da loja de comércio eletrônico para a temporada de festas.

Não há necessidade de suportar a pressão. Não importa se você oferece uma promoção em flash ou um guia de presentes de feriado, você terá um público-alvo de comércio eletrônico maior para interagir durante a temporada de festas. Tire vantagem disso.

Você também pode aproveitar esta oportunidade para definir sua marca. Trabalhe em estratégias que permitam que você se destaque da multidão. Quaisquer esforços que você fizer durante a temporada de férias para refinar sua marca, você poderá realizá-los no ano seguinte.

Você está pronto para iniciar uma loja online?

Se você optar por entrar no mercado com a temporada de vendas de volta às aulas ou a grande temporada de vendas de feriados, otimize seu site pelo menos 30 dias antes do início de qualquer temporada de compras.

Isso lhe dará tempo suficiente para considerar estratégias de marketing eficazes e identificar lacunas. Por exemplo, é uma boa idéia reembalar seu site em uma loja de comércio eletrônico com tema durante a temporada de vendas. Aumenta as conversões.

Se você pretende entrar no mercado com a temporada de vendas de festas, fique à vontade para seguir em frente. Dê o seu melhor. Infelizmente, se você não conseguir obter lucros maciços, não se preocupe. Você tem um ano inteiro para superar as lutas que sofreu e voltar na próxima temporada de vendas de férias mais forte do que nunca.

Então, o que você está esperando? Inicie uma loja on-line hoje e trabalhe para obter grandes lucros, expandindo sua presença on-line para as pessoas certas.

Converter tráfego em compradores com hospedagem de comércio eletrônico gerenciado

Veja seu negócio crescer sem se preocupar com o gerenciamento de servidores!

Um guia passo a passo para iniciar um negócio on-line [GUIDE] 23

Reza Merchant

Reza Merchant é um fã ferrenho por paixão e um profissional de marketing digital por profissão. Ele gosta de criar conteúdo digital para várias plataformas e aspira a ser a mudança que deseja ver neste mundo.



Apenas 10% das empresas de varejo usam IA

Retail Business AI Statistics


O relatório ScaleFactor State of SMB Finance diz que apenas 10% das empresas de varejo estão usando Inteligência Artificial (IA). O relatório revela que os varejistas de pequenas e médias empresas (SMB) são os mais relutantes em implementar soluções de IA ou Machine Learning (ML) em seu fluxo de trabalho.



Estatísticas de IA de negócios de varejo

Além disso, 40% dizem que não estão interessados ​​nessa tecnologia. Apesar do desinteresse, 44% das empresas de varejo dizem que não consideram o processo de implementação de IA ou ML desafiador; o mais alto em todos os setores.

E mais de um terço (39%) admite não saber que IA / aprendizado de máquina foram opções para suas soluções contábeis. Portanto, existem alguns dados conflitantes durante esse estágio inicial da tecnologia de IA e ML. Este é especialmente o caso de empresas muito pequenas.

Enquanto a maioria das empresas de médio porte (72%) usa IA e aprendizado de máquina, empresas muito pequenas (13%) estão atrasadas em todos os setores. Aqueles que usam a IA costumam usá-la para contabilidade (76%), faturamento (61%), processamento de folha de pagamento (60%) e pagamento de contas (55%).

Kurt Rathmann, fundador e CEO da ScaleFactor, explica exatamente esse ponto no release do relatório. Rathmann diz: "As pequenas empresas estão encontrando maior valor na adoção de soluções de tecnologia para auxiliar no back-office à medida que a demanda dos clientes por soluções de rapidez e comércio eletrônico aumenta".

Ele também continua dizendo que as organizações estão passando por uma nova fase que está focada em aproveitar a eficiência de uma força de trabalho inteligente por meio do uso de tecnologia perspicaz e prescritiva. Por sua vez, isso consolidará operações complexas de back-office em um "SO comercial" intuitivo, fornecendo uma base para os proprietários se concentrarem no crescimento dos negócios.

O que está mudando?

A maioria dos SBMs agora está adotando uma solução de contabilidade ou back office baseada em tecnologia – abandonando os Chief Financial Officers (CFOs). Atualmente, 58% das pequenas e médias empresas usam soluções de tecnologia de contabilidade / back-office, enquanto 76% não possuem um CFO em tempo integral ou fracionário e não têm planos de contratar um. Apenas uma fração, 23% tem um FCO dedicado em tempo integral. E essas mudanças estão sendo impulsionadas por tecnologias como AI e ML.

Finanças

Em termos de fontes financeiras, elas variam dependendo do tamanho da empresa. Para empresas de médio porte, grande parte do financiamento é proveniente de empréstimos de instituições financeiras. Pequenas empresas, no entanto (59%) usam seus cartões de crédito para financiar seus negócios. Enquanto empresas muito pequenas (77%) reinvestem os lucros de sua empresa nos negócios. Curiosamente, porém, quase um terço (34%) reinvestiu os lucros de sua empresa nos negócios.

O relatório ScaleFactor revela que a maioria dos pesquisados ​​apresentou um número de receita estável ou crescente em comparação ao ano passado. Apenas uma fração (4%) registrou uma queda nas receitas em relação a 2018, com 44% observando um aumento de 10% ou mais no crescimento da receita.

Quando se trata de contratação, as empresas de varejo têm a maior taxa de novas contratações entre os setores verticais da pesquisa. Vinte e dois por cento das empresas relatam de duas a três novas contratações nos últimos 12 meses

Apesar disso, muitas empresas não procuram contratar novos funcionários. De fato, 52% dessas empresas não contrataram novos funcionários nos últimos 12 meses. Os custos salariais (18%) são a maior razão para não contratar novos funcionários. Enquanto a escassez de mão-de-obra (13%) foi outro desafio enfrentado pelos proprietários em um mercado de trabalho restrito.

Torne sua empresa mais inteligente

A inteligência artificial é amplamente usada em aplicativos de negócios para automação, análise de dados e processamento de linguagem natural. A IA pode ajudar as empresas a aumentar as vendas, detectar fraudes, melhorar a experiência do cliente, automatizar os processos de trabalho e fornecer análises preditivas.

No segmento de varejo, a IA é particularmente útil para mapear o comportamento do consumidor e melhorar a experiência do cliente. Isso pode ser útil em uma época em que pequenos varejistas estão competindo com gigantes como Amazon e Walmart. Com uma plataforma de comércio eletrônico, as pequenas empresas podem competir com os gigantes varejistas online do mercado.

A inteligência artificial pode ajudar a trazer eficiência às operações, substituindo as pessoas por tarefas repetitivas. Ao ajudar a evitar tarefas repetitivas por sua força de trabalho, a IA pode introduzir automação em uma empresa. Com a IA, os funcionários podem se concentrar em realizar tarefas de alta prioridade que exijam atenção humana e não percam tempo em tarefas improdutivas. O aumento da eficiência, em última análise, se traduz em maiores lucros para as empresas.

Com a IA, os varejistas podem coletar e organizar melhor dados massivos de clientes. Usando esses dados, a IA pode tirar conclusões e criar uma experiência de compra mais personalizada para os clientes. Os dados ajudarão você a saber o que eles gostam, fornecendo informações para criar uma experiência mais atraente para os clientes com base em seus interesses e gostos. Os varejistas também podem prever o desempenho de um produto no mercado, aprendendo com o passado a tomar decisões estratégicas e facilmente.

A IA pode ajudar os clientes a encontrar os itens por meio de pesquisa visual para personalizar sua experiência por meio de chatbots. A IA / aprendizado de máquina está revolucionando o setor de varejo de várias maneiras. Esteja você procurando abordar marketing, atendimento ao cliente ou vendas, a IA pode fornecer uma solução personalizada para suas necessidades.

Imagem: Depositphotos.com

Mais em: Comércio eletrônico




Quão influente pode ser um sorteio para as empresas?

Quão influente pode ser um sorteio para as empresas?


Quão influente pode ser um sorteio para as empresas? 24

Trazido a você pela National Sweepstakes Company:

Qualquer pessoa familiarizada com o mundo do marketing digital sabe o quanto isso envolve. Há muita estratégia para implementar, muitas dicas a seguir, aplicativos para participar e atalhos para usar. Há coisas que você * deveria * estar fazendo, em termos de marketing digital, se quiser que sua empresa sobreviva. Depois, há coisas das quais você realmente se beneficiaria se as fizesse, mas elas consomem tempo – e não há garantia de que você as acertará.

Se você já ouviu falar em realizar sorteios como uma iniciativa de marketing, pode ter descartado a ideia como demorada demais. As chances são de que você sugeriu alguém sem compromisso: "Ei, você deveria hospedar um sorteio, funcionou bem para isso e aquilo", e você simplesmente encolheu os ombros, pois não está no topo da sua lista de prioridades. Afinal, você acha que os sorteios são temporários e relativamente em pequena escala, então eles não valem o seu tempo … não são?

Essa suposição estaria errada. Na verdade, quando eles são feitos corretamente, os sorteios podem ser altamente influentes para as empresas. Eles podem conquistar um público totalmente novo, sem praticamente nenhum esforço ou propaganda de sua parte – você só precisa saber como divulgar seus sorteios com sucesso. Se você quiser entender por que os sorteios podem ser tão eficazes para influenciar as decisões dos clientes, continue lendo.

Primeiro de tudo, o que é um sorteio?

Caso você não esteja familiarizado com os sorteios, eles são uma forma de competição on-line, gratuita para participar, hospedada por empresas que usam a atenção on-line para promover seus produtos ou serviços a um público interessado.

Para participar de um sorteio, os candidatos geralmente precisam enviar uma série de detalhes pessoais, incluindo nome e endereço de e-mail, usando um formulário on-line. Os nomes dos participantes são inseridos no sorteio e serão notificados (geralmente por e-mail) do vencedor em uma data posterior. Os prêmios do sorteio tendem a ter um preço bastante alto, a fim de atrair o maior público-alvo possível. Os prêmios podem ser um produto ou serviço caro, como uma bolsa de grife ou um feriado. Carros e dinheiro também são prêmios populares em sorteios.

Vamos considerar que você planeja sediar sua própria loteria, usando um de seus produtos mais caros como prêmio. Se você sabe como implementar seu sorteio com sucesso e, mais importante ainda, legalmente, deve colher enormes recompensas por seus esforços. Veja como o poder influente dos sorteios pode ser benéfico para sua empresa:

Para ajudar a dar uma luz positiva aos negócios

Quem disse que "toda publicidade é boa publicidade" pode estar certo até certo ponto, mas ainda não há como negar fatos concretos: a melhor publicidade é a coisa positiva. E não adianta esperar uma notícia milagrosa documentando seu trabalho de caridade da imprensa local quando você pode criar sua própria publicidade positiva através de sua campanhas de marketing selecionadas.

Em todas as áreas do marketing digital, os sorteios são os mais eficazes na promoção positiva – e há muito poucas vendas ativas que precisam ser feitas da sua parte. Depois que sua sorte circula na Internet com seu atraente prêmio em exibição para todos verem, você consegue mostrar sua empresa da maneira mais agradável possível, sem necessidade de RP pago.

Para anunciar – sem o conteúdo publicitário

As pessoas odeiam anúncios, e isso é fato. De acordo com pesquisas recentes com consumidores, 88% dos usuários on-line desejam filtrar os anúncios desagradáveis ​​da Internet e 91% das pessoas dizem que os anúncios são mais invasivos hoje do que há dois ou três anos atrás. Hoje em dia, há tanto conteúdo publicitário ruim que as empresas precisam ser espertas na forma que seus anúncios estão adotando ou encontrar uma maneira de bani-las completamente.

O melhor dos sorteios é que eles são um método indireto de publicidade que permite que as empresas mostrem seus melhores recursos de maneira inteligente. Se você sabe o que está fazendo, no momento em que a sua aposta está em andamento, você conseguiu vender seus negócios para centenas de pessoas com a mesma eficácia que se tivesse usado um anúncio direto tradicional, mas seu público nem sequer sabe que eles estão sendo anunciados.

Para tornar um negócio ou um produto desejável

Os sorteios são essencialmente competições de larga escala baseadas na Internet. Portanto, não se surpreenda se a natureza de seu sorteio incentivar seus candidatos a ver seus negócios de um ponto de vista competitivo. O prêmio do sorteio é desejável, o que lhe dá uma sensação única de edição limitada (mesmo que provavelmente não seja).

Do ponto de vista dos participantes do sorteio, isso dá a toda a empresa um nível de conveniência que cria a sensação de “deve ter agora” quando eles compram seus produtos. Bem-vindo: muitas novas vendas.

Solicitando aos clientes que considerem uma compra que talvez não tenham considerado antes

Mesmo quando todos, exceto um de seus participantes no sorteio, não ganharem o prêmio, um sorteio planejado de forma inteligente ainda os deixará viciados em seus produtos, mesmo que não tenham percebido que os desejavam antes. Esse é o poder de apresentar algo na forma atraente de uma competição – absorve as pessoas sem que elas entendam completamente o porquê.

Não há muitas coisas na vida que as pessoas realmente precisam, e é por isso que o marketing digital é mais bem-sucedido quando apela aos desejos das pessoas. Um sorteio pode convencer os participantes de quanto eles querem ganhar seu produto, o que é muito mais impactante do que se eles acreditassem que necessário seu produto.

Hospedando seus próprios sorteios

Tomar o marketing com as próprias mãos não é fácil, mas isso não significa que você é incapaz de fazê-lo e obtém muito sucesso com isso. Ainda assim, se você não tiver certeza sobre um aspecto específico da hospedagem de sorteios ou estiver preocupado em cometer um erro legal, poderá entrar em contato com um Companhia Nacional de Sorteios para suporte e aconselhamento especializado.

Uma empresa de sorteios pode ajudá-lo com a quantidade de hospedagem de sorteio que você combina com você, além de lidar com todos os detalhes administrativos e documentos que cobrem orçamentos promocionais e leis de sorteios.

Quão influente pode ser um sorteio para as empresas? 25

Quão influente pode ser um sorteio para as empresas? 26